In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2017

Cegueira

  • PDF

Pedro Mourão - O legislador desconheceu que a criminalidade não utiliza assinaturas, mas sim os chamados ‘pré-comprados’ sem qualquer identificação. Não se compreende que a imposição legal em conservar os dados se reporte a todo e qualquer cidadão que tenha uma assinatura ou seja utilizador registado numa operadora.

O Tribunal de Justiça da UE entendeu em dois acórdãos pela desproporcionalidade da legislação em vigor no que respeita ao período de um ano na conservação indiscriminada de dados gerados ou tratados no contexto da oferta de serviços de comunicações eletrónicas - telefónica, email ou acesso à internet.

A diretiva é uma exceção à privacidade das comunicações eletrónicas, limitando-se a lei nacional a transpô-la para a ordem jurídica interna. Pretende a diretiva que tal se destine à deteção, investigação e repressão de crimes graves, permitindo identificar o assinante ou o utilizador registado.

O legislador desconheceu que a criminalidade não utiliza assinaturas, mas sim os chamados ‘pré-comprados’ sem qualquer identificação. Não se compreende que a imposição legal em conservar os dados se reporte a todo e qualquer cidadão que tenha uma assinatura ou seja utilizador registado numa operadora, independente de ser ou não suspeito da prática de crime grave. Acaba-se por tratar de forma cega os dados a conservar.

A norma é desproporcional ao objetivo pretendido, com evidentes consequências, para além de não cumprir com a finalidade a que se propõe, vícios que contagiam a norma nacional. Não é aceitável que seja possível guardar os dados pessoais de todo o cidadão indiscriminadamente.

Pedro Mourão | Correio da Manhã | 04-03-2017

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
...
Há que proteger os criminosos em desfavor das vítimas, para isso existe o TJE e outros...
mano pedro , 06 Março 2017 - 08:16:58 hr.
Legislador?
O legislador!
Que raio? anda a Trumpar? Ou como diriamos em bom português anda a trampar?
Bolas! Basbaques merdólicos cuja mente defecatórica geradora de imaginários sistemas bigbrothicos é incapaz de entender aquilo com que lida preferindo auto impeidar-se com impamtismos alternativos de esquizomanias populachas!
Resumamos:
Quem é bom e honesto cidadão, sujeta-se ao escrutinio e á devassa.!
Quem por outro lado pefere a "clandestinidade" fica imune á bacorice dos burrocratóides amblioplicosda realidade!
Apre! Ele há coisas!
DEVOTO dos santos e da Virgem Marisa , 06 Março 2017 - 21:59:57 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

InVerbis 2018

Os conteúdos de 2018 desta revista digital passaram a ser publicados em novo diretório.

Revista InVerbis 2018

Últimos conteúdos

Um investigador da Universidade do Minho criou uma técnica para ajudar as testemunhas a recordarem com maior precisão o ...

Foi o pacto possível. Advogados inviabilizaram medidas mais musculadas no combate à criminalidade económico-financeira. ...

A empresa ANA - Aeroportos de Portugal, que gere os aeroportos nacionais, cobra uma taxa de 11,28 euros aos advogados qu...

Com o termo do ano, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2017.Para aceder aos conteúdos publi...

Últimos comentários

Opinião Artigos de Opinião Cegueira

© InVerbis | Revista Digital | 2017.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico