In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2017

Os Juízes

  • PDF

Francisco Moita Flores - Há um enorme contingente que prepara a cama onde os juízes se deitam. É injusto apuparmos juízes injustiçados.

Os juízes ameaçam as autárquicas com uma greve. Por outro lado, cada vez que sai um estudo de opinião sobre as classes profissionais, surgem sempre nos últimos lugares da tabela, desprezados e, até, descredibilizados, por razões que os estudos não esclarecem. Mas que gozam desse triste lugar na desconsideração social, não há dúvidas.

Quem conhece a atividade de muitos juízes fica perturbado com estes resultados. Ao longo de 40 anos fui acompanhando o trabalho de muitos destes homens e mulheres. Trata-se de gente que trabalha incansavelmente, sem tempo para a família e tempo livre, carregados de processos, de julgamentos, com agendas saturadas de manhã à noite.

Confesso que quando era mais jovem sonhava que um dia gostaria de ver um dos meus filhos como juiz. Depois de conhecer a intensidade de trabalho em que vivem, percebi que era um pesadelo. Ser pai de um juiz é ser pai de um escravo de processos.

Poderá haver uma outra ovelha ronhosa, mas a regra é a vida dedicada exclusivamente ao trabalho. Se é assim, qual a razão da impopularidade e da despromoção social? Há muitos factores. Porém, não duvido que o linguajar popular que os desclassifica está muito associado à apreciação dos resultados de sentenças.

Porém, cada decisão judicial tem por detrás um processo. E muitas vezes os processos que lhes chegam às mãos são tão mal instruídos, tão fragilmente sustentados, que facilmente surgem absolvições e penas suspensas.

Atrás da decisão de um tribunal há um enorme contingente que prepara a cama onde os juízes se deitam: polícias, funcionários judiciais, peritos, magistrados do Ministério Público. Basta um desleixo fazer descambar um processo para o mesmo tombar com estrondo sobre a cabeça de quem o julga.

É injusto apuparmos juízes injustiçados. Mas ao ponto a que chegou a nossa injusta Justiça, estão condenados. Continuarão a ser os últimos no reconhecimento público.

Francisco Moita Flores | Correio da Manhã | 04-06-2017

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
...
É uma honra sermos os últimos no reconhecimento público elaborado pelos jornalistas. Quanto menos os jornalistas nos considerarem, mais eu me sinto confortado como juiz. Um país em que os jornalistas odeiam juízes pode confiar na honestidade e na independência do poder judicial.
Mendes de Bragança , 13 Junho 2017 - 17:38:18 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

InVerbis 2018

Os conteúdos de 2018 desta revista digital passaram a ser publicados em novo diretório.

Revista InVerbis 2018

Últimos conteúdos

Um investigador da Universidade do Minho criou uma técnica para ajudar as testemunhas a recordarem com maior precisão o ...

Foi o pacto possível. Advogados inviabilizaram medidas mais musculadas no combate à criminalidade económico-financeira. ...

A empresa ANA - Aeroportos de Portugal, que gere os aeroportos nacionais, cobra uma taxa de 11,28 euros aos advogados qu...

Com o termo do ano, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2017.Para aceder aos conteúdos publi...

Últimos comentários

Opinião Artigos de Opinião Os Juízes

© InVerbis | Revista Digital | 2017.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico