In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

A Justiça está numa tempestade perfeita

  • PDF

João Miguel Barros, ex-chefe de gabinete da ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, que se demitiu em fevereiro de 2013, diz que o "desastre estava preanunciado" e que a reforma judiciária avançou "sem estarem garantidos os mínimos tecnológicos". Transtornos? Esses existem quando se perde um avião!

Ex-chefe de gabinete de Paula Teixeira da Cruz, João Miguel Barros dá a primeira entrevista após ter batido com a porta, em fevereiro de 2013. Num discurso crítico, aponta responsabilidades políticas à ministra, assume que o "desastre estava preanunciado" e que a reforma judiciária avançou "sem estarem garantidos os mínimos tecnológicos"

- Quando desempenhava o cargo de chefe de gabinete da ministra Paula Teixeira da Cruz, que soluções estavam a ser estudadas a nível tecnológico para a implementação do mapa judiciário?
- O trabalho de conceção da Reforma Judiciária, feito por um pequeno e muito motivado grupo e com a participação ativa de todos os profissionais judiciários, tinha pressuposta a questão tecnológica. Mas essas matérias foram tratadas no âmbito do Plano de Ação para a Justiça na Sociedade de Informação, que tinha como um dos seus objetivos a criação de um sistema informático único para todos os tribunais, de modo a substituir a cacofonia existente.

- Mas um sistema desses não se implementa de um dia para o outro...
- Pois não. E por isso era necessário ter uma estratégia de transição que permitisse a entrada em vigor do mapa em tempo razoável. Permita-me um parêntesis. Nós pensámos globalmente a Reforma Judiciária, que foi sempre apresentada como tendo três eixos incindíveis: o Código de Processo Civil (CPC), o Mapa Judiciário e o Plano de Ação. Se ler os discursos da ministra até 2013 encontra lá isso tudo! Tínhamos uma estratégia com pressupostos claros, mas que foi sendo subvertida. O CPC foi antecipado um ano criando vários problemas e algumas convulsões informáticas, mas sem repercussões públicas. E o mapa avançou, já depois de eu ter saído, sem os estatutos profissionais e sem estarem garantidos os mínimos tecnológicos.

- Mas sem o sistema informático único, qual era a solução de transição?
- A proposta que fiz, e que foi aprovada em Outubro de 2012, era clara. Até à implementação do mapa, deveríamos começar por resolver o contencioso existente desde o início de funções do governo com a Criticai Software de modo a finalizar e estabilizar o Citius Plus, deveríamos implementar o Citius Plus em todo o país em substituição do Citius e, acima de tudo, teríamos de trabalhar a qualidade das bases de dados de todos os tribunais e iniciar gradualmente o processo de migração da informação existente em cada uma delas.

- Todo este bloqueio que caracteriza o estado atual da plataforma informática Citius poderia ter sido evitado, politicamente falando?
- Estou convencido de que sim. O ponto crítico foi sempre o da qualidade das bases de dados. Toda a gente sabia isso. Até porque foi essa a razão principal do falhanço da distribuição dos processos nas comarcas-piloto durante o governo socialista. Repare: o Citius, ou o Citius Plus, não são mais do que programas de gestão de informação e de documentos. Se juntarmos diversas bases de dados desorganizadas e incoerentes, onde tudo está misturado, vamos gerar uma monumental desorganização e incoerência que nenhum sistema informático tem capacidade para interpretar. Portanto, era imperativo fazer esse trabalho de consolidação, em todas as comarcas do país, uma a uma, pacientemente, antes da entrada em vigor do mapa. Se isso não fosse feito o desastre estava preanunciado. O acordo com a Criticai Software, que fechei em finais de outubro na sequência da validação desta estratégia pela ministra, previa também a elaboração dos procedimentos técnicos para que o trabalho fosse depois iniciado.

- O que acabou por ser seguido pela ministra da Justiça?
- Depois de ter saído, em fevereiro de 2013, perdi o contacto com o gabinete. Não sei o que é que foi decidido e por quem em concreto. Mas seguramente que a metodologia que estava em curso foi alterada. Talvez por terem surgido outras prioridades e os recursos serem escassos. Não sei! O que sei é que esse trabalho tinha de ser feito. E devia sido feito enquanto se apurava o lado conceptual do mapa e se discutiam os estatutos com as profissões. Só com essas tarefas terminadas é que se poderia carregar no botão para implementar, em todo o território nacional, o novo mapa. Qualquer decisão que antecipasse essa realidade seria de alto risco.

- A ministra recusa apelidar o estado atual dos tribunais como "caos" na Justiça, escolhendo antes a expressão "transtornos"... Concorda?
- Transtornos?! Transtornos existem quando se perde um avião e não se chega ao destino a tempo e horas! É óbvio que desde setembro que os tribunais vivem situações caóticas e de inatividade, que ainda se mantêm, que ainda estão longe de estar resolvidas, e sem que se saiba quando estarão estabilizadas! E não foi só o problema da implosão do Citíus, mas também das instalações, de salas de audiências fechadas a fazer de armazém de processos! Ou seja: a tempestade perfeita!

- A situação criada afeta a reforma?
- Não, mas descredibiliza-a. A reforma é estrutural e veio para ficar. Este crash é conjuntural e, mais cedo ou mais tarde, terá de ser resolvido.

- Na sua perspetiva, quem terá sido o ministro/a da Justiça que melhor contributo deu para a informática dos tribunais?
- Há trabalho feito por todos os ministros ao longo desta última década. Um marco significativo foi o primeiro Plano de Ação no tempo do ministro Aguiar-Branco. Há uma medida importante do governo anterior, ao decidir criar o Citius Plus, que permitiria inverter a infodependência que o sistema tinha de meia dúzia de oficiais de justiça que controlavam o Citius. Mas onde se chegou mais longe e onde os resultados foram mais consistentes foi, paradoxalmente, com a atual ministra. Quando saí estava em vias de ser concluído o mapeamento de todos os fluxos do sistema de informação único para os tribunais, de que se anda a falar há uma década! E ficou também pronto o projeto do Portal da Justiça. O segundo Plano de Ação ê o exemplo acabado da cooperação institucional mais bem sucedida na área da Justiça, que juntou, sem exceção, durante muitos e intensos meses, os conselhos, todas as ordens, associações, sindicatos e direções-gerais do Ministério da Justiça. Foi um trabalho imenso, que me orgulho de ter coordenado.

Filipa Ambrósio de Sousa | Diário de Notícias | 13-10-2014

Comentários (9)


Exibir/Esconder comentários
É só grandes crâneos
smilies/grin.gif Saiu porque ninguém o ouvia (segundo o mesmo, na entrevista anterior a esta, ao mesmo jornal), apesar do trabalhinho exemplar que estava a fazer com a empresa que desde 2010 é o principal fornecedor de software e de mão de obra barata (para a própria empresa, note-se) para o MJ.
F13 , 13 Outubro 2014 - 13:37:55 hr.
Chamem a bófia
Tanto cinismo, oportunismo e hipocrisia. Era bom que pelo menos quanto à saída desse senhor de chefe de gabinete a Ministra viesse dizer a verdade. E que ele prestasse contas que andou a fazer com o especialista que contratou para o tal plano de ação. Dois anos de trabalho e apenas um fracassado concurso para um portal de internet. E já agora onde anda o tal especialista biólogo que ia informatizar os tribunais ?
Diversos grupos e grupelhos andam há anos a gastar milhões com programas informáticos para os tribunais feitos por empresas (grandes empresas), e os únicos programas úteis que desde sempre existiram nos tribunais foram feitos pelos tais «amadores» que todos desprezam. Curiosamente só os começaram a desprezar quando perceberam que a informática era uma mina de ouro.
Indignado , 13 Outubro 2014 - 20:53:12 hr.
Resposta ao Indignado
O especialista biólogo anda, numa atitude de ética pura, por aqui: http://publicos.pt/contrato/397705
Observador , 13 Outubro 2014 - 21:13:37 hr.
Resposta ao Indignado
Observador , 13 Outubro 2014 - 21:21:40 hr.
INACREDITÁVEL,ou nem tanto
Em 19.01.2012 é nomeado para o gabinete da MJ com o ordenado de 3.892,00 (DIARIO DA REPUBLICA - 2.ª SERIE, Nº 20, de 27.01.2012, Pág. 3372)
Em 19.10.0212 volta a ser nomeado para o mesmo lugar mas agora com o ordenado «correspondente ao posto de trabalho de origem» (??!!)-- DIARIO DA REPUBLICA - 2.ª SERIE, Nº 210, de 30.10.2012, Pág. 35743
Durante esse período coordena os trabalhos do Plano de acção para a justiça na sociedade de informação, de que fala João Miguel Barros, e do qual sai um projeto para um portal do MJ (grande plano !!!!).
Deixa feito o caderno de encargos e sai do gabinete da MJ em Outubro de 2013. DIARIO DA REPUBLICA - 2.ª SERIE, Nº 195, de 09.10.2013, Pág. 30665
Pouco tempo depois, quando o plano do novo mapa judiciário ia bem lançado, a menos de um ano da sua instalação, é contratado por AJUSTE DIRETO, pelo MJ para acompanhar o único projeto que ele deixara lançado para o MJ contratar a uma empresa privada.
http://www.base.gov.pt/base2/rest/documentos/26589

Não sou jurista, mas parece-me que há aqui qualquer coisa mais que violação dos princípios da ética.
Além de uma enorme falta de vergonha!!!!
Não há por aí ninguém do Ministério Publico atento ??!!
Indignado , 13 Outubro 2014 - 23:04:18 hr.
...
smilies/grin.gif em Maio de 2014, louvor n.º 285/2014. pelos serviços prestados: https://dre.pt/application/dir/pdf2sdip/2014/05/101000000/1351513516.pdf
F13 , 14 Outubro 2014 - 09:20:12 hr.
malta de Macau
esta malta de Macau é genial...
AI AI o M.P.? , 14 Outubro 2014 - 11:47:18 hr.
...
Vomito só em ouvir falar "Justiça e MJ". O mesmo acontece com "educação e MEC." Por fim só os cumpridores "pagadores de impostos-vulgo, aqueles que trabalham e querem trabalhar" é que levam por tabela.
Altamente indignado , 14 Outubro 2014 - 14:13:41 hr.
impertinências
Porque será que quando foi nomeado pela terceira vez (em 2011 já tinha sido nomeado para a Secretaria de Estado - ver Diário da República n.º 190/2011, Série II de 2011-10-03), houve a alteração do ordenado de 3.892,00 para o ordenado «correspondente ao posto de trabalho de origem» ?
chinesises , 14 Outubro 2014 - 15:52:59 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Opinião Entrevistas A Justiça está numa tempestade perfeita

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico