In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2014

Pedro Santana Lopes diz ser um dia “triste” para Portugal

  • PDF

O provedor da Santa Casa da Misericórdia, Pedro Santana Lopes, considerou hoje que a detenção do ex-primeiro ministro José Sócrates um facto "triste para Portugal" e que levanta questões quanto ao "ponto a que o Estado chegou".

"É, obviamente, um dia triste para Portugal e para os portugueses", declarou Santana Lopes, na Guarda, aos jornalistas, à margem da Academia do Poder Local, que decorre até domingo, promovida pelos Autarcas Sociais-democratas (ASD) e pelo Instituto Francisco Sá Carneiro.

Referiu que nos últimos dias o país tem assistido a uma sucessão de factos que preocupam quanto à solidez da estrutura do Estado, a modo como o Estado funciona, como "representa, defende e garante".

"Aqui, pelo que a Procuradoria-Geral da República divulgou, estarão em causa atos pessoais no exercício de funções públicas, ou não, isso agora cabe à justiça tratar, mas eu penso que nos sentimos todos, naturalmente, eu diria, acabrunhados, tristes, é a melhor palavra, por aquilo que está a acontecer em Portugal".

Santana Lopes espera "que se faça justiça, pelas pessoas, por Portugal, pelos portugueses".

"A justiça está a funcionar, temos que nos congratular com isso, mas é evidente, ninguém pode ficar satisfeito com situações como aquelas que estamos a viver", disse.

Reconheceu que, "nenhum Estado é perfeito" - "mas o nosso parece estar a funcionar e a tratar todos os cidadãos por igual, isto é um ganho", acrescentou.

O antigo primeiro-ministro disse também esperar "que se faça justiça" e, em sua opinião, "se alguém pecou, se alguém errou, se alguém cometeu crimes, que pague, se não, também que seja respeitada a sua inocência".

"Agora eu compreendo e é isso que é também é triste, que os portugueses olhem para a política, olhem para todo este espectáculo e depois tomem as pessoas todas pela mesma bitola", declarou.

Mostrou-se ainda preocupado "com o ponto a que o Estado chegou".

"Nós atingimos um Estado de quase insolvência institucional, depois de um Estado praticamente de insolvência económica, e isso, as duas coisas misturadas, deve suscitar muitas preocupações e exige uma regeneração ética, acima de tudo, na sociedade portuguesa, sobre as regras que todos nós temos que seguir no exercício das nossas funções públicas, na comunicação, funções privadas, o que for, autarcas, poder central, porque há aqui qualquer, de facto, coisa que ruiu", afirmou.

O ex-primeiro-ministro José Sócrates foi detido na sexta-feira à noite, quando chegava ao aeroporto de Lisboa proveniente de Paris, no âmbito de um processo de suspeitas de crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção.

Esta é a primeira vez na história da democracia portuguesa que um antigo primeiro-ministro é detido para interrogatório.

Além de Sócrates, foram detidos, na quinta-feira, o empresário Carlos Santos Silva, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e o motorista João Perna, anunciou a Procuradoria-Geral da República ao início da tarde de hoje.

ionline | 22-11-2014

Comentários (5)


Exibir/Esconder comentários
...
Porquê um dia triste?
As instituições estão podres,dominada por uma classe politica medíocre e nada transparente,carregando com impostos os cidadãos e destruindo a economia,ora será que a moralização da vida politica/institucional é um dia triste?Bem pelo contrário,a cidadania agradece que se comece a pôr cobro a toda uma promiscuidade que destrói a sociedade.
Já agora este SR. tem receios do que faz na Santa Casa?
Agora sim está na altura de confiarmos na justiça.
cidadania , 23 Novembro 2014 - 10:22:01 hr.
Ora bolas!
A Justiça devia ter mais calma!
Se a moda pega e começam por aí a investigar a eito ainda ficamos órfãos e sem políticos que nos governem!
Oh tragédia!
E o povo ? que será do povo?
O nobre povo que tanto adora vigaros e os corruptos ficará confuso e desanimado!
Kill Bill , 23 Novembro 2014 - 10:43:31 hr.
...
É até com muita alegria que eu recebo por parte da justiça a limpeza e moralização das instituições,pagar impostos que se traduzem em transferências de rendas para uma elite pacóvia,nova rica e incompetente que tem levado o País à miséria é deplorável.
Este Santana Lopes é uma figura sinistra do sistema,veja-se a sua gestão na Santa Casa
cidadania , 23 Novembro 2014 - 10:48:27 hr.
Triste ?!?!
Triste ?!?!
Ver a justiça a funcionar, é um dia triste ?!?
Muito tem de mudar no pensamento e maneira de estar na actual classe politica. Criaram os habitos pelo qual se criticava as monarquias absolutistas. Julgam-se acima de tudo e todos. E quando são "encostados" pela justiça, refugiam-me no descrédito que isto trás para a nação... para que tenhamos compaixão destes filhos da.... nação.
Feliz , 23 Novembro 2014 - 12:09:34 hr.
...
Um bom comentário de Raquel Varela no seu facebook:

"Um largo número de comentadores e pessoas com exposição pública estão a transformar um alegado caso de corrupção do ex primeiro-ministro de Portugal num debate sobre a justiça. O que diz muito sobre a relação das pessoas com o poder - com o poder que acham que vai estar nas mãos do PS. Mais assustador do que prender um ex primeiro-ministro com a televisão às costas - o que é errado - é ver a relação que as pessoas têm com o poder e de como estão dispostas a usar todo o tipo de argumentos para salvar politicamente um partido, o PS, que está a caminho do poder. Pertenço aos que acham que o PS destruiu este país com medidas legais e que consistem em anos e anos de usar o orçamento público para negócios privados (na Banca, na erosão salarial, nas PPPs, na Parque Escolar...). O mesmo Sócrates que, só para pegar um exemplo, entre literalmente centenas, pelos legalíssimos Orçamentos de Estado, deu de uma só vez 2 mil milhões de euros de benefícios fiscais às grandes empresas, e da outra retirou o abono de família aos que ganhavam mais de...628 euros por mês. Também faço parte dos que pensam que com os partidos que temos, os do Governo e os da pálida oposição, nada vai mudar. Não porque são todos iguais, são todos diferentes aliás, mas porque têm em comum um pacto de regime com uma democracia representativa que deixou de representar a larga maioria da população, que devia ser mobilizada, por estes mesmos partidos, para formas de democracia directa nos locais de trabalho, moradia, nos serviços públicos - a politica ou é a arte de todos se envolverem na vida politica ou é a profissionalização de uma casta de gente sem imaginação. Ainda assim não defendo uma TV em cima de um detido mas neste momento acho muito mais importante não usar isso para ocultar a vergonha infindável que é a gestão dos dinheiros públicos neste país, e acho ainda mais importante lembrar que este taticismo mostra que há muita gente que não quer mudar de política - quer mudar de partido no Governo."

https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=10203336185020448&id=1085430783
Manelito , 23 Novembro 2014 - 15:26:15 hr.

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

Com o termo do ano de 2014, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2014.Para aceder aos conteúdos...


O número de funcionários judiciais diminuiu 9,9 por cento em seis anos, enquanto os magistrados do Ministério Público au...

A partir de 1 de janeiro, os médicos vão recuperar os 20% tirados ao pagamento do trabalho extraordinário. ...

Últimos comentários

Atualidade Sistema Político Pedro Santana Lopes diz ser um dia “triste” para Portugal

© InVerbis | Revista Digital | 2014.

Sítios do Portal Verbo Jurídico