In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

Ratos e infiltrações nos contentores no Tribunal de Loures

  • PDF

Pelo menos três ratos de pequenas dimensões fazem parte da história do primeiro mês de funcionamento dos contentores do Tribunal de Loures, onde está sediada a nova comarca de Lisboa Norte. Este primeiro mês ficou ainda marcado por infiltrações nos "módulos transitórios", como lhes chama o Ministério da Justiça. As fortes chuvada dos últimos dias chegaram a molhar alguns processos, garantem funcionários do tribunal.

Capturada por um juiz, a foto de um dos roedores preso numa ratoeira de madeira colocada dentro dos contentores está a ser um sucesso nas redes sociais. "Eu vi, ao vivo e a cores", comenta uma magistrada de Loures no Facebook. "Os ratos entraram e deixaram caganitas dentro das gavetas. Todas as manhãs quando chego aos contentores desinfecto o meu local de trabalho", descreve por seu turno uma oficial de justiça, explicando que as chuvadas só não estragaram os processos porque não aconteceram ao fim-de-semana, o que permitiu aos colegas mudarem-nos para os locais a salvo das infiltrações.

O PÚBLICO tentou, sem sucesso, contactar os gestores da comarca. Já o Ministério da Justiça diz que, por ser estanque, "o fundo dos módulos não permite a entrada" dos roedores, razão pela qual está a apurar a origem do problema. Já quanto às infiltrações, "foram reparadas" esta quarta-feira, e por conta do seu fornecedor, revela a tutela. "Desafio alguém que conheça os módulos a dizer se prefere trabalhar neles ou num tribunal muito bonito e com patine mas no qual chove, há bichos e falta de condições de higiene", tinha declarado no início da semana o secretário de Estado da Justiça, António Costa Moura.

Um responsável da empresa que alugou os contentores ao Ministério da Justiça por cerca de um ano, por 239 mil euros, desvaloriza o sucedido: "Disseram-me que entraram lá uns ratitos. Mas também já os apanharam no Palácio da Justiça de Loures", ali mesmo ao lado, observa Victor Soares, da Arlindo Correia & Filhos. "Devem ter chegado nos caixotes de processos [vindos de outros tribunais] - ou então entraram pela porta dos contentores, que está aberta e sem ninguém ali". O engenheiro diz que era impossível testar a resistência dos contentores à água antes das primeiras chuvadas, e que bastou aplicar silicone "em duas ou três janelas" para acabar com as infiltrações. Além disso, acrescenta, está a ser colocada tela no topo dos módulos para abafar o ruído vindo do exterior, e que já tinha motivado queixas.

No dia em que começaram a chegar aos tribunais as folhas Excel que vão permitir a redistribuição dos processos aos juízes que o crash do sistema informático Citius tem impedido, esta quarta-feira, a bastonária dos advogados, Elina Fraga, foi recebida pela presidente da Assembleia da República. Quer advogados quer o Conselho Superior da Magistratura têm defendido a necessidade de ser aprovada legislação que suspenda os prazos dos processos enquanto o problema informático não é resolvido. "A presidente da Assembleia da República assumiu que fará chegar as nossas preocupações à próxima reunião de líderes de bancada", marcada para 30 de Setembro, relatou a bastonária.

O presidente e o vice-presidente do Conselho Superior da Magistratura foram também esta quarta-feira recebidos pela ministra da Justiça, a quem foram apresentar aquilo que designaram por "um plano de contingência para o funcionamento dos tribunais, a executar na impossibilidade de, em prazo razoável, ser normalizado o funcionamento da plataforma informática".

Para esta sexta-feira está marcada uma greve do Sindicato dos Funcionários Judiciais, a que se seguirá um dia de paralisação em cada uma das 23 comarcas do novo mapa judiciário, a começar a 1 de Outubro, nos Açores. O Sindicato dos Oficiais de Justiça não se associou a este protesto.

Ana Henriques | Público | 25-09-2014

Comentários (7)


Exibir/Esconder comentários
...
Ratos e contentores sempre combinaram. Tudo dentro da normalidade.......
Colocar Tribunais em contentores e tal ser aceite pelo CSM, pelos SRs. "Presidentes das Comarcas" e pelos Srs Juízes é que se revela como um desvio, como um aceitar de uma humilhação .... tipo vitima de violência doméstica, maltratada, humilhada, enxovalhada..... mas continua sempre lá!!!!!!!!
eu leio , 26 Setembro 2014 - 07:30:05 hr.
...
"Disseram-me que entraram lá uns ratitos. Mas também já os apanharam no Palácio da Justiça de Loures"
Logo, na cabeça deste génio, está tudo bem quando ratos passeiam pelos Tribunais.
Que tal apanhar alguns vivos e enviálos para a sede da sua empresa e, já agora, uns ali para o MJ para ver se gostam de ver as caganitas dos ditos, e os papéis roídos, imaginando as altas cavalarias que se passam por lá fora das horas de expediente.
Haja paciência, ou isto só lá vai à bomba!
Ratitos , 26 Setembro 2014 - 07:46:33 hr.
...
Já não há governantes e Tribunais (CSM) à moda antiga, caro "eu leio".
A partir daí está tudo dito.
Ai Ai , 26 Setembro 2014 - 08:15:07 hr.
Não são contentores
Não são contentores, são MÓDULOS, assim como não devem ser ratos, mas sim RATTUS.
alguém , 26 Setembro 2014 - 08:22:07 hr.
O mal não é dos contentores...
Infelizmente as barbaridades que se dizem não pagam imposto...

A justiça está nas ruas da amargura...o mal é dos contentores;
A reforma falhou...o mal é dos contentores;
A Ministra enganou os portugueses (e segundo ela, foi ela mesma enganada. Veremos): o mal é dos contentores.
Os processos são lentos a movimentar (agora pararam mas há quem diga que é transitório, veremos): o mal é dos contentores;
Fisicamente há processos "por aí espalhados" em caves e garagens: o mal é dos contentores;

No fundo, os contentores serão...um dos males da justiça. Ai que se lhe vai a dignidade.

É pena que esta barbaridade assim dita não pague imposto.

O mal da justiça não é ter instalações (físicas) que muitas vezes (muitas muitas muitas vezes) são menos dignas que um contentor (já entraram num? Já fizeram lá uma diligência?)

O mal da justiça não é ter funcionários a menos...é ter poucos funcionários...nos contentores.

O mal da justiça não é ter juízes a menos...é ter (os poucos) juízes nos contentores.

O mal da justiça não é ter uma reforma de um mapa judiciário que "estoirou com isto". É ter uma reforma...com contentores.

O mal da justiça não é ter uma ministra e um governo que só olham ao umbigo: é ter uma ministra que defende contentores...

O mal da justiça não é ter advogados e uma ordem dos advogados que mais parece uma associação sindical do mais "canhoto" que há (quase tipo CGTP que em 30 anos assina 4 acordos, só para ser sempre do contra), que só para se fazer ouvir pega no que é mais popular (como se não tivesse mais por onde fazer-se ouvir). O mal é meter os advogados nos contentores...

O mal da justiça não é um cidadão ter de fazer 150 ou 200Kms para ir e voltar de um tribunal onde, esperemos para ver, vai ter de voltar a ir (e vir) porque a diligência que lhe marcaram foi adiada (esperemos para ver): o mal é dos contentores.

O mal da justiça não é ter um juíz (especializado pois então) que passou a vida a fazer processos crime, e que no meio desta trapalhada que é a "especialização", vai passar a fazer insolvências, ou laboral, ou família! Sem ter tido formação. O mal é esse senhor juíz fazer justiça nos contentores.

Esquecemo-nos, nós humilde povo, que é em nosso nome que a justiça se faz.
E tal como não é o homem que faz o fato, não é o contentor que faz da justiça melhor nem pior, nem mais digna nem menos digna.

Fossem os contentores todo o mal da justiça, e logo eles passariam despercebidos.

Tenhamos juízes preparados.
Tenhamos um governo e um ministério da justiça sério.
Tenhamos uma ordem dos advogados que saiba ser, ela própria, Advogada e não sindicalista (um advogado não é - e a ordem não deve ser - sindicalista);
Tenhamos funcionários em número suficiente (zelosos já são);
Tenhamos despacho a "andar com os processos".

quando tivermos isto, preocupemo-nos com os contentores.

Pois bem:
Faz 10 anos que trabalho dentro de um contentor. É a sede da empresa onde passo boa parte dos meus dias. Convido - e não, não é um convite como o do Senhor Secretário de Estado ao Sr. Dr. Rui Maurício no Prós e Contras da RTP - a quem quiser, vir ver o que é um "contentor", e como se trabalha num "contentor".

A justiça, de facto, essa sim: pronta e metida em contentores, despachada para um país qualquer, e...venha outra. Porque esta, do alto do seu pedestal, quer começar tudo pelo telhado. Como sempre.

Que barbaridade...


(só uma nota: ratos, no tribunal de loures e nos contentores é um perigo de saúde pública com certeza. Mas pergunto: será que alguém avisou os ratos que há 1 mês ali foram instalados contentores, ou os ditos já por lá andariam? Não caiam em todas as ratoeiras)....
Luís Miguel Jesus , 26 Setembro 2014 - 09:26:05 hr.
...
O que tem que ser tem muita força. A reforma judicial está entregue aos ratos.
Maria do Ó , 26 Setembro 2014 - 09:40:26 hr.
...
Só lamento é que, depois de se vergarem a ir para os "caixotes", os juizes que lá têm "gabinetes" continuem a aceitar toda essa situação.

Como já alguém disse, a culpa não é de quem faz, mas de quem deixa fazer.

Quanto ao CSM e aos presidentes das comarcas podem todos esperar sentados, pois há que ser politicamente correto... Senão, ai as agendas!!!!!
Zeka Bumba , 26 Setembro 2014 - 23:30:44 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Atualidade Tribunais Ratos e infiltrações nos contentores no Tribunal de Loures

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico