In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

"Libération" arrasa José Sócrates

  • PDF

Jornal da esquerda francesa publicou quarta-feira um artigo sobre a prisão do ex-primeiro ministro. Título: "Sócrates, a queda de um oportunista sem ideologia". O caso Sócrates, diz o "Libération", "corresponde a um novo degrau de imoralidade na vida pública".


Um político "duvidoso", "sempre borderline", "sanguinário, autoritário e de estilo cintilante à la Sarkosy". É assim que o jornal francês "Libération" descreve José Sócrates, num artigo, publicado esta quinta-feira, sobre a detenção do ex-primeiro ministro português.

O caso Sócrates, diz o jornal, "corresponde a um novo degrau de imoralidade na vida pública". No artigo, assinado pelo correspondente do "Libération" em Madrid, descreve-se as suspeitas que levaram à acusação do ex-governante por fraude fiscal, corrupção e branqueamento de capital. Explica-se como "o modo de vida em Paris chamou a atenção da brigada financeira portuguesa", como o seu motorista "fazia regulares viagens Lisboa-Paris para lhe entregar grandes quantidades de dinheiro em cash" e como o seu amigo e empresário Carlos Santos Silva serviu como pivô num esquema de transferencias financeiras. O "apartamento no valor de 2,8 milhões de euros, a frequência de restaurantes de luxo e as escutas telefónicas fizeram o resto".

E o resto é muito. Desde logo, o escândalo desmontou a imagem do "antigo líder socialista que, em maio de 2011 se demitiu, enquanto o seu país estava à beira da falência". Sócrates queimou o seu "retrato político bem merecido, de um cidadão honesto que serviu o seu país o melhor possível" e que "no final do seu primeiro mandato obteve resultados visíveis na mudança de uma administração pública anquilosada". Passou a ser "o líder duvidoso, esse produto mediático ou o politico Armani (citando o 'Público', que sublinhava o seu lado esquerda-caviar) envolvido em vários escândalos dos quais conseguiu, de cada vez, escapar às garras da justiça".

O texto do "Libération" termina com uma análise de Fernando Rosas, apresentado como historiador. "Desde o princípio, ele foi esse jovem lobo, oportunista, sem ideologia, obcecado por escalar todos os degraus até ao poder supremo, sempre borderline". Apresentado como "antigo militante do partido de direita, o PSD, passou para os socialistas em 1981" e acrescenta-se à biografia de Sócrates ter sido "admirador de Tony Blair" mas que "sempre conheceu um percurso pouco claro". "Há mesmo fortes hipóteses do seu diploma de engenheiro civil, obtido em 1980, ser falso", conclui o artigo.

Rosa Pedroso Lima | Expresso | 27-11-2014

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
Óculos 3D - Quem Precisa?...
Ora aqui está uma análise a três dimensões...
Límpida, escorreita, de fácil leitura...
Sem recurso a eufemismos...
Sem qualquer pretensão de índole artística...
Simplesmente apresentando as cores da verdade...
Cruas cores... de uma triste verdade...
Giulia , 27 Novembro 2014 - 15:12:21 hr.
Mãos na terra e o encontro com a espiritualidade...
«"antigo líder socialista que, em maio de 2011 se demitiu, enquanto o seu país estava à beira da falência"»

Esta detenção é histórica para Portugal, assim como todo o trabalho de investigação que lhe subjaz. Finalmente, Portugal tem coragem de responsabilizar e fazer tudo o que está ao seu alcance para neutralizar a ação política e institucional destes capangas, desta corja de bandidos, que merecem (não pulseiras nem abébias) passar o resto das suas tristes existências na cadeia (!) e devolver ao povo tudo o que tiraram indevidamente!...
Conversar?...
Sim, com os colegas que com eles hão-de trabalhar uns bons hectares de terra, à chuva e ao sol, para fins de beneficiência!...
De permeio, pedem perdão a Deus Nosso Senhor... e não lhes ficará mal rezar um Pai Nosso em conjunto...
[chama boas energias, acreditem...]
Peter , 28 Novembro 2014 - 12:02:00 hr.
Lápis Azul...
"Desde o princípio, ele foi esse jovem lobo, oportunista, sem ideologia, obcecado por escalar todos os degraus até ao poder supremo, sempre borderline".

Afirmações deste teor não são pronunciadas de cor; antes porém, suportadas por prova factual e documental, profusa e inequívoca.

E isto não há lápis azul que possa apagar...
Giulia , 29 Novembro 2014 - 21:58:24 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Atualidade Sistema Político "Libération" arrasa José Sócrates

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico