In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

Modelo de polícia deve ser repensado

  • PDF

Direção nacional da PSP e Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna debatem modelo de organização das polícias face à situação financeira do país.

Oficiais da PSP consideraram esta quinta-feira que o atual modelo de organização das polícias em Portugal deve ser repensado, tendo em conta a atual situação financeira do país, mas as mudanças não devem prejudicar a Polícia.

A direção nacional da PSP e o Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna (ISCPSI) organizam hoje e na sexta-feira o seminário 'Desafios da segurança em Portugal', na qual académicos do ISCPSI e oficiais da PSP debatem o modelo de organização das polícias.

"O modelo dual (duas polícias) está esgotado face à realidade portuguesa e europeia. É preciso mudar de paradigma", disse no seminário o subintendente Manuel Guedes Valente, diretor do Centro de Investigação e de Professor do ISCPSI.

Por sua vez, o superintendente José de Oliveira, diretor nacional-adjunto da PSP para área dos recursos humanos, falou sobre os custos da segurança em Portugal, avançando que Portugal gasta anualmente um por cento do Produto Interno Bruto (PIB) com as forças e serviços de segurança, enquanto, na França e Espanha, esse custo se situa entre os 0,8 e 0,6 por cento, respetivamente.

"Os problemas dos baixos salários e das faltas de condições na Polícia não estão relacionados com a falta de investimento, mas sim como a forma como Portugal está organizado em termos de segurança pública", salientou.

Nesse sentido, defendeu que é importante "a definição de uma política pública de segurança sistémica que a médio e curto prazo se procure a eficiência e a equidade".

Também o presidente do Sindicato dos Oficiais de Polícia (SOP/PSP), Helder Andrade, considerou que o atual modelo de polícias é "oneroso", considerando necessário estudá-lo e repensá-lo.

Helder Andrade destacou também o estudo que o sindicato entregou recentemente ao ministro da Administração Interna o qual demonstra que a fusão da PSP, GNR e Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) numa polícia nacional civilista resultaria numa redução de despesa da ordem dos 624 milhões de euros, no final do sexto ano de execução.

Também presente no seminário, o secretário-geral do Sistema de Segurança Interna, Antero Luís, considerou que se deve aproveitar o atual momento de crise em Portugal para refletir sobre o modelo de segurança e defesa, sublinhando que o "desafio é imenso".

Antero Luís disse ainda que a articulação entre as Forças Armadas e as forças de segurança "merece uma reflexão", existindo "uma potencialidade grande".

Como exemplo, referiu que os militares têm meios que os polícias podem utilizar.

Correio da Manhã | 14-03-2013

Comentários (13)


Exibir/Esconder comentários
...
"Reflexão", "Repensar" são conceitos que esta gente "de mérito" ... debate. É evidente que quem estivesse em funções públicas saberia há dez anos que o País não tem contribuintes que suportem polícias para isto e para aquilo.
A fusão SEF, PSP, GNR é uma evidência. Não é necessário gente a "reflectir". Foi. Há muito...foi tempo.
Se quiserem discutir capoeiras e pintos é uma coisa, se quiserem discutir como obter boa carne e ovos é outra.
Kasuza , 14 Março 2013
...
A coisa até teria pernas para andar e quem conhece bem a realidade destas forças de segurança não comprenderá nunca a racionalidade da duplicação de estruturas para o mesmo fim. O problema são os generais...
Valmoster , 15 Março 2013
Os civilistas são sempre mais fácilmente recrutados pelas maçonarias...
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif
Só não percebo porque não pode ser tudo militarizado, como já esteve.Pá funcionou bem durante 40 anos...
Lusitânea , 15 Março 2013
...
Não será fácil.
A GNR é o gueto dos oficiais generais impostos pelo exército e a PSP após a criação da sua escola superior de policia em 1982, reduziu drasticamente a capacidade de chefia e segurança das populações. Daí, nem uns nem outros estarem em posição de sentido perante qualquer intrusão do exterior. Um dia destes teremos nestas forças de segurança mais oficiais que praças - tal e qual como nas forças armadas, onde já não há praças-
Enfim - a guerra dos galões
O INDIGITADO , 15 Março 2013
Mais sapateiradas...
Quem te manda a ti, sapateiro, tocar rabecão?!!!!!
Luis , 15 Março 2013 | url
Até parece que são os polícias e os militares que se auto-promovem...
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif
Mas onde tem andado o governo?Não existe ministro?Este não faz leis?Não tem que assinar nada?Não tem Órgãos inspectivos e de justiça?Ou temos geração espontânea de "chefes"?
Vão dar banho ao cão em vez de se andarem a armar-se em governantes do zé povinho quando afinal o objectivo tem sido só um:governar-se...
Lusitânea , 15 Março 2013
...
Esta promiscuidade entre estruturas sindicais e direcções institucionais causa-me calafrios. Mas a culpa é de quem considerou que os "miudos" estavm em condições de dirigir uma Instituição/Corporação como a PSP. Oiçam os agentes ou então a IGAI que faça umas visitas às instalações espalhadas pelo território e ficar-se-á a conhecer o estado (lamentavel) desta policia. Claro que não estará sozinha nesta tristreza.
Luis , 15 Março 2013 | url
Soldaditos
E que tal oferecer á generalada um kit de soldadinhos de chumbo?
As más linguas dizem por aí que há quase um general para cada soldado!
Parecem as obras municipais... um tipo com o martelinho e quatro a darem-lhe instruções!
Baron Hubert Von Trak , 15 Março 2013
Contem os generais políticos e o resultado das suas guerras...
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif

Falência, falência e mais falências.E africanização.Muita africanização.Depois daquela descolonização virtuosa...
E assentam praça logo em general, acumulam reformas com o vencimento e sem eles coitados os Portugueses não conseguiriam respirar...
Os Portugueses têm é que aceitar ser pobrezinhos e misturar-se com a ralé do mundo e aplaudir a massa de criminosos que os desgovernam e se governam de acordo com as instruções do seu empreiteiro ou banqueiro...
Não prendam esses g**os não que ainda serão vendidos como escravos para África...
Lusitânea , 16 Março 2013
Ralés
ralé do mundo


Olha olha!
O exmº Lusitânea* fala finalmente acerca de si próprio!

*Deve referir-se ao navio Inglês pertencente á mesma companhia do seu gémeo Mauritânea)
monhê , 16 Março 2013
Monhés
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif
Por acaso é curioso que tendo a Índia Portuguesa sido conquistada em 1961 com o auxílio de muitos dos que agora querem ser Portugueses ainda tenhamos tantos a governar cá dentro.E bem.Como na Lei da Nacionalidade que se destina a salvar todo o planeta, mas por nossa conta...
Essa rapaziada foi pela entrega de tudo o que tinha preto e não era nosso e com direito ao confisco, mas agora são pela nossa colonização e com direito a subsídio da segurança social.Deixem-nos andar...
Lusitânea , 17 Março 2013
Conselho á/ao Lusitânea
Meu caro/a:
Procurei uma clinica que o pode ajudar. Esta funciona em Lx e Faro.

"Pode contactar-nos telefonicamente através do Número para Marcações e/ou Pedidos de Informação: 96----"

Se for muito distante não se envergonhe que eu posso aconselhar-lhe outras.
Sempre ao seu dispôr.
Kill Bill
Kill Bill , 17 Março 2013
...
Há muito que em Portugal os serviços e as forças de segurança, bem como os militares, deveriam de ter sido repensados pois não tem lógica existirem em neste pequeno país vinte e sete órgãos de polícia criminal!! Nem setento e cinco almirantes para dois navios!! E depois há esquadras da PSP a cair aos bocados e etc!!
Está mais que visto, e não é necessário PENSAR muito, que em Portugal só faz sentido uma Polícia Nacional, fundindo a PSP/SEF/PJ, uma Guarda Nacional (GNR), um SIS, e uma estrutura militar adequada à nossa dimensão como país que nos permita cumprir as nossas responsabilidades no âmbiro da NATO, e pouco mais!!
O nosso problema é que vivemos em função de corporativismos e não em nome da res publica!! Há que compreender de uma vez por todas que há uma classe dirigente em execesso nos actuais serviços e forças de segurança, e nos militares, que não se justifica pois o que interessa é possuir uma polícia com uma boa estrutura operacional com pessoas bem formadas e competentes no assumir das suas funções e dessa forma servir com qualidade a população!!!!
Pedro Moura , 04 Abril 2013 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal Modelo de polícia deve ser repensado

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico