In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2016

SMMP quer que a mobilidade seja inconstitucional

  • PDF

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público quer que as normas relativas à mobilidade dos procuradores sejam declaradas inconstitucionais

Num parecer sobre a posição do Conselho Superior do Ministério Público quanto à mobilidade dos procuradores, o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) vem-se manifestar contra essa possibilidade de os procuradores serem transferidos para comarcas diferentes. Vem ainda solicitar à Procuradoria-Geral da República que suscite a inconstitucionalidade da norma que permite a mobilidade junto do Tribunal Constitucional.

O SMMP invoca a Constituição, lembrando que no seu artigo 219,nº4 consagra que os magistrados do Ministério Público são "inamovíveis", só podendo ser transferidos nos casos previstos na lei.

Ora, a nova "Lei de Organização do Sistema Judiciário veio consagrar novos paradigmas na área da gestão, da mobilidade e da coordenação hierárquica, mas sem que tivesse sido acompanhada da necessária revisão do Estatuto do Ministério Público ou de uma revisão Constitucional que permitisse novas práticas" - lê-se no documento.

Para o SMMP, "a impossibilidade do magistrado ser transferido do município onde se encontrava colocado era uma garantia de autonomia interna dos magistrados" pois "a possibilidade de um magistrado ser deslocado dezenas de quilómetros do local onde se encontra inicialmente colocado, por razões de conveniências de serviço, para além de ferir o princípio da inamovibilidade, coloca em causa, também, a autonomia interna dos magistrados.

"O Magistrado-funcionário é um dos maiores perigos que a democracia enfrenta" - salienta-se, para se acrescentar: "É sempre bom recordar que todos os regimes autoritários cultivaram este tipo de figura, como forma de impor as suas doutrinas".

"Se quem decide tem receio de ser colocado num município distante por desagradar ao seu superior hierárquico, todo o processo de decisão livre fica colocado em causa e está aberto o caminho para as maiores arbitrariedades" - refere-se ainda.

Rute Coelho | Diário de Notícias | 12-05-2016

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
direitos reais
Que se saiba, a Constituição da República Portuguesa, no art. 219º nº 4 ainda dispõe que "Os agentes do Ministério Público são magistrados responsáveis, hierarquicamente subordinados, e não podem ser transferidos, suspensos, aposentados ou demitidos senão nos casos previstos na lei."
Não diz que são inamovíveis.
Parece-me que há aqui alguma confusão ...
móveis e imóveis , 12 Maio 2016 - 22:18:30 hr.
...
É fazer como no caso dos médicos. Criem-se incentivos à deslocação para a periferia. Se forem de comboio sempre podem pedir a um polícia, que para lá foi mandado marchar obrigado, para os ir buscar à estação.
Valmoster , 14 Maio 2016 - 16:06:58 hr.
...
Se a maioria dos magistrados do MP trabalhasse tanto como os juízes a imagem da Justiça seria muito mais positiva do que é.
Alcides , 24 Maio 2016 - 00:08:39 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

InVerbis 2017 Com o termo do ano de 2016, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2016.Para acede...

O Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) avançou com uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Círculo ...

O Presidente da República afirmou esta quarta-feira em Coimbra que o sistema de justiça "é um problema", considerando qu...

Procuradores temem transferências sem consentimento que colocam em causa os princípios de estabilidade e inamovibilidade...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Magistrados: Ministério Público SMMP quer que a mobilidade seja inconstitucional

© InVerbis | Revista Digital | 2016.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico