In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

Mário Soares e a prisão preventiva

  • PDF

João Marques de Almeida - «Os suspeitos do caso dos "Vistos Dourados" foram presos na semana passada. Alguém se indignou na altura com as imagens na televisão, ou com as horas de interrogatório (ou de espera), ou com as prisões preventivas? Ninguém. Pelo contrário, quase todos elogiaram a justiça. Uma semana depois, muitos dos que estiveram ao lado das autoridades judiciais, passaram a atacar a justiça. É triste e preocupante, mas muitos portugueses continuam a subordinar-se ao poder e aos poderosos. Mesmo quando são eles as maiores vítimas de quem abusou do poder.»

*

1.Tal como José Manuel Fernandes, também estou a quebrar uma promessa que tinha feito: não escrever sobre Mário Soares. Mas vi hoje ao fim do dia as imagens da visita que fez a Sócrates e fiquei impressionado. O que me impressionou não foram as suas declarações – nada surpreendentes, de resto. Fiquei espantado com as imagens. Vi um senhor de idade, cansado e confuso a ser assaltado pelos jornalistas. Como foi possível que aquilo acontecesse? Não há alguém que proteja, que preserve Mário Soares? Tem todo o direito em visitar Sócrates, mas não podem permitir que se exponha daquela maneira. Mais do que uma vez, julguei que pudesse ter um ataque em direto na televisão. E não houve um único jornalista que fosse capaz de dizer simplesmente, "Dr. Mário Soares, o senhor está esgotado. Deixe-me acompanhá-lo ao carro." E acabasse com aquele espetáculo lamentável. As imagens de Évora são mais impressionantes do que a prisão de Sócrates no aeroporto.

Quanto às declarações de Soares, será que alguém esperava alguma coisa diferente? Tal como disse Helena Matos em relação a Sócrates, a culpa é nossa. Portugal permitiu que Mário Soares se julgasse imune a todo o tipo de declarações. Desde que saiu de Belém, tem dito e feito o que quer, e a reação generalizada – sobretudo dos seus apoiantes – tem sido, "é o Dr. Mário Soares...". Discordam na maioria das vezes, mas nada fazem para contrariar. Esta atitude diz muito sobre a nossa cultura política. 40 anos depois do 25 de Abril, continuamos a ser um país com dois pesos e duas medidas, onde quem tem poder se julga, e é tratado como se estivesse acima dos critérios de julgamento – políticos, éticos e, pelos vistos, legais – que se aplicam ao comum dos mortais. Os suspeitos do caso dos "Vistos Dourados" foram presos na semana passada. Alguém se indignou na altura com as imagens na televisão, ou com as horas de interrogatório (ou de espera), ou com as prisões preventivas? Ninguém. Pelo contrário, quase todos elogiaram a justiça. Uma semana depois, muitos dos que estiveram ao lado das autoridades judiciais, passaram a atacar a justiça. É triste e preocupante, mas muitos portugueses continuam a subordinar-se ao poder e aos poderosos. Mesmo quando são eles as maiores vítimas de quem abusou do poder.

No fundo, Soares apenas esperava que Portugal tratasse Sócrates com a mesma impunidade que o trata a ele. É absolutamente natural. Como isso não aconteceu, Soares acha que Sócrates foi "vítima" de um "poder de extrema-direita". Foi assim mostrar a sua "solidariedade" a uma "camarada". No fundo, Soares voltou aos dias das visitas aos presos políticos. Admiram-se? Não deviam. Foi o regime que criámos.

2. Li no aqui Observador que Sócrates pode ficar em prisão preventiva até três anos. É inaceitável que se possa ficar preso tanto tempo sem uma condenação. E isto aplica-se a todos. A liberdade é um valor demasiado precioso para ser tratado desta maneira. Em segundo lugar, e corro o risco de ser acusado de defender um tratamento especial a quem ocupou o poder, mas o país não aguentaria ver um antigo PM na prisão durante anos sem ser condenado ou absolvido. Seria muito perigoso politicamente. Desejo que as autoridades judicias entendam isso e sejam rápidas a concluir o processo. O país precisa de saber rapidamente se Sócrates é inocente ou se cometeu crimes como PM.

João Marques de Almeida | Observador | 27-11-2014

Comentários (5)


Exibir/Esconder comentários
...
É impressionante a importância que se dá a este Sr Soares,o homem das fundações e que eliminou mesmo os seus companheiros de luta quando não estavam de acordo com ele.
Já agora porque é que a Fundação Oriente tem a exploração das Aguas de Cascais,das mais caras do País na base de um contrato mirabolante?
cidadania , 27 Novembro 2014 - 11:44:15 hr.
questão lateral de um desempregado
Os tabloides passam a mensagem de que só existe um Procurador e um Juíz em Portugal e, os outros não tem valor ??
O trabalho dos outros magistrados muitas vezes sem condições e apoio é deste modo completamente desvalorizado. A Justiça não trabalha só em "Mega" "Mediáticos"processos. Tb. acho estranho não haver reacções...


machado , 27 Novembro 2014 - 11:58:07 hr. | url
...
LEIS:

1º - O financiamento dos partidos políticos é exclusivamente feito pelo orçamento do Estado.
2º - A remuneração dos deputados e dos membros do Governo é igual à da média auferida nos 3 anos anteriores ao início das funções, de acordo com os valores apurados para efeitos de IRS, mas com o mínimo igual a 2 salários mínimos nacionais e com o máximo igual a 20 salários mínimos nacionais.
jose antisocrates , 27 Novembro 2014 - 12:41:49 hr.
...
O que mais me impressionou nas delcarações do amigo Soares foi, esticando o dedo indicador ao jornalistas, dizer: Eu também sou jurista. A partir daí, percebi que a defesa do Sócrates vai ser difícil...
Sun Tzu , 27 Novembro 2014 - 14:00:13 hr.
Lindo exemplo de impunidade
MS pode dizer disparates, e diz muitos. Pode comportar-se como arruaceiro, e frequentemente o faz. Pode mentir em directo para a comunicação social, e muitas vezes o faz também. Mas não pode ser responsabilizado pelo que diz, como se se tratasse de um inimputável.
É que ele é conselheiro vitalício de Estado e, como tal, conta com a impunidade de quem exerce essas funções. É que teria de contar-se com o levantamento da imunidade, e isso nunca aconteceria.
Assim, em Democracia e numa Republica há barões impunes que podem dizer todo o tipo de disparates que nenhum escroque diria, sem que venha alguma vez a ser responsabilizado por isso. Bonito exemplo de quem se considera ser o pai da democracia portuguesa. E sem ninguém o ajudar a comportar-se. Com amigos como os dele …
Luis , 27 Novembro 2014 - 14:34:45 hr. | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Opinião Artigos de Opinião Mário Soares e a prisão preventiva

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico