In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

"Urgente atualizar leis" das forças de segurança

  • PDF

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considera "fundamental e urgente haver uma atualização" das "legislações específicas" dos órgãos de polícia criminal (OPC).

A atualização deve impor "de forma clara e transparente as condições e os limites para o tratamento" de dados pessoais na posse dos OPC, "no cumprimento dos princípios constitucionais" - pois "o facto é que os sistemas de informação dos OPC que alimentam essa partilha [entre si] não estão em conformidade com o quadro legal vigente".

Esta posição consta do parecer à proposta do secretário-geral do Sistema de Segurança Interna (SGSSI) sobre a Plataforma para o Intercâmbio de Informação Criminal (PUC), ligando as bases de dados da PJ, PSP, GNR, SEF e "Polícia Marítima/Direção-Geral da Autoridade Marítima" - entidade que não existe, pois PM e DGAM são órgãos distintos.

Clara Guerra, da CNPD, frisou ao DN que essa formulação "não habilita a DGAM a usar a PUC", pois trata-se de uma rede dedicada a informações policiais e limitada aos utilizadores autorizados, como diz o texto, o que garantirá o seu não acesso por quem gere "a Rede de Comunicações [militares] da Marinha" (onde, com as da Segurança Interna e do Ministério da Justiça, assenta a PIIC).

A deliberação (cujo relator é um ex-oficial de Marinha) refere que a interoperabilidade entre os sistemas de informação se limita às partes relativas a processo-crime (PSP, GNR) e módulo de informação criminal (SEF) - restrição que não aplica ao Sistema Integrado de Informação da Autoridade Marítima.

A CNDP também "considera indispensável a aplicação de uma política comum de gestão de utilizadores PUC".

Diário de Notícias | 05-02-2013

Comentários (1)


Exibir/Esconder comentários
É urgente unicamente se essas LEIS foram benéficas e produzam melhorias na nível operacionalidade
-Na óptica dos cidadãos é urgente unicamente se essas LEIS foram benéficas e produzam melhorias na nível de operacionalidade no "combate" e prevenção a criminalidade, porque se trouxerem mais burocracias e entraves nos meios legais de ação contra o crime generalizado, são de carácter URGENTE apenas para quem elas vão servir, é preciso é realçar que as vitimas de crimes são expostas a um sofrimento incomensurável, que é URGENTE reflectir profundamente e agir em consonância, e se necessário legislar, enquadrando essas leis no sentido de minimizar as açoes criminais e zelar pelo interesse das pessoas de bem e pelo bem comum.
Imparcial , 13 Setembro 2013 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal "Urgente atualizar leis" das forças de segurança

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico