In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

O que vale um homem?

  • PDF

André Macedo - O que vale um homem? Vale a sua palavra. A decisão de prender preventivamente José Sócrates pela suspeita de corrupção e branqueamentos de capitais - a fraude fiscal é, neste contexto, quase um crime menor - não é uma sentença definitiva, não é sequer uma sentença, mas suspende e atira para dentro de uma cela o capital de confiança que levou o político José Sócrates a ganhar duas eleições legislativas, uma delas com maioria absoluta.

Choque é a única palavra adequada ao momento. Dizer que já se esperava este (primeiro) desfecho significaria na prática afirmar que o Ministério Público e o juiz de instrução (responsável pela imposição da medida de coação) são um só corpo em conluio diabólico para derrubar um homem. Mais: que o procedimento judicial pode transformar-se numa efabulação de mentes vingativas.

É fantasioso e perigoso alimentar esta tese - embora a seu tempo também isto será posto nos pratos da balança. Mas também é fantasioso e perigoso acreditar em tudo o que tem sido dito e escrito nos últimos dias. Há uma tese do Ministério Público para a qual contribuiu uma longa investigação na qual terão sido recolhidas provas que o juiz de instrução reputou de suficientemente sólidas para impor a prisão preventiva.

É apenas isto que interessa, não o que nós, jornalistas e leitores, julgamos saber, porque sabemos só uma pequena parte. Estando sobre a mesa os crimes de corrupção e branqueamento de capitais - isto é, havendo factos considerados suficientemente fortes pelo juiz de instrução - e sendo o arguido um antigo primeiro-ministro (é evidente que o cargo importa) a prisão preventiva não se apresenta como excessiva ou desmesurada.

O perigo de perturbação do inquérito era uma possibilidade, talvez uma tentação para Sócrates. A medida, em teoria, é proporcional. Esse risco não podia, por isso, ser desvalorizado por quem o julgou.

É verdade que qualquer pessoa, quando confrontada com os diferentes braços da máquina do Estado - polícias, acusadores públicos e tribunais -, fica reduzida a um átomo num universo infinitamente mais poderoso. Os erros judiciais acontecem, estão documentados e são monstruosos. Mas José Sócrates foi detido legalmente, esteve sempre acompanhado por um advogado, foi-lhe dada oportunidade de dar as primeiras justificações, o tempo que levou o interrogatório demonstra que, apesar da pressão para decidir rápido, o juiz refletiu sobre o assunto.

Nenhum direito foi atropelado - nesta altura, só isso importa. Sócrates, é bom lembrá-lo, tem a possibilidade de recorrer. Recorrer agora e mais à frente, quando o processo avançar. O Estado de direito mantém-se, portanto, apesar do trauma que tudo isto significa para Portugal.

André Macedo | Diário de Noícias | 25-11-2014

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
Também Hitler ganhou massivamente!...
Também Hitler ganhou massivamente!...
E o resultado foi aquilo que se viu!...

Este indivíduo não é socialista!...
Antes, porém, de extrema direita!...
Da pior espécie!...
Serviu-se do partido socialista para cumprir desígnios de índole pessoal!...
Deixou o país à beira da bancarrota!...
Atirou todo um povo para uma situação de miséria!...
Mereceria era ser integrado numa cela comum, juntamente com homens da luta, daqueles que sabem bem o que é fazer travessias difíceis por um triste naco que lhes mate a fome!...

Isto não é a mera fulanização da questão!...
É moda?!...
Seguiram-se as últimas tendêndias, à escala global?!...
É-se apanhado?...
Azar!...

Os grandes crimes são cometidos por... fulanos!...
Uns e outros, aqui e além!...
Fulanos que exercem o poder, em nome do povo, em proveito próprio!...
Descaradamente!... Despudoradamente!...
Chegou a hora de moralizar tudo isto!...
Chegou a hora da verdade!...
Chegou a hora de este e todos os da sua laia pagarem pelo que fizeram!...
Crime de TRAIÇÃO PÁTRIA e SANGRIA DE TODO UM POVO, em função de uma conduta ética e moralmente reprovável ao mais alto nível - é o que está aqui em causa e que urge retificar!...
JUSTIÇA, URGE!...
Giulia , 25 Novembro 2014 - 09:58:30 hr.
eu não estou traumatizado
eu não estou traumatizado.
é mais um suspeito a ser preso. normal.
aiai , 25 Novembro 2014 - 13:47:34 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Opinião Artigos de Opinião O que vale um homem?

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico