In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2018

A justiça e a informação: um problema bom

  • PDF

O ritmo das notícias nos media, ao mesmo tempo que propicia uma enormíssima abrangência de temas, tem o seu revés na relativa dificuldade em explicar convenientemente diferentes perspetivas de um único assunto: as notícias são dadas tão rapidamente quanto possível - basta olhar para o rodapé dos jornais televisivos -, porque há uma enormíssima quantidade de informação a transmitir, o que dificulta muito a tarefa editorial.

Dir-se-ia que esse é um "problema bom" - lembrando o que dizem os treinadores de futebol quando têm vários bons jogadores para uma posição -, mas complica sobremaneira a disponibilização de informação adequada, sendo as questões jurídicas um exemplo paradigmático disso. De facto, destas, as que mais importam em termos noticiosos são, muitas vezes, complexas: há, para os vários lados envolvidos, diferentes versões dos factos e diversos enquadramentos jurídicos, que envolvem diferentes regimes jurídicos, obrigando a extensos pareceres jurídicos, tudo o que - por ser longo e, devo reconhecer, muitas vezes maçador e inconclusivo (mesmo para juristas experimentados) - se presta mal à explicação jornalística.

Por isso, a discussão dos temas jurídicos - envolvendo (ou não) processos judiciais - peca, quase sempre, por uma deficiente explicação do direito que lhes está subjacente. Um exemplo: as providências cautelares - para a suspensão de umas obras, admitamos - são, muitas vezes, algo de um equívoco que consiste em dizer que os tribunais ordenam a suspensão de uma obra, quando, na verdade nenhuma decisão é tomada pelos nossos juízes. De facto, o contencioso administrativo obriga a que, mal as entidades administrativas são citadas (pela secretaria do tribunal) para o processo, devam parar (ou mandar parar) a execução das obras; como as obras param efetivamente, isso é apresentado como uma (ponderada) "decisão judicial" em vez de, como é realmente, o simples ato decorrente de alguém ter dado entrada de um processo.

A falta de perceção desta importante diferença causa na opinião pública a impressão de que algo foi já decidido, o que permite, claro, tirar conclusões sobre a (i)legalidade da atuação das entidades públicas, quando isso pode ser - e será muitas vezes - precipitado. Em casos de grande exposição pública, de nada valerá, mais tarde, uma decisão judicial favorável porque a perceção pública que se criou dificilmente será corrigida e, no caso de se tratar de um empreendimento urbanístico, por exemplo, cria-se um verdadeiro anátema: a obra será, para muitos e perenemente, ilegal e malquista.

É claro que tem de haver um tratamento jornalístico de temas como os do exemplo que apresento, mas, como dizia no início, a voragem dos nossos dias e a rapidez a que a informação é adquirida e é (porque tem que ser) difundida torna esse tratamento particularmente árduo e um desafio para os jornalistas e, sobretudo, para os juristas que, como eu, se esforçam por tornar os temas jurídicos mais claros e acessíveis à generalidade das pessoas.

Carlos Lucena | Diário de Notícias | 08-06-2018

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
...
Curioso o Dr. Carlos Lucena falar de Justiça e Imprensa, da deficiente explicação do direito, quando os elementos da Justiça são convidados a explicar casos, logo ele que recentemente ter sido convidado a explicar a eventualidade de trabalhadores terem justa causa para rescindir contratos, tomando claramente um partido, esquecendo-se de explicar o direito. E esse abrange várias leituras, várias conclusões. O problema é complexo face ao jornalismo actual, onde a (de)formação de opinião prevalece, contra a oferta de instrumentos para que o leitor/espectador/ouvinte possa concluir a sua opinião. O jornalista de hoje não está interessado, nem preocupado em oferecer matéria para o seu destinatário poder formular a sua opinião. Ele está interessado em impor a sua opinião aos destinatários. No passado, o lema era "Ler jornais, é saber mais". Hoje, o lema é "O Jornal que faz opinião". E esse é o risco que os operadores da Justiça correm quando são convidados a explicar casos na imprensa, porque só são convidados os que estão dispostos a ter a opinião do órgão de comunicação social. E isso não parece que prestigie a Justiça. Cabe a cada um dos convidados estabelecer as fronteiras ao OCS, opinando e apresentando as explicações possíveis, desde logo o que está em causa, as visões possíveis e as necessárias conclusões. Trocar o lápis azul do Coronel Barreto, por um lápis de qualquer cor, impondo aos destinatários uma opinião e conclusão que ele não pediu, é tudo menos Jornalismo.
Orlando Teixeira , 17 Junho 2018 - 13:53:42 hr. | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

«Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer, e tempo de ...

Para aceder aos conteúdos anteriores da Revista Digital InVerbis: 2018 Prima no menu superior e seleccione a secção cuj...

A economia portuguesa continua a abrandar. De acordo com os dados da OCDE, em maio, esta trajetória descendente no ritmo...

{youtube}wp7AkPKfgJY{/youtube}(c) JUSTAMENTE Falar de Justiça Um Alerta ASJP | Ao serviço dos Cidadãos ...

Últimos comentários

  • Fim

    É com tristeza que vejo o fim, quem sabe uma interrupção, deste espaço de informação e debate. Bem haja pelo empenhamento e ...

  • Fim

    Ao Senhor Juiz Joel quero agradecer este espaço livre e independente de interessantes e proveitosos debates sobre o tema da Justi...

  • Fim

    Obrigado, caríssimo Colega, pela brilhante revista digital, por mim e tantos outros consultada diariamente! Lamento, profundament...

Atualidade Direito e Sociedade A justiça e a informação: um problema bom

© InVerbis | Revista Digital | 2018.

Sítios do Portal Verbo Jurídico