In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2016

Cobradores de dívidas acusam advogados de monopólio

  • PDF

Reservar aos advogados e solicitadores a actividade da cobrança de créditos é uma violação da livre concorrência, defende a Associação Portuguesa de Empresas de Gestão e Recuperação de Créditos.

A Ordem dos Advogados (OA) pretende “um proibido monopólio das recuperações extrajudiciais de créditos, por forma a só os advogados e solicitadores poderem tratar deste tipo de recuperações”. A afirmação é de António Gaspar, director executivo da Associação Portuguesa de Empresas de Gestão e Recuperação de Créditos (APERC) e surge na sequência da notícia avançada esta terça-feira, 15 de Novembro, pelo Negócios, segundo a qual o Governo tem em mãos uma proposta de legislação que reserva aos advogados a interpelação e negociação de créditos.

Essa proposta, defende António Gaspar, constitui “uma brutal afronta ao consagrado na Directiva dos Serviços, que refere e estimula de forma bem clara e inequívoca, a livre concorrência entre todos os sectores das economias europeias, por forma, a beneficiar os utilizadores de serviços ou clientes de bens”.

Em causa está a revisão da lei que define os actos próprios de advogados e solicitadores. Hoje em dia já está previsto que só estes profissionais podem realizar- “a negociação tendente à cobrança de créditos”.

Ora o que agora o Governo tem em estudo, na sequência de uma proposta apresentada pela Ordem dos Advogados, é que também as interpelações de dívidas passem a poder ser feitas apenas por advogados ou solicitadores. Interpelações que, hoje em dia, podem ser feitas “por qualquer empresa que tenha no seu objecto comercial a recuperação extrajudicial e amigável de créditos”, explica o director da APERC.

Como explicou ao Negócios a bastonada da Ordem dos Advogados, Elina Fraga, o objectivo é “pôr termo à invasão ilegal e imoral do património da advocacia por parte de empresas de cobrança de crédito que estão no mercado sem respeito por quaisquer regras deontológicas, a cobrar créditos, muitas vezes com recurso a prática de crimes de coacção, injurias, ameaças”.

Há empresas que dão “imagem distorcida”

António Gaspar admite que há no mercado “pseudo-empresas que não cumprem as boas práticas do sector e que, “de forma completamente despudorada” e com recurso a “más práticas”, dão uma imagem “completamente distorcida, de todas as normas de ética e deontológicas que defendemos”.

A APERC, afirma “agrupa todas as empresas, de boas práticas, que fazem da sua actividade a recuperação extrajudicial e amigável de créditos” e já tem manifestado “por várias vezes” referencia a esta preocupação junto dos Ministérios da Justiça e da Economia, disponibilizando-se para “ajudar a construir um enquadramento legal, que acautele estas situações, mas até ao momento, ninguém tomou qualquer decisão”.

Neste contexto, sublinha o responsável associativo, a referencia ao “cobrador do fraque” de forma genérica englobando aqui todas as empresas que fazem cobranças de dívidas é “tomar a árvore pela floresta”. O Ministério da Justiça, conclui António Gaspar, “não poderá atender a esta ‘velha pretensão’ da OA”, que vem “sempre à tona perto das eleições para novo Bastonário”.

Filomena Lança | Jornal de Negócios | 16-11-2016

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
Eh Eh!
E a Associação Portuguesa de Seguranças e Outros Gadjos Que Não Querem Pagar, queixa-se do monopólio das forças policiais!
Kill Bill , 13 Dezembro 2016 - 19:35:13 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

InVerbis 2017 Com o termo do ano de 2016, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2016.Para acede...

O Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) avançou com uma providência cautelar no Tribunal Administrativo de Círculo ...

O Presidente da República afirmou esta quarta-feira em Coimbra que o sistema de justiça "é um problema", considerando qu...

Procuradores temem transferências sem consentimento que colocam em causa os princípios de estabilidade e inamovibilidade...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Profissionais Liberais: Advogados Cobradores de dívidas acusam advogados de monopólio

© InVerbis | Revista Digital | 2016.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico