In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2016

Ministra da Justiça: Estado priva reclusos da sua dignidade

  • PDF

A ministra da Justiça reconheceu ontem na Assembleia da República que as condições de detenção nas cadeias portuguesas são "desumanas" e afirmou que o "Estado não tem o direito de privar a dignidade" aos reclusos. Francisca Van Dunem justificou este diagnóstico pelo facto de o sistema prisional estar "violentamente pressionado" pela sobrelotação e por restrições orçamentais, observando que nos últimos anos registou-se um subfinanciamento das cadeias. Em 2015, perderam 29 milhões de euros.

Numa audição na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, um dia após a tomada de posse do novo diretor- geral das prisões, Celso Manata, a responsável governamental prometeu ainda "revisitar" o novo mapa judiciário.

Nesta tarefa, Van Dunem registou que aquela reforma teve "alguns efeitos perversos", ao alargar distâncias, afastando os tribunais das populações. Os problemas mais acentuados foram detetados nos tribunais de família e menores.

A ministra alertou ainda os deputados para o congestionamento que atinge os tribunais administrativos e de comércio e para as dificuldades sentidas, por "juízes isolados", nos tribunais tributários, ao lidarem com processos complexos e de elevado valor. Admitiu a possibilidade de serem revistas as alçadas dos tribunais fiscais.

Justificando a abertura de concurso para formação de 126 magistrados, Francisca Van Dunem explicou existir um défice, notando que, em 2015, nos tribunais judiciais, 37 magistrados cessaram funções. Vários magistrados estão perto de completar 70 anos (idade máxima para o exercício de funções), designadamente no Supremo Tribunal de Justiça, pelo que a renovação não pode ser negligenciada.

Nuno Miguel Maia | Jornal de Notícias | 03-02-2016

Comentários (5)


Exibir/Esconder comentários
NÃO SER COBARDE É IR PARA A CADEIA VOLUNTARIAMENTE
Já houve muitos ministros da justiça e muitos governos e as prisões estão sempre a ser descritas da mesma forma por todos e todos dizem que vão mudar as coisas para melhor.
Ninguém acredita nesta ministra assim como não acredita em nenhum dos outros.
Os presos são assassinados e ninguém pode evitar isso.
É por causa das prisões serem sítios assim algumas pessoas não cometem crimes, porque são têm medo de ir lá parar pela primeira vez. Só as pessoas que depois de lhes baterem muito e já não terem medo e não conseguirem evitar a espontaneidade deixam de ser cobardes e conseguem o que os outros não são capazes: CONSEGUEM IR PARA ONDE OS COBARDES TÊM MEDO. CONSEGUEM IR PRESOS.
Raquel R. , 03 Fevereiro 2016 - 12:11:45 hr.
A lígua de Camões e os corajososo sem ... os tais
Não devia falar assim da ministra, olhe que ela foi professora e é uma pessoa muito humana, até deu agasalhos a quem tinha frio e combate o racismo entre as classes desfavorecidas.
Se não fosse ele nós os pobres nunca teriamos a possibilidade de ir para o CEJ, e de estudar que é muito importante. Eu ainda sou angolano por parte de mãe, a minha avó que era angolana das quatro costelas emigrou para os EUA depois de conhecer um senhor cabo verdiano muito corajoso que ainda lutou contra o inimigo e a inimiga. Por isso somos solidários com a ministra porque ela é caridosa com os pobres que têm muito frio em Portugal.
Rui R. , 03 Fevereiro 2016 - 12:16:49 hr.
COMBOIO MORTO mar vivo
Eu corrigi este comentário da Raquel R. SÓ PORQUE ACHEI QUE VALIA A PENA
Os presos são assassinados e ninguém pode evitar isso.
É por causa das prisões serem sítios assim, que algumas pessoas não têm coragem de cometer crimes, têm medo de ir lá parar pela primeira vez.
OBRIGADA
Marthe Keller , 03 Fevereiro 2016 - 12:20:53 hr.
As Condolências Rice
Se não fosse a ministra, as adolescentes de cor não teriam modelos a seguir em Portugal, e provavelmente nunca escolheriam o curso de direito, talvez fossem para medicina ou design industrial.
É muito importante que o melhor da raça humana comece a surgir, como acontece nos EUA com a CondoLiza Rice e com o Ba**aca O*ama.
Mister Clean , 03 Fevereiro 2016 - 12:25:51 hr.
Touché!
Van Dunen acertou na mouche relativamente á corja racico-penalistica, defensora das prisões privadas que há que encher de negros ,ciganos e inconformados sociais, á moda do sistema penal dos EUA que apenas pode ser ser comparado á Coreia do Norte ou eventualmente á China e! arredores.
Quando será que a racistica gosma animalesca, diria mesmo sub-humana, se convence que a lei da selva já era e que um condenado é APENAS CONDENADO Á PENA A QUE FOI CONDENADO E NADA MAIS?
Apre, que esta subespécie do género homo, que classifico ( e muito bem ) de Homo repugnantis, nunca deixa de provocar vómitos em tudo o que arrota da boca para fora, e que empesta o planeta !
Pedro Só , 07 Fevereiro 2016 - 21:21:45 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

InVerbis 2017 Com o termo do ano de 2016, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2016.Para acede...

O Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) avançou com uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Círculo ...

O Presidente da República afirmou esta quarta-feira em Coimbra que o sistema de justiça "é um problema", considerando qu...

Procuradores temem transferências sem consentimento que colocam em causa os princípios de estabilidade e inamovibilidade...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político Ministra da Justiça: Estado priva reclusos da sua dignidade

© InVerbis | Revista Digital | 2016.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico