In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

Agente que vendeu fotos de bebé da Madeira pode ser processado

  • PDF

Num reality show, assim se transformou o caso de Daniel, o menino de 18 meses desaparecido e reencontrado três dias depois. Um agente da PSP da Calheta tirou fotos de telemóvel do menino logo que foi encontrado e terá vendido imagens a órgãos de comunicação social. O ato pode ser uma infração disciplinar grave e configurar crimes de exposição de menor e de fotografia ilícita. Trata-se de uma criança, que, apesar de ter estado desaparecida, tem o direito a ser protegida, sendo esse o dever das autoridades. A PSP foi questionada pelo DN mas não reagiu.

O agente em causa, da esquadra da PSP da Calheta, fez-se fotografar com o menino nos braços logo no momento em que Daniel foi encontrado. Também tirou fotos de Daniel nos braços do levadeiro que o encontrou. A imagem do polícia publicada na primeira página do semanário madeirense Tribuna é prova disso, apesar de vir assinada por outra pessoa.

Também polémicas são as fotos inseridas na última edição da revista Nova Gente, tiradas no Centro de Saúde da Calheta com a criança e a mãe, e que terão sido obtidas e vendidas pelo mesmo polícia, que já admitiu os factos em textos no Facebook, onde argumentou que iria entregar o dinheiro à família da criança.

O caso foi exposto na página do Facebook por um fotojornalista. Os comentários chegaram ao ponto de o agente, Ricardo de seu nome, com "15 anos de serviço público", responder, evocando o seu "direito à defesa", "já que estou a ser julgado na praça pública por quem nada fez para encontrar a criança". Assume que na terça-feira (dia 21) colocou "a foto com o menino" no seu Facebook, dizendo:" Hoje foi o dia mais feliz da minha carreira."

No texto explica que a "primeira comunicação para a esquadra foi que a criança tinha aparecido mas estava já cadáver". Que saiu de imediato para o local "percorrendo a levada, cerca de 10 a 15 km a correr, quando vejo o Sr. Teixeira [o levadeiro] com a criança ao colo e viva. (...) Tal foi a minha alegria que parei e registei esse momento. Fiz um exame sumário à criança e logo verifiquei que esta se encontrava bem de saúde embora com frio e com a roupa húmida. Segurei a mesma nos meus braços e ao percorrer a levada de regresso e sempre sem parar foi registado esse momento de alegria, como podem ver na minha página agora partilhada com o público", esclarece o agente.

No Centro de Saúde da Calheta informa alguns jornalistas que "tinha tirado fotos", tendo sido "aliciado" para partilhá-las, o que recusou.

Só que após "vários contactos efetuados, decidi que se alguém tinha de ganhar com as fotos seria a família, pelo que todo o dinheiro que supostamente foi ganho com as fotos irá a seu tempo reverter para a família como solidariedade em nome da esquadra da Calheta", que irá "angariar fundos, alimentos, roupas para doar à família". Num comentário seguinte, refere que "deu a foto ao Tribuna", só as que "vêm na revista foram vendidas e foi comunicado à mesma revista que o dinheiro seria para entregar à família, tendo os e-mails a confirmar isso mesmo", sublinhou.

O DN contactou o comando da PSP no Funchal e foi solicitado o envio de e-mail com as perguntas. Até ao fecho da edição não houve resposta. Paulo Flor, porta-voz da Direção Nacional da PSP, argumentou não ter elementos suficientes para comentar a situação mas, garantiu, "se houver infrações, serão consideradas".

Lília Bernardes | Diário de Notícias | 27-01-2014

Comentários (5)


Exibir/Esconder comentários
...
Pode? Tem de ser sancionado!
pe de vento , 27 Janeiro 2014 - 10:05:58 hr.
Chover no molhado!
Qual privacidade!
Toda a gente conhecia já a carinha do miúdo, a mãe, o pai, o tio, a avó e o cão também, parafraseando a canção!
Terá o agente agido incorrectamente sim, mas não violou privacidade nenhuma!
Por outro lado revertendo o dinheiro em favor da família o agente nem sequer lucrou com isso!
Tudo me parece uma questão de "dor de cotovelo" dos paparazzi que teriam vendido a foto por muito mais! E ARRECADADO A MASSA NO BOLSO!
Kill Bill , 27 Janeiro 2014 - 14:51:09 hr.
...
Se a intenção remonta ao inserido no texto, não deve ser sancionado. É a minha opinião
Kanimambo , 27 Janeiro 2014 - 15:07:49 hr. | url
...
Pérola nº 1 - "Por outro lado revertendo o dinheiro em favor da família o agente nem sequer lucrou com isso!"
Pérola nº 2 - "Se a intenção remonta ao inserido no texto, não deve ser sancionado".LOLOLOLO
É mesmo verdade o que diz o Povo: por cada vigarista que nasce, nascem dois tansossmilies/grin.gif
Otário fiscal , 27 Janeiro 2014 - 19:47:27 hr.
Otários!
Caro otário fiscal:
Fica-lhe bem o apelido!
Kill Bill , 27 Janeiro 2014 - 21:26:34 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal Agente que vendeu fotos de bebé da Madeira pode ser processado

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico