In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2018

Tribunais recorrem mais a psicólogos para audições a crianças

  • PDF

ordempsicologosOs tribunais criminais e cíveis estão cada vez mais a recorrer aos psicólogos para auxiliarem os juízes na preparação das audições às crianças e para acompanharem os menores, avaliando se estes estão em condições de poder dar o testemunho. Com o interesse crescente, a Ordem dos Psicólogos já deu formação específica a 800 profissionais.

Tornou-se até uma "prática generalizada há mais de um ano", garantiram ao DN o bastonário da Ordem dos Psicólogos, Francisco Miranda Rodrigues, e o presidente do conselho regional de Lisboa da Ordem dos Advogados (OA), António Jaime Martins. Por lei a audição das crianças a partir dos 12 anos é obrigatória para decidir nas responsabilidades parentais mas "até têm sido ouvidas com menos de 12 pelos juízes", explica António José Martins. "Os pais não se podem opor às audições mas a criança tem o direito de não querer ser ouvida."

Miranda Rodrigues e António Jaime Martins organizaram um colóquio sobre a "audição da criança em tribunal", na semana passada, em que se anunciou o lançamento de um projeto-piloto nesta matéria (ver caixa).

O maior recurso dos tribunais ao auxílio da psicologia levou a Ordem dos Psicólogos a apostar em cursos de formação específica para os seus profissionais. "Por causa do recurso cada vez maior a psicólogos pelos tribunais, a ordem avançou, em setembro do ano passado, com ações de formação de 30 horas em áreas específicas da justiça, em todo o país, e que foram frequentadas por 800 psicólogos até ao final do ano", adiantou Francisco Miranda Rodrigues.

A Ordem dos Psicólogos prepara-se também para assinar, em breve, um protocolo com o Conselho Superior da Magistratura para "aumentar os contributos da psicologia na justiça, nomeadamente no apoio à prevenção de riscos psicossociais junto dos magistrados". Miranda Rodrigues explica que "a profissão de juiz apresenta riscos psicossociais elevados e é possível preveni-los com recurso ao apoio psicológico".

O bastonário ressalva que apesar do "crescente interesse e abertura" dos tribunais há uma "escassez de psicólogos nas equipas multidisciplinares de assessoria aos tribunais (EMAT) para os processos de promoção e proteção de menores e para as ações tutelares cíveis [regulação das responsabilidades parentais]". Nos processos-crime em que a criança é a vítima - de abusos sexuais, violação ou outros crimes -, o tribunal pede o acompanhamento por um psicólogo forense do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) mas é sempre o juiz que colhe as declarações da criança para memória futura. "Os tribunais efetuam frequentemente o pedido explícito de que o técnico que irá acompanhar a criança seja psicólogo", refere Miranda Rodrigues. De acordo com o Regime Geral do Processo Tutelar Cível (RGPTC), " a tomada de declarações dos menores é realizada em ambiente informal e reservado, para permitir a espontaneidade e a sinceridade das respostas", refere o bastonário. Mas "são poucos os tribunais com salas adequadas para o efeito".

Não há técnicos de piquete

Quando há detenções de arguidos ao fim de semana por abusos sexuais de crianças "muitas vezes os tribunais de turno não têm técnicos - assistentes sociais e psicólogos - para acompanhar os menores vítimas desses crimes na primeira diligência", critica o presidente do conselho regional de Lisboa da (OA), António Jaime Martins. "Assim como há advogados e procuradores escalados de prevenção para os sábados e domingos também devia haver técnicos de piquete."

Os advogados não têm intervenção na audição à criança, que é sempre conduzida pelo juiz.

"Mas nas ações de regulação das responsabilidades parentais os advogados podem indicar ao juiz algumas questões que gostariam que ele colocasse à criança", sublinha. O conselho regional de Lisboa da OA editou um guia das boas práticas para a audição de crianças em tribunal para os vários profissionais que intervêm nos processos.

Rute Coelho | Diário de Notícias | 26-03-2018

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
Deriva perigosa
A clinicalizacao da justiça, da educação, etc, é algo de muito perigoso. Do que se trata, em verdade, é de arranjar emprego para os bruxos da nossa época... À custa da autoresponabilizacao daqueles que têm socialmente o dever de julgar, de educar, etc...
A segurança jurídica nas mãos de bruxólogos, cujos modelos e teses estão constantemente a ser desmentidas pelos próprios, é remetida para a arqueologia jurídica...
E no fim quem paga a factura?
Psicolocoiso , 26 Março 2018 - 22:50:38 hr.
...
Sigo o princípio de Tarso, segundo o qual é errado afrontar as decisões judiciais.
Mas ele também disse que não há Estado de direito democrático sem segurança jurídica.
A questão é saber se o Juiz ou o colectivo está obrigado a aceitar o testemunho dos psicólogos, ou se deve apenas tomar em consideração esse testemunho e decidir de acordo com a convicção que criou com a prova produzida e os factos trazidos ao processo.
Não creio que existam algum Magistrado que possa dizer que sabe tudo, sobre tudo. Ter mente aberta para ouvir é algo que me parece tão natural que me espanta que alguém tenha a arrogância de julgar que dispensa a opinião de outrem, pior quando tido por especialista sobre a área em disputa. Ouvir, não decidir em função da opinião, que sempre seria tomado como intromissão inadmissível, como uma opinião que se substitui ao poder do Magistrado. E isso sim, seria muito perigoso. Ouvir quem esteja mais habilitado a falar sobre a a área em disputa, não é, nunca será um acto de menoridade do Magistrado, antes um acto de inteligência para formular uma convicção mais próxima da realidade e decidir com menor risco de errar ou ser menos perfeita a decisão. Repito, ouvir. E o que digo para psicólogos, digo para qualquer área com conhecimentos específicos, que por serem específicos podem fugir ao conhecimento profundo dos Magistrados. Um especialista é um profissional e, por isso, é susceptível de ser escolhido por um dos agentes do processo em função do seu valor, o que traria mais uma desigualdade de armas ao processo, em função do poder económico de cada um dos contendores. Já basta a desigualdade de armas no Advogado escolhido. Também por isso deve ser tida em conta a sua opinião, mas não mais do que isso. Afinal, o que oferece maior garantia de segurança jurídica? A opinião que cada um de nós tem dos psicólogos e psiquiatras é outra coisa, e não me parece relevar para o caso. Respeitosamente.
Orlando Teixeira , 30 Março 2018 - 13:40:53 hr. | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

«Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de ...

Para aceder aos conteúdos anteriores da Revista Digital InVerbis: 2018 Prima no menu superior e seleccione a secção cuj...

A economia portuguesa continua a abrandar. De acordo com os dados da OCDE, em maio, esta trajetória descendente no ritmo...

{youtube}wp7AkPKfgJY{/youtube}(c) JUSTAMENTE Falar de Justiça Um Alerta ASJP | Ao serviço dos Cidadãos ...

Últimos comentários

  • Fim

    É com tristeza que vejo o fim, quem sabe uma interrupção, deste espaço de informação e debate. Bem haja pelo empenhamento e ...

  • Fim

    Ao Senhor Juiz Joel quero agradecer este espaço livre e independente de interessantes e proveitosos debates sobre o tema da Justi...

  • Fim

    Obrigado, caríssimo Colega, pela brilhante revista digital, por mim e tantos outros consultada diariamente! Lamento, profundament...

Atualidade Tribunais Tribunais recorrem mais a psicólogos para audições a crianças

© InVerbis | Revista Digital | 2018.

Sítios do Portal Verbo Jurídico