In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

87 juizes e procuradores multados por desleixo

  • PDF

Nos últimos três anos, a pena disciplinar de demissão ou expulsão, a mais grave de todas, só foi aplicada a duas procuradoras do Ministério Público e a nenhum juiz. Mas as multas a procuradores são mais frequentes, com 34 a serem aplicadas por desleixo profissional (atrasos nos inquéritos, por exemplo), e ainda mais significativas entre os juizes, com 53 multas em três anos.

Nos juizes, a sanção disciplinar mais elevada decretada de 2011 a 2013 foi a de aposentação compulsiva. Sete juizes foram obrigados, nos últimos três anos, a reformarem-se por incompetência no exercício da profissão (a segunda pena mais grave, a seguir à demissão ou expulsão). Segundo disse ao DN a porta-voz do Conselho Superior da Magistratura (CSM), Albertina Pedroso, "esta sanção foi decidida por repetidos atrasos em número considerável de processos, os quais foram considerados injustificados".

No Ministério Público, os casos de Sônia Moreira e Sílvia Marques Bom, expulsas do Departamento de Investigação e Ação Penal em Lisboa em 2011 por terem sido constituídas arguidas por vários crimes são as grandes exceções. As únicas duas demissões aplicadas pelo Conselho Superior do Ministério Público, segundo respondeu o gabinete da Procuradoria-Geral da República.

A pena disciplinar mais fixada a procuradores e juizes, e sempre por desleixo profissional, foi a multa. Foram fixadas 34 multas a magistrados do Ministério Público nos últimos três anos: 12 multas em 2011, nove em 2012 e 13 em 2013. Houve 53 multas a juizes em três anos: 15 em 2011, 16 em 2012 e 22 em 2013.

No caso dos juizes, foram multas de 20 a 30 dias, em média, as aplicadas nos últimos três anos, referiu a porta-voz do CSM. Implica o desconto, no vencimento, da importância correspondente ao número de dias aplicado.

Podem voltar a cargos públicos

Um procurador ou um juiz que tenha sido demitido de funções não perde o direito à aposentação e pode voltar a ser nomeado para cargos públicos ou aceder a função em serviço público que não reúna as "particulares condições de dignidade e confiança exigidas pelo cargo de que foi demitido".

O desembargador do Tribunal da Relação de Lisboa, Rui Rangel, presidente da Associação Juizes pela Cidadania, concorda que um magistrado expulso da carreira possa voltar a ter cargos públicos, mesmo que tenha sido condenado em processo-crime a penas de prisão, como foram as duas procuradoras. "Mas devia haver um período de nojo", ressalva. O não regresso à magistratura "é definitivo depois de uma expulsão e acho apropriado", mas "se ficasse proibido de voltar a ter cargos públicos seria uma perpetuação da pena, quase inconstitucional". Segundo recorda Rui Rangel, "já houve pelo menos umas três demissões aplicadas a juizes por terem obtido classificação de medíocre depois de inspecionada a sua atividade". Esses casos são anteriores a 2011 mas foram registados pelo Conselho Superior da Magistratura. "O que nunca houve foi juizes condenados em processos-crime e com consequentes sanções disciplinares de demissão."

Rute Coelho | Diário de Notícias | 06-07-2014

Comentários (36)


Exibir/Esconder comentários
...
87 Juízes e Procuradores Multados por desleixo´, Multados por desleixo? Multados por desleixo? ENTÃO E A RESPONSABILIDADE CRIMINAL A ESTES SENHORES JUIZES E PROCURADORES, ONDE É QUE ESTÁ ASSACA? Sim. Onde é que está assacada? OS são os Senhores Juízes e os Senhores Procuradores de um outro planeta? Ou não são os Senhores Juizes e os Senhores Procuradores de carne e osso tal qual como os outros cidadãos?? É por penas destas, que são uma vergonha e quem as aplica até se devia de envergonhar, que alguns Senhores Juízes e alguns Senhores Procuradores, fazem o que fazem. Pobre justiça que tão mal e corruptamente vai neste País.
manuel Hilário Chambel , 08 Julho 2014 - 06:32:39 hr. | url
...

manuel Hilário Chambel, com certeza um arguido condenado.
Contribuinte espoliado , 08 Julho 2014 - 09:27:46 hr.
...
Não meu caro amigo "Contribuinte espoliado". Um queixoso que se sente injustiçado por discriminação e escárnio por parte de Senhores Procuradores e de Senhores Juízes.
manuel Hilário Chambel , 08 Julho 2014 - 11:23:56 hr. | url
...
manuel Hilário Chambel, provavelmente um brincalhão que decidiu vir aqui gozar um bocado com os "becas".
O texto contém demasiada emoção construída (vejam-se as maiusculas) e falta de rigor para poder ser levado a sério.
Mas não é proibido brincar a espevitar outros, para ser se reagem pavlovianamente. No mundo judicial, alias, cada vez mais o humor é preciso, para aguentar o dia a dia.
Meu caro Hilário Chambel, um abraço
Hannibal Lecter , 08 Julho 2014 - 12:06:05 hr.
...
Meu caro amigo, não são "um brincalhão", nem vi aqui "gozar um bocado", seja com os "becas" conforme afirma, seja com quem for. Os assuntos em que tenho sido prejudicado pela justiça, fique V. Exª sabendo, que são sérios demais para serem tidos como "brincalhão" e "gozar um bocado com os becas". E tudo porque os visados se tratam de Senhores Ilustres, que por serem Senhores Ilustres, ninguém está interessado em investigar.
manuel Hilário Chambel , 08 Julho 2014 - 13:01:01 hr. | url
...
Meu caro Manuel Hilário Chambel, quem perde está sempre insatisfeito e diz sempre alguma coisa. Contudo, veja o lado positivo. Aquele que era a sua contra-parte não diz que foi prejudicado pela justiça.
Concluindo, o mundo pula e avança.
Consigo pula, com os outros avança...
Vá ao psicólogo que ele tentará resolver os seus problemas.
olho de lince , 08 Julho 2014 - 14:14:56 hr.
... , Comentário com excessivos votos negativos [Mostrar]
A muleta nullius
O apoio judiciário é um instrumento que visa assegurar um direito fundamental dos cidadãos. Mas é também a muleta que permite (vem permitindo) que acedam a uma profissão outrora honrada uma série de pessoas, em geral cultural e eticamente impreparadas, que a vêm descaracterizando. Isso é aqui notório nas duas caras da mesma pessoa: Manuel Chambel e Carlos António. Custa-me reconhecer isto mesmo, porque amo a profissão, mas é como dizia o outro: «é a vida, pá!».
Lanchonete , 08 Julho 2014 - 18:09:27 hr.
Ignorancia maldosa
Quantos jornalistas foram alvos de processo disciplinar? Este senhor jornalista analisou algum dos processos que sustentam os seus números? Duvido? Haverá em Portugal um único jornalista capaz de expor o pseudo «erro grosseiro» com que massacraram de forma infame o sr. Juiz Rui Teixeira?
Já agora pergunto: Será que os juízes são humanos? Adoecem? Podem ter problemas psíquicos? Etc? Etc?
Picaroto , 08 Julho 2014 - 18:30:12 hr.
...
E a jornalista Rute Coelho foi colher a opinião de quem?
Do desembargador do Tribunal da Relação de Lisboa, Rui Rangel, presidente da Associação Juizes pela Cidadania.
Presidente de quê?
Ó srª jornalista, para a próxima colha a opinião de alguém que a saiba informar melhor
Mendes de Bragança , 08 Julho 2014 - 21:45:55 hr.
...
Estas reacções "populistas" à notícia sobre o poder disciplinar dos conselhos superiores das magistraturas são dignas de reflexão.

É fácil não ligar a estas considerações injuriosas e ignominiosas, mas será mais importante perceber porque ocorrem.
E só vejo uma explicação; ou são motivos pessoais de alguém que se sentiu prejudicado directa ou indirectamente com decisões judiciais e portanto provenientes de pessoas despeitadas; ou são motivos de hostilidade para com profissionais cuja função não compreendem e que sintonizam a hostilidade dos jornalistas em geral para com os magistrados, o que em si é outro fenómeno interessante.

Essas pessoas que comentaram e muitas outras que não comentam mas pensam o mesmo, saberão identificar o tal "desleixo" no respectivo contexto?
Saberão como funcionam actualmente os conselhos superiores e o modo "terrorista" que utilizam para contentar uma opinião pública ávida de malhar em magistrados?
Os inspectores da magistratura estão à partida condicionados pela opinião publicada e que aos poucos vai passando a ideia que se deve malhar nos magistrados que são uns malandros.

Este procedimento dos conselhos superiores e dos seus inspectores é mau. E é exactamente o mesmo que o poder político usou para com os professores do ensino básico e secundário: deslegitimou completamente a respectiva função e tornou-os em profissão de desgaste rápido sem proveito algum, seja para quem for, e muito menos para com os alunos. Com um acrescento: piorou o ensino.

A actuação das inspecções judiciais e do mp presta-se ao mesmo efeito...

Isto não é politicamente correcto de dizer, mas parece-me que é mesmo assim. Se formos a analisar a carreira, vida profissional e actuação de cada um dos membros dos conselhos superiores estou certo que haveria muitas situações piores do que as do tal "desleixo"...e é por isso que todos nos devemos perguntar: quem guarda estes guardas?
José , 08 Julho 2014 - 22:10:38 hr. | url
Razões e razão...
A RAZÃO:
Antes de mais declaro que também eu já fui vitima de um procurador desleixado/incompetente/psicologicamente cansado ou cada uma das coisas em separado que decidiu acusar-me de algo completamente irracional atirando para o juiz o ónus da decisão .
O juiz que resolva isto !
Tal não seria extraordinário não fora o facto desse procurador "cansado" ter sido substituído por outro mais" fresco" que apesar de reconhecer a irracionalidade da acusação não quis desrespeitar o "colega cansado" mantendo tão absurda acusação na certeza de que o Douto juiz me absolveria!.
Evidentemente que fui absolvido, não sem antes ter sido gasto um barrilinho de massa dos contribuintes!

A razão:
Acima de tudo neste casos e a fim de aferir-mos a gravidade da situação, conviria que nós cidadãos fossemos informados do rácio entre juízes e procuradores "cansados" ou "disfuncionais" (gosto muito desta última palavra) e os que desempenham as suas funções com normalidade.
Tudo o resto, 87,78,ou 116 é desprovido de significado objectivo!
Kill Bill , 09 Julho 2014 - 06:05:18 hr.
...
Picaroto,
Um juiz com problemas psíquicos não popde julgar. Ninguém pode ser julgado por essas pessoas com problemas.
O CSM não me merece qualquer confiança. Vira o bico ao prego para os amigalhaços.
Sou advogado há 37 anos e ataco quando posso.
silva , 09 Julho 2014 - 07:12:14 hr.
...
Refere o Senhor Carlos António, a avaliar pelo que alega, possivelmente Mmº Senhor Dr. Carlos António, "que escusa o Senhor Manuel Hilário Chambel de ler os comentários danosos contra ele dirigidos. Não pretendendo defender o Senhor Manuel Hilário Cambel, nem este me outorgou alguma procuração forense para tal, mas pegando ainda nas palavras do Senhor Carlos António, "que aqui são só juízes e procuradores a comentar", é humilhante constatar que pessoas com formação académica superior e que estão ao serviço do Estado e deste recebem, para defender com zelo e dignidade os interesses dos cidadãos, se dêem ao desplante só porque o Senhor Manuel Hilário Chambel é um cidadão comum e não tem o DR atrás, de o achimcalhar, chegando inclusive ao cúmulo como alega o Senhor "Olho de Lince", de o mandar consultar um psicólogo. Tão pobre justiça vai neste País, onde alguns daqueles que por serem Senhores Procuradores ou Senhores Juízes, são dão ao luxo de não respeitarem, humilhando e espesinhando a opinião daqueles que se tratam de cidadãos comuns.
Joaquim Fonseca dos Santos , 09 Julho 2014 - 08:31:20 hr. | url
O poder real está fora dos Tribunais!
Calma. O poder real está fora dos Tribunais!
Não se cansem, a "m..." é igual em todo o lado: amiguismo, safe-se quem puder, manobras dilatórias, palavras pomposas para ganhar bom dinheiro, favores, compadrio, discriminação contra os pobres e os iletrados, gozo com as leis, etc.
Pelo que sugiro que os "queixosos" se dirijam ao PSD+PS, aos bancos, às multinacionais ricas e a Palm Beach.
aiai , 09 Julho 2014 - 15:25:49 hr.
...
Não havia papel para referir a excelência das decisões dos juizes, e as competências, nas decisões, admira-me a noticia, o que não foi divulgado, as inspecções tem de ser urgentes...,
armando , 09 Julho 2014 - 18:28:56 hr.
...
É publicado na primeira página do Correio da Manhã, de hoje, "que uma Senhora Magistrada do Ministério Público, deixou, por desleixo, atrasar 150 processos". Resultado da punição pelo Conselho Superior do Ministério Público, PENAS DE ADVERTÊNCIA, pasme-se. Mas afinal em que Paío vivemos? Afinal que justiça é esta? Será que p Conselho Superior do Ministério Público, não se preocupa em analisar as consequências nefastas para os cidadãos que recorreram à justiça e que foram prejudicados com tal desleixo pela Senhora Magistrada do Ministério Público em questão? Será que os membros que compõem o CSMP, não têm dois palmos na testa, para agir CRIMINALMENTE conta a dita Senhora Magistrada? É que a mim, neste reino pôdre e corrupto da justiça, já nada me admira. Com penas destas, que é como passar a mão pelo pêlo, como não haverão os Senhores Magistrados de se darem ao luxo do desleixo? E o cidadão, esse que não tem dinheiro para mandar cantar um cego e que recorre à justiça, esse, pensam os Senhores Magistrados, que se lixe.
Joaquim Fonseca dos Santos , 10 Julho 2014 - 06:57:47 hr. | url
Tanta pergunta pergunta
Tanta pergunta e não vai ver!
Pergunte ao senhor jornalista maldoso porque razão a TVI não põe a apresentar o noticiário a senhora jornalista Judite de Sousa a quem apresento as minhas condolências.
Não pergunte nem insinue tanto sr. Joaquim! Vá ver e depois ajuíze (senão souber a diferença vá ver ao dicionário).
Picaroto , 10 Julho 2014 - 07:54:39 hr.
Mas... então!
É muito engraçado ver algumas reações supra. Os mais "aguerridos" hoje são os mesmos que amanhã dirão sem pudor que "eles têm todos Muito Bom"... Não ohando para si próprios, pois a avaliar pelo modo como escrevem, numa qualquer inspeçao de rotina não lograriam mais que mediocre (por impreparacao ética, técnica e... no domínio da língua portuguesa).
Lopes , 10 Julho 2014 - 08:48:35 hr.
Sete a um
Deixemo-nos de lérias. Os apodados «cidadãos» escreventes e mui indignados são, na verdade, advogados (maus advogados), que marchando ao contrário do pelotão acham-se muito... (coitados) e não compreendem por que razão a magalada não acerta o passo pela sua própria cadência. Ora, bolas....
Luís Filipe Scolari , 10 Julho 2014 - 08:53:52 hr.
...
Em relação ao comentador Joaquim Fonseca Santos e ao teor do seu comentário, não é possível rebater ideias assim colocadas em escrito sem perguntar se percebeu o que significa o tal desleixo da magistrada em causa.
Ou seja, o contexto temporal e pessoal em que se verificou. As razões para tal e os motivos por que o CSMP decidiu aplicar a multa, que o STA acaba por anular por razões que ainda serão apreciadas novamente.

Não me apetece explicar o que dificilmente compreenderia, porque aparentemente o que escreve é irrebatível como todo o populismo que se preza.

Só me apetece adiantar um facto:

Nos TAF´s de Lisboa e Porto estão parados nas prateleiras dos gabinetes dos juízes, milhares e milhares de processos ( há uns meses, um juiz tinha cerca de 2000).
As razões para tal fenómeno estão estudadas há anos. Parece que nada nem ninguém consegue estancar este fenómeno.
E não me parece que a culpa seja apenas dos juízes, tal como não me parece que no caso concreto a culpa seja daquela magistrada em concreto. E conheço o caso...

Portanto, la nave va, como diria o Fellini.
José , 10 Julho 2014 - 09:42:48 hr. | url
...
Ora Bolas, digo eu Senhor "Luis Filipe Scolari", certamente alguma brimcadeira de mau gosto de V. Exª atendendo ao nome que utiliza. Mas pela forma como alega, até parece louvar a podridão, o desleixo, a falta de imparcialidade, a falta de zelo, e a corrupção existente no seio de alguns Senhores Magistrados, sejam eles do Ministério Público ou da Magistratura. Pelo menos é o que transparece das "lérias" de V. Exª. Ou será por corporativismo que profere V. ex tais alegações?
Joaquim Fonseca dos Santos , 10 Julho 2014 - 10:57:41 hr. | url
...
Senhor José. Não se trata de populismo as minhas afirmações. E não me faça pregar mais água na fervura, se não eu trago-lhe aqui um rol de desleixos e de corrupção, de discriminação e escárni à minha pessoa por parte de Senhores Magistrados, sejam eles do Ministério Público ou da Magistratura, em processos em que sou queixoso e que estão a correr termos. Sejamos francos, honestos e sem corporativismos.
Joaquim Fonseca dos Santos , 10 Julho 2014 - 13:04:54 hr. | url
Oito a um
Ao senhor advogado "Joaquim Fonseca dos Santos": corporaquê? Desleixo? Falta de imparcialidade? Falta de zelo? Corrupção?
Sabe o CSMP ou outro qq órgão com responsabilidades disciplinares aplicam a lei a casos concretos. Cada caso é um caso.
Não é pelo facto de este ano de 2014 haver já vários advogados condenados em penas de prisão efetiva pela prática de crimes no exercício da profissão que vê (verá) algum jurista eticamente responsável a apontar o dedo aos advogados em geral dizendo: «aldrabões», «desonestos», corruptos» e outros mimos do mesmo género.
Vou ficar à espera para, com educação e em bom português, lhe dar os nove a um...
Luís Filipe Scolari , 10 Julho 2014 - 14:14:43 hr.
...
Ui que eles estão a ficar ofendidos...é isso aí Joaquim...eles que se coloquem no lugar deles...que são pagos para trabalhar e não vir para aqui comentar. Não fazem nenhum e são um custo estatal elevadíssimo...para lá entrar só com cunha. Eu não consegui e uma amiga vai a oral disse que ia começar a utilizar o factor cunha...
Enfim...Fiquem como estão quando se acabarem os impostos...falamos...
Andreia , 10 Julho 2014 - 15:59:17 hr.
noticias sensacionalistas e comentários supostamente prejudicam a imagem da justiça
É URGENTE passar para a opinião publica, e para os meios de comunicação social, a ideia que os magistrados não estão acima da lei e se porventura cometerem ilicitudes ou meramente não respeitarem o seu código deontológico............ devem ser julgados e se forem culpados, responsabilizados admoestados penalizados ou mesmo demitidos, caso contraio os jornais e a opinião publica, supostamente vão continuar a fomentar e a denegrir a imagem da justiça, conforme verificamos em certas noticias sensacionalistas e comentários que já assistimos cada vez mais.
ADVOGATUM , 10 Julho 2014 - 22:50:38 hr.
...
"É URGENTE passar para a opinião publica,"...

Ideia errada a meu ver, apesar de aparentemente indiscutível.

O que é urgente passar para a opinião pública não é essa ideia que toda a gente tem, afinal. Até os polícias do trânsito, agora.
É outra: a de que um magistrado é igual aos outros perante a lei. A diferença é subtil mas é de relevo.

Por causa da interpretação supra referida, a ideia de que não é superior à lei, os magistrados têm sido prejudicados, por sofrerem consequências de quem ( CSM e CSMP) acha que deve provar que é assim por a ideia não estar suficientemente enraizada.

Ou seja, um atestado de menoridade intelectual ao público em geral.
José , 11 Julho 2014 - 17:00:13 hr. | url
Ui que eles estão a ficar ofendidos....
Oh Andreia, então o seu grande objetivo de vida era vir juntar-se a esses que "não fazem nenhum e são um custo estatal elevadíssimo".... E não a deixaram! Nem com cunha! Que mau... Agora a sério: foi bem chumbada. Você não tem perfil: é desonesta (gostaria de beneficiar da cunha), não sabe o que diz (essa da cunha revela-o e além disso mostra que não tem bom senso) e pelo que denuncia no breve texto que subscreve, deve ser dessas pessoas que saiu de uma universidade privada (de outro modo não podia frequentar um curso superior) a saber pouco mais do que que se aprendia na antiga quarta classe...
Venenosa , 11 Julho 2014 - 22:41:40 hr.
...
Ns grande maioria destes comentários, vê-se perfeitamente o corporativismo da classe dos Senhores Magistrados, sejam eles do Ministério Público ou da Magistratura, a defenderem-se uns aos outros. É o sinal perfeito de que todos têm telhados de vidro e como tal, por isso mesmo, tanto lhes incomoda a ideia de serem julgados criminicalmente. Mas afinal eles próprios, não gostam de acusar e condenar? Sim, mas só aos outros, porque eles entendem-se ser um classe privilegiadam e uns santinhos que não partem sequer um prato, E quando o partem, foi por lapso como eles gostam de dar côbro a lapsos mail intencionados com o intuito intencional de prejudicar alguns, por parte de alguns Senhores Ilustres, e que apesar de reconhecerem que o Senhor Ilustre o está a fazer premeditado, mesmo assim dão-lhe côbro.
Joaquim Fonseca dos Santos , 13 Julho 2014 - 07:12:29 hr. | url
...
«(...) julgados "criminicalmente". Mas afinal eles próprios, não gostam de acusar e condenar? Sim, mas só aos outros, porque eles entendem-se ser um classe "privilegiadam" e uns santinhos que não partem sequer um prato, E quando o partem, "foi por lapso como eles gostam de dar côbro a lapsos mail intencionados com o intuito intencional de prejudicar alguns, por parte de alguns Senhores Ilustres, e que apesar de reconhecerem que o Senhor Ilustre o está a fazer premeditado, mesmo assim dão-lhe cobro"» Confesso que eu não diria melhor. Então essa dos "lapsos mail intencionados com o intuito intencional..." é de justificar a ida direta do seu autor, quando morrer, para o Panteão. Só que, de tanto usar a palavra cobro eu acho que o Joachim desvendou a sua verdadeira profissão: é cobrador do fraque...
Venenosa , 14 Julho 2014 - 19:46:56 hr.
...
Cara Venenosa,
Você deve ser muito honesto/honesta, aplica já aqui determinados nomes...
Os desonestos são o título do texto. Mas por amor da santa...não me atirem areia. Quanto á cunha não tenho nenhuma, tive de chumbar para entrarem os que tem cunha. Ou vai dizer-me que é tudo mentira e vocês são uns santos?
Não sabe que só se entra no CEJ com cunha? Toda a gente sabe isso...Honestidade não vamos abordar esse tema...
Quanto a um curso superior não o tirei em qualquer privada...
Você não sabe o que diz...limite-se a trabalhar...que é como digo...os nossos recursos estão a ser consumidos por vós.
Andreia , 15 Julho 2014 - 10:11:58 hr.
...
Andreia, continuo a dizer que foi uma grande maldade não lhe terem permitido juntar-se aos que nada fazem e são um custo estatal elevadíssimo, permitindo-lhe viver o resto da vida à sombra da bananeira e à tripa forra... Tirando isso, acho que o seu último texto confirma que você é destituída de qualquer qualidade para ser magistrado. Portanto, desista, vá para o sector privado se conseguir arranjar emprego como caixa de supermercado...
Venenosa , 15 Julho 2014 - 13:11:15 hr.
...
Esta Laia devia ser bem púnica, defendem-se tal como diz o Joaquim como verdadeiras alcateias...
Sejam punidos quando não fazem o seu trabalho...o que não falta neste País é Juízes e Procuradores que não fazem nenhum e ganham milhares...
Peço desculpa aos que são bons...Esses há poucos e dignificam a profissão...
Bom comentário Joaquim.
Fonseca , 15 Julho 2014 - 13:39:38 hr.
...
Cara Venenosa ou caro venenoso,
Primeiro não lhe pedi qualquer opinião para opinar ou falar sobre qualquer parágrafo escrito por mim ou não.
Segundo, nem sei o seu género, se macho, fêmea ou ambos. Deve ser extremamente culto.
Os seus parágrafos realmente são de um brilhantismo total...isentos de erros, bem escritos, cheios de veneno e arrogância. Você está no local certo. Consumo de recursos estatais, aplicado por pessoas como V.Exa...Ou seja, fazem pc, consomem muito e dão pouca produtividade neste caso à justiça portuguesa...
Deixe-se estar...candidate-se ao Tribunal Constitucional pois tem o perfil adequadíssimo!
Qualquer caixa de supermercado é mais digno que você...Dão no duro e trabalham para ganhar o seu pão do dia a dia...não critique estas profissões...porque dignidade ou honestidade não é consigo.
Vá trabalhar com isenção e rigor...para termos uma justiça célere, melhor e mais completa.
Andreia , 15 Julho 2014 - 15:26:40 hr.
...
Cara Andreia
Em primeiro lugar, quem é que lhe disse que sou da judicatura?
Em segundo lugar, tem toda a razão quanto à dignidade dos caixas de supermercado. São pessoas dignas, muitas delas com cursos superiores prestigiados, tirados com esforço e não obtidos por correspondência...
Você interpretou mal o que eu disse (o que não me surpreende). O que eu queria dizer é que, não sendo exigidas para caixa de supermercado (teoricamente) as mesmas habilitações que são exigidas para a profissão de juiz (preguiçoso e gastador...) a que você se queria candidatar e alguém, maldosamente, impediu para dar lugar a outro que tinha cunha (parece aquelas teorias da conspiração tão ao gosto americano; não sei se no seu infortúnio não haverá mão da CIA...), você pode aproveitar a oportunidade, a não ser que o Tio Belmiro ou o Tio Alexandre achem (para favorecer outro, claro...) que você não tem os predicados necessários (o que também não me surpreenderia).
Um conselho: já que o seu grande objetivo de vida é integrar o grupo dos calaceiros e bem pagos desta santa terra, porque não fazer um curso de preparação ao CEJ? O canudo, pelos vistos, já você tem; falta só, verdadeiramente, a parte escolar.... Não sei é se passará nos exames psicológicos. Mas aí a culpa será, certamente, das cunhas no ISPA...
Para finalizar, um esclarecimento à sua ignorância: os juiz do TC não são escolhidos por concurso. Logo, não há candidatos. E isto, qualquer aluno do 2.º ano da minha antiga faculdade sabe...
Passe bem.

Venenosa , 16 Julho 2014 - 06:40:01 hr.
...
Eu não queria voltar a este lugar, porque, como habitualmente quando o assunto tem a ver com os magistrados directamente, o nível dos comentários desce vertiginosamente e aproxima-se perigosamente do zero absoluto, só registado no espaço inter-galáctico.
Mas, espero que me perdoem, não posso deixar de me regalar com a pérola constante do texto, e que é, sobre questões de incompetência e falhas disciplinares de magistrados, o jornalista foi ouvir ... quem ? ...quem ? ..QUEM ?
Rui Rangel !
A ironia é tão fina que corta um átomo ao meio
Hannibal Lecter , 16 Julho 2014 - 08:00:32 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Forense Magistrados: Juízes 87 juizes e procuradores multados por desleixo

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico