In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

Marinho e Pinto, o oportunista

  • PDF

Luís Rosa - Um homem que se alimenta apenas do descontentamento do eleitorado não é só uma ameaça para os partidos tradicionais – é acima de tudo um perigo para os portugueses.

Marinho e Pinto vai ser eleito deputado da Assembleia da República. O novo partido que vai formar nas próximas semanas, revelado ontem em exclusivo no ionline por Pedro Rainho, vai dar origem a um grupo parlamentar próprio. Não é uma advinha, caro leitor – é uma antevisão do futuro. Marinho é neste momento, e assim continuará até às próximas legislativas, o único catalisador disponível para a maioria dos portugueses, que estão tremendamente insatisfeitos com a classe política.

O ex-bastonário dos advogados, contudo, é diferente de outros fenómenos eleitorais, como o PRD e o PSN, que surgiram no nosso sistema político – daí o perigo que representa e a sua popularidade. O PRD tinha a inspiração presidencial de Ramalho Eanes e o objectivo de roubar espaço ao PS de Mário Soares, o que conseguiu em 85, mas nunca foi um partido anti-sistema. Eanes, apesar de se apresentar como um homem puro, acima das negociatas dos partidos, não queria destruir o regime que ajudou a fundar a 25 de Novembro. OPartido da Solidariedade Nacional, por outro lado, vivia da figura de Manuel Sérgio e de um grupo socioeconómico: os reformados.

Marinho vai muito mais além. Luta contra o sistema e quer capitalizar o mal-estar de todos os descontentes com o regime – que são muitos mais do que eram nos anos 80 e 90. As eleições europeias provaram que o ex-bastonário dos advogados consegue roubar votos de forma quase igual ao PSD e ao PS, e também ao Bloco de Esquerda (a que conquistou dois eurodeputados) e recolhe apoios tanto na classe A como nas classes sociais mais desfavorecidas ou junto das faixas etárias 25-35 (onde existem muitos desempregados) ou dos 45 aos 64 anos. Para isso muito ajudou o seuíndice de notoriedade, que era muito semelhante aos de Nuno Melo (CDS), Paulo Rangel (PSD)e Francisco Assis (PS) e superava claramente o dos candidatos da CDU e do Bloco de Esquerda. Marinho é o inimigo público número 1 dos partidos tradicionais porque é conhecido e consegue entrar em públicos muitos diferentes. Se em eleições sem visibilidade conseguiu 7,2% dos votos, imagine-se o que conseguirá fazer com o mediatismo das legislativas. O maior reconhecimento de que foi objecto foi protagonizado recentemente por António Costa quando o candidato a líder do PS admitiu negociar com ele a viabilidade de um futuro governo do PS.

O reconhecimento da sua força, contudo, não faz de Marinho uma referência em termos de valores. Na Ordem dos Advogados foi eleito pelos advogados descamisados para lutar contra o poder dos grandes escritórios, mas mal chegou a Lisboa sentou-se à mesa com Vieira de Almeida, José Miguel Júdice ou Sérvulo Correia. Com o MPT fez algo semelhante, usando-o como barriga de aluguer para se candidatar às europeias, filiando-se depois das eleições, mas batendo agora a porta com estrondo. Aos eleitores das europeias fez bastante pior: prometeu lutar pelos portugueses em Bruxelas, jurando poucos dias depois de tomar posse que queria ser deputado em Lisboa. Um oportunista que se alimenta apenas do descontentamento do eleitorado e não olha a meios para atingir os seus fins não é só uma ameaça para os partidos tradicionais – é acima de tudo um perigo para os portugueses. Como veremos na próxima legislatura.

Luís Rosa | ionline | 12-09-2014

Comentários (10)


Exibir/Esconder comentários
...
Deixemo-nos de lamúrias, para não dizer mariquices, senão ainda algum marialva afeminado, que aqui venha meter o bedelho, se ofende. “Os fins justificam os meios e os meios são lícitos sempre que o fim seja remunerador”. Não sejamos hipócritas, quem quiser atingir o poder e alcançar os seus objectivos tem que afastar dos seus planos a ética e a moral palaciana que nos querem incutir as mentes entorpecidas com doutrinas obsoletas. Marinho Pinto para uns, Maquiavel Pinto para outros, é uma figura ímpar da nossa sociedade actual, ofendeu os juízes, denegriu a imagem dos advogados, enganou o MPT, e por aí fora... Ora, se o poder reside no povo e o povo quer o Marinho como governante, faça-se tudo segundo a sua vontade.
Barrabás , 12 Setembro 2014 - 17:21:30 hr.
...
já está a colher a sua sementeira, mas deixá-lo assim sem mais, credo, por aí, não já cá temos ,,uitos inúteis que se penduram nos rendimentos do desgraçado trabalhador. mais não...,
armando , 12 Setembro 2014 - 17:29:50 hr.
...
Artigo muito bem feito. Chamou-lhe oportunista. Devia ter-lhe chamado vendedor de banha da cobra.
Mendes de Bragança , 12 Setembro 2014 - 17:52:23 hr.
...
Todos os juízes devem votar em Marinho Pinto.
Desta forma os portugueses sentirão na pele a qualidade e carácter do individuo e deixarão de aplaudir o tipo . Quem gosta de P***ada deve dar o corpinho...
agora é que vai ser... , 12 Setembro 2014 - 18:26:49 hr.
...
Dou os parabéns a Luís Rosa. Fez um resumo perfeito do personagem. Conseguiu fazer o que eu não consigo: controlar o asco que sinto do personagem, manter a cabeça fria e fazer uma análise objectiva. Vou tentar seguir o seu exemplo.
Tentarei não ceder às emoções, quando falo daquele ....., monte de ...., palh.....
Desculpem.
Hannibal Lecter , 12 Setembro 2014 - 18:32:14 hr.
Deixem-me rir
Olha o Marinho que é muito mau a preparar-se para vir fazer maldades ao povo!
Este ou é burro ou ignorante. Roubar votos? Então mas este imbecil vê roubar votos que são secretos e não vê roubar salários, pensões e rendas (apenas as congeláveis) que as outras que estão incluídas nas PPPs são altamente voláteis e evaporam-se para paraísos fiscais..
Alterar o sistema? Qual sistema? «A nossa democracia»? «O nosso estado de direito»? Este faz parte do sistema. O país vai continuar no arbítrio e tirania e o parlamento a ser uma incubadora de quadrilhas. Agora mais folclórico.
Parabéns a este artigo? Tenham dó! Tenho muita pena dos magistrados, que estão a sofrer em silêncio. Até os jubilados!
Picaroto , 13 Setembro 2014 - 06:20:05 hr.
os camisados
pois é, quando se ataca a hipocrisia, a «white colour criminality» dos negócios, das corrupções, dos «formalistas e legalistas» para justificar os BPN,BPP submarinos, ajustes directos os h( com h pequenino)menzinhos do sistema, a ampla classe judicial, a quem presto homenagem aos puros, probos, que os há,as «damas ofendidas» gemem.acabar com essa gentinha ou gentalha ou quem ou cús pariu.
velhinha , 13 Setembro 2014 - 08:53:57 hr. | url
...
Será conceitualmente possível um hipócrita atacar a hipocrisia?
Zeka Bumba , 14 Setembro 2014 - 20:46:20 hr.
...
Ainda não bastava a palhaçada que o Tó Zé e o Tó Costa anda para aí a fazer para termos que levar com super palhaçada do Tó Pinto !... Os Portugueses Totós que abram os olhos e se cuidem ...
F11 , 15 Setembro 2014 - 08:51:47 hr.
...
Fico divertido com alguns comentários que tomam a sério o que diz o dito cujo, e procuram vestir com o manto da sabedoria a meia dúzia de atoardas saídas daquela santa boquinha.
Não há sabedoria nenhuma, lamento dizer. basta entrar em qualquer café suburbano e ouvir os comentários aí produzidos, e veremos que afinal existem milhões de Marinhos um pouco por todo o lado.
No fundo, o problema de Marinho é nunca ter saído da fase que Freud designava de id: quer tudo e mais alguma coisa, mesmo coisas contraditórias, não percebe que há limites, empurra, cospe e ofende tudo e todos para chegar à guloseima, e depois engole-a com grande estardalhaço, sem desembrulhar, mastigando alarvemente com a boca aberta, e arrotando para a atmosfera...
Hannibal Lecter , 15 Setembro 2014 - 13:02:54 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Opinião Artigos de Opinião Marinho e Pinto, o oportunista

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico