In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

Funcionários judiciais não sabem onde vão trabalhar depois das férias

  • PDF

Justiça está em mudanças com o novo mapa e "os funcionários judiciais vão ser os sacrificados", afirma o sindicato. Já a Associação dos Juízes admite problemas com algumas futuras instalações. As férias nos tribunais arrancam esta terça-feira e os funcionários judiciais ainda não sabem onde se deverão apresentar no dia 1 de Setembro. O sindicato prevê um "Verão diabólico".

"Essa é uma deficiência que nem a Direcção-Geral nem o Ministério da Justiça conseguiram ainda colmatar e que está a causar indignação em todos os funcionários", disse à Renascença Fernando Jorge, presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais.

O Verão vai ser de mudanças na Justiça, vai servir para transferir processos e dar corpo aos novos espaços onde vão trabalhar juízes, Ministério Público e funcionários.

Ao todo, três milhões e meio de processos vão ser transferidos, em papel ou por via informática, de uns tribunais para os outros, por causa do novo mapa judiciário. A partir de Setembro desaparecem as actuais 231 comarcas para darem lugar às novas 23 comarcas, encerram 20 tribunais e são criadas 27 novas secções, aumentam as secções especializadas, o tribunal de comarca passa a ter um juiz presidente, um administrador e um magistrado coordenador do Ministério Público.

Nesta arrumação de novas casas vai sobrar para os funcionários das secretarias e serviços dos tribunais, afirma o presidente do Sindicato dos Funcionários Judiciais.

"Os funcionários judiciais vão ser os sacrificados com esta mudança dos processos. São eles que vão ter que fazer todas as operações necessárias à transferência electrónica e física dos processos. Há pedidos, inclusivamente, aqui de Lisboa, para os funcionários não gozarem férias. Isto é inaceitável, está a acontecer em alguns tribunais de Lisboa. Vai ser um Verão diabólico", afirma Fernando Jorge.

Os juízes, por seu lado, já sabem onde se apresentar. Mouraz Lopes, presidente da Associação Sindical de Juízes, diz que a colocação de mail de mil juízes decorreu sem problemas.

Há mais de 15 dias que não se agendam julgamentos para Setembro, uma medida determinada pelo órgão que gere os juízes, mas também pelos magistrados do Ministério Público.

Mouraz Lopes explica que se trata "apenas de uma medida de precaução, para que as pessoas não fiquem transtornadas, não tem nada a ver com eventuais atrasos significativos nas agendas dos tribunais, com repercussões a longo prazo".

No entanto, há problemas com algumas futuras instalações, admite o presidente da Associação Sindical de Juízes.

Quantos julgamentos já foram adiados, quantas diligências ficaram por marcar? A Renascença fez a pergunta ao Conselho Superior da Magistratura, ao Conselho Superior do Ministério Público e ao Ministério da Justiça, mas não obteve resposta.

Liliana Monteiro | Rádio Renascença online | 15-07-2014

Comentários (10)


Exibir/Esconder comentários
...
Era só para saber onde os senhores juízes iam passar os seus 2 meses de férias?
Cumpts...
Todos com direito a subsídios e regalias. É uma pergunta sem maldade só saber onde vão os 2 meses.
Ferreira , 16 Julho 2014 - 15:04:19 hr.
...
Normal, os burros de carga ficam sempre para o fim.
GES , 16 Julho 2014 - 16:53:18 hr.
...
Ó Ferreira, explique lá como são 2 meses de férias...
Indignado , 16 Julho 2014 - 21:03:26 hr.
...
Saberão eles onde se deverão apresentar após as próximas eleições? numa empresa de construção civil, das que vão construir os tribunais das novas comarcas ou nalgum dos escritório de advogados da Avª da Libetrdade?
... , 16 Julho 2014 - 22:08:58 hr.
...

Sr. Ferreira, na parte que me toca, confesso que não faço planos a longo prazo. Relativamente aos 26 dias de férias a que tenho direito este ano - não por oferta ou regalia, mas porque passei muito tempo a trabalhar, quem sabe para pessoas como o Sr. que não reconhecem qualquer mérito a quem sacrifica muitas madrugadas - comunico-lhe que os passarei em casa, a tentar aproveitar a infância dos meus filhos.
Quanto às férias do ano que vem, peço desculpa mas ainda não é possível satisfazer a sua curiosidade.
Relativamente às regalias, não sei a que se refere....será ao subsídio de férias? Aquele a que toda a gente tem direito, incluindo o Sr., provavelmente trabalhador das 09.00h às 17.00h, com várias pausas para café e cigarro, com baixa produtividade e que depois goza o verão à custa do meu esforçado trabalho e dos impostos que pago.
Mas tudo bem. Vivemos em democracia, também o Sr. tem o seu direito a ofender quem trabalha.

Agora, quanto ao que realmente interessa, os senhores funcionários e o seu indeterminado destino. É uma vergonha. Trabalham, sacrificam as suas vidas, familias e férias, mas não merecem consideração de ninguém. Bom, uma pequena correcção. A minha merecem. Sempre reconheci e reconhecerei o trabalho e empenho daqueles que comigo trabalham.
É pena que não seja este um imperativo para todos, mas.....com o exemplo dos Srs. Ferreira, não podemos esperar gande coisa deste país.
Joy , 17 Julho 2014 - 10:16:39 hr.
...
Caro Joy,
Antes de mais, faço igualmente como você inúmeras madrugadas. Tudo para ao final do mês não lhe faltar o valor do seu ordenado, fruto dos rendimentos dos contribuintes.
2.º Não sei qual o seu Qi, para opinar sobre esta ou determinada situação. Então todos tem subsídios de férias? todos quem? Explique-me funcionários do sector público? certo? funcionários de empresas? certo? Todos mesmo. E trabalhadores independentes tem subsídio de férias? 3.º Não fumo! Quanto aos 26 dias de férias, tem mais do triplo das minhas...tem um ordenado condizente com a profissão e mais que suficiente. Pena não serem todos como você...os seus colegas procuradores...são uma vergonha como funcionários estatais...
Acha que se fosse um funcionário das 09h00 que sai às 17h000 e fuma o seu cigarrinho perdia tempo em vir cascar na vossa profissão e afins? também não sou advogado.
Fique bem...aproveite a infância dos seus filhos pois isso não tem valor...monetário...e aproveite os 26 dias de férias que já são mt bons...
Ferreira , 17 Julho 2014 - 13:12:03 hr.
...
A minha pergunta é? Os Funcionários Judiciais trabalham? ahahahhahahahahah
Leila , 18 Julho 2014 - 07:37:21 hr.
...
Cara Leila,

Convido-a a passar um dia comigo no Tribunal onde exerço funções, para a senhora aferir por si própria da quantidade de trabalho realizado (ou não) diariamente pelos oficiais de justiça e até fora de horas, sem que as mesmas sejam pagas, para poder opinar convenientemente sobre o assunto, assim evitava alarvidades como é o seu comentário.

Concordo consigo que também os há que não fazem a ponta de ........, mas esses é que haviam de ser corridos da profissão, não o são por falta de coragem, como existem nas outras profissões.

Cumprimentos

XPTO , 20 Julho 2014 - 12:19:59 hr.
...
Caro XPTO, respondeu muito bem, esses que haviam ser corridos como apregoa, são inúmeros...corram com eles...até lá pagam todos...porque a justiça portuguesa, serve para as grandes sociedades de advogados, juízes e procuradores, e julgados de paz...
Sabe, somos muitos hoje em dia que trabalhamos com horas extra e não somos pagos...portanto...quando quiser vou ao tribunal onde trabalha averiguar...e contar quantos não fazem nada.
Leila , 20 Julho 2014 - 17:48:57 hr.
...
Tenho vergonha de fazer parte deste país com pessoas(?) tão mesquinhas e invejosas de quem trabalha. Digo já que não sou funcionária judicial, para que conste mas o português comum e menos culto e informado só vive bem na maledicência. Epá, se têm tanta inveja por que não vão estudar e concorrem a oficial de justiça? É complicado não é? Eu sei!
A. Gonçalves , 21 Julho 2014 - 01:01:46 hr. | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Forense Agentes Públicos Oficiais de Justiça Funcionários judiciais não sabem onde vão trabalhar depois das férias

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico