In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

Dormir no posto dá multa a GNR

  • PDF

Pena de dois meses de prisão substituída por multa de 420 euros para guarda da GNR.

Os magistrados não tiveram dúvidas: o militar P...F... estava a dormir no posto da GNR do Sameiro, em Braga, na madrugada de 10 de setembro de 2013, quando estava destacado para o atendimento ao público. O guarda foi ontem condenado a dois meses de prisão, mas a pena foi substituída pelo pagamento de uma multa - sete euros por dia durante o mesmo período de tempo, perfazendo um total de 420 euros.

Estava acusado de incumprimento dos deveres de serviço. No acórdão lido ontem no Tribunal de S. João Novo, no Porto, ficou claro que P..F... só dormiu alguns minutos, mas que tal ação o deixou "na impossibilidade de cumprir os deveres que lhe estavam confiados". A pena foi atenuada porque não houve nenhuma emergência naquele período.

O guarda, que antes das 06h50 abriu o posto a dois colegas que chegavam da patrulha, descalçou-se, pôs o cinturão com a arma em cima de uma mesa e os telemóveis numa cadeira, apagou aluz e deitou-se num sofá. Um capitão apanhou-o a dormir.

A PJ Militar concluiu não ter havido crime, mas o Ministério Público levou P.. F... a julgamento e pediu a condenação. João Magalhães, advogado de defesa, já anunciou que vai recorrer.

Catarina Gomes de Sousa | Correio da Manhã | 26-09-2014

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
O que deve fazer um militar da GNR que fica sozinho num posto durante a noite? Por-se à vontade e tirar uma soneca é de facto o mais ajuizado. Ao menos no dia seguinte está em condições de trabalhar. Não nos podemos esquecer que a GNR não tem horário de trabalho.
Valmoster , 26 Setembro 2014 - 13:47:17 hr.
magis
Ainda ninguem penssou que o militar pode ter adormecido por breves segundos por motivos de doença, consideram que se deve condenar um homem porque ficou doente e adormeceu, sejam racionais e justos e deixem de fazer as coisas de animo leve, penssem mais e talvez cheguem lá.
penssem , 19 Outubro 2014 - 23:22:27 hr.
Deser(são?)
Vá lá que o homem até teve muita sorte!
Não foi fuzilado por deserção!
Este país é uma pouca vergonha!
Como podem os direitos dos cidadão ser respeitados se os direitos dos GNR, PSP são assim considerados de forma absolutamente medieval!
Agentes tratados assim não têm a capacidade de reconhecer os direitos dos cidadãos!
E não me venham com tretas porque toda e qualquer justificação é PURO MILITARISMO aplicado a uma força que faz trabalho civil!
Ou então o militar deixou que os castelhanos nos invadissem!

Gostava de ver se condenavam á pildra um juiz que fizesse uma sestinha no seu gabinete!
Uma pouca vergonha esta amostra de país!
Kill Bill , 20 Outubro 2014 - 06:53:51 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal Dormir no posto dá multa a GNR

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico