In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2017

Eu confio mais no rato Mickey

  • PDF

João Paulo Raposo. Disse esta semana o político/comentador Daniel Oliveira (ou comentador/político, a ordem dos factores é arbitrária) que "eu confio mais nos políticos que nos juízes". Faz sentido. Eu por acaso também confio mais em mim próprio e nos meus amigos que nos tipos que não conheço de lado nenhum.

Mesmo que alguns dos meus amigos possam ter um ou outro problema, caramba, são os meus amigos…

Mesmo os que não são meus amigos acabam por ser meus conhecidos. Na verdade, alguns até são meus inimigos mas, por comparação àquela malta que não conheço, pelo menos estes sei o que esperar. Conheço-os. Cruzo-me com eles. Digo-lhes: Tudo bem, pá? E eles respondem. E falamos de bola, e do tempo, e do que é o prato do dia na nossa casa de pasto habitual. Enfim, mesmo naqueles que não confio muito acabo por confiar qualquer coisinha. Ao menos têm cara e têm corpo…

Agora, aqueles que não conheço, esses é que não são de confiança. Aquilo deve ser uma gente esquisita, cheia de poderes e rituais. Estou até convencido que alguns conspiram para fazer mal aos meus amigos. E tenho quase a certeza que têm um aperto de mão secreto que, quando decidem usar, logo o mundo se abate sobre os meus amigos. Não há dúvida: Duvido muito dessa gente. É altamente duvidosa.

A realidade tem dado razão a Daniel Oliveira. Ouvi dizer que, não sei bem onde, parece que alguém apertou o pescoço à mulher e foi absolvido. E também ouvi dizer que parece que outro alguém pagou a uns tipos para matar o marido e foi absolvida. Isto não se percebe. Está cada vez pior. Não sei bem o que se passou mas de certeza que são mais duas aberrações da nossa justiça. Não se pode confiar naquela gente. Sabe-se lá quem podem absolver e quem podem condenar… É uma autêntica lotaria… E aquelas vestes negras? E aquela conversa que ninguém entende? Não cheira bem. Não! Também não confio naquele pessoal. De todo.

Eu, por mim, além dos meus amigos, confio é no rato Mickey. Basta olhar para ele, com aquelas orelhinhas pretas e aquele ar trabalhador. Uma casinha bem montada e a sua Minnie de sempre. Isto sim é um tipo confiável. Já o pato Donald não me inspira confiança nenhuma. Aquele biquinho amarelo e aquela voz que ninguém entende. Ainda por cima não é só pato. É pato Donald.

É verdade. Definitivamente confio mais nos meus amigos. E no rato Mickey.

João Paulo Raposo | Doze Tábuas - Sábado Opinião | 30-01-2017

Comentários (4)


Exibir/Esconder comentários
...
É interessante o argumento do autor do texto.
Com efeito, a mesma acção reprovável executada por um nosso amigo ou por uma pessoa que nos é desconhecida é valorada por nós de modo diverso.
Mesmo que a acção seja exactamente a mesma.
Como é possível?
Não sei, mas sei que quanto ao nosso amigo, como o conhecemos, não hesitamos em afirmar perante terceiros que «é um bom tipo, foi um acto irreflectido que não espelha a sua personalidade», «todos têm um dia mau», «anda stressado por causa …», etc.
Relativamente ao desconhecido não lhe damos hipóteses, no mínimo é «um mau tipo».
alberto ruço , 30 Janeiro 2017 - 22:15:03 hr.
...
Daniel Oliveira tem todo o direito de confiar mais nos políticos que nos juízes.
Todos têm o direito de confiar em quem quiserem e desconfiar de quem quiserem.
Mas, esperem lá. Quem é Daniel Oliveira ?
E porque é que eu estou a perder tempo com alguém que não sei quem é ?
Vou terminar desejando boa noite a todos.
Hannibal Lecter , 01 Fevereiro 2017 - 17:59:47 hr.
...
Hanibal Lecter, o Daniel Oliveira nao é aquele que pergunta "o que dizem os teus olhos" e faz chorar toda a gente?.
joão de mogadouro , 03 Fevereiro 2017 - 08:36:53 hr.
...
Não sei. Já fiz uma rápida pesquisa mas só encontrei um Leftyloon...
Não sei se será esse
Hannibal Lecter , 03 Fevereiro 2017 - 10:23:52 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

InVerbis 2018

Os conteúdos de 2018 desta revista digital passaram a ser publicados em novo diretório.

Revista InVerbis 2018

Últimos conteúdos

Um investigador da Universidade do Minho criou uma técnica para ajudar as testemunhas a recordarem com maior precisão o ...

Foi o pacto possível. Advogados inviabilizaram medidas mais musculadas no combate à criminalidade económico-financeira. ...

A empresa ANA - Aeroportos de Portugal, que gere os aeroportos nacionais, cobra uma taxa de 11,28 euros aos advogados qu...

Com o termo do ano, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2017.Para aceder aos conteúdos publi...

Últimos comentários

Opinião Artigos de Opinião Eu confio mais no rato Mickey

© InVerbis | Revista Digital | 2017.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico