In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

MJ quer "disciplinar" escutas telefónicas

  • PDF

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, disse hoje que está em discussão um projeto para "disciplinar" as escutas telefónicas, considerando que não é "muito saudável" que elas possam ser feitas por 19 órgãos de polícia criminal.

"Não me parece muito saudável que vivamos numa sociedade em que hoje, objetivamente, há uma multiplicidade de órgãos de polícia criminal e todos possam fazer escutas", afirmou.

Paula Teixeira da Cruz, que falava à margem de um seminário sobre Justiça Administrativa na Universidade do Minho, em Braga, sublinhou que o projeto "ainda nem sequer entrou em processo legislativo", pelo que ainda não estão definidas as entidades que ficarão com competência para a realização de escutas.

"É justamente isso que este projeto visa: discutir. É um projeto para discussão, não há soluções fechadas", garantiu.

Em comunicado hoje enviado à Lusa, o Ministério da Justiça afirma que "tem intenção de dar conteúdo ao disposto no artigo 27.º da Lei de Segurança Interna que determina que a execução do controlo das comunicações mediante autorização judicial é da exclusiva competência da Polícia Judiciária (PJ)".

O comunicado acrescenta que, "de acordo com a lei vigente, é permitida a utilização de interceção das comunicações telefónicas, ou por outro meio eletrónico, relativamente a crimes que não são da competência reservada da PJ, o que determinou uma incongruência no sistema ao colocar a PJ apenas como garante da regularidade formal das operações dessas interceções, vulgarmente designadas como escutas telefónicas".

"Impõe-se, portanto, uma alteração que torne efetiva a exigência legal de controlo da execução das comunicações telefónicas pela entidade a quem está legalmente cometida, a Polícia Judiciária, e que não se deve bastar com o controlo da sua regularidade formal", refere ainda o documento.

O ministério considera também que "a atribuição à PJ desta competência é uma decorrência natural da exigência da Lei de Segurança Interna e o corolário das especificidades da PJ enquanto corpo superior de polícia científica".

Diz ainda que o objetivo é reforçar "a matriz original" da PJ, "enquanto corpo superior de polícia científica e criminal que, por excelência, deve ser o órgão que coadjuva os tribunais e o Ministério Público no âmbito da investigação criminal".

Para o Ministério, esta solução permitirá, ainda, que as forças de segurança a quem estão igualmente atribuídas algumas competências de polícia criminal "recentrem a sua atividade no núcleo essencial das funções que estatutariamente lhes estão confiadas, em especial as de policiamento de proximidade que acarretam".

Lusa/DN | 06-07-2013

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
Como a malta do colarinho branco gosta de "disciplinar" as escutas...
Digo , 06 Julho 2013
...
Boa Noite!

Ao longo dos anos tenho assistido ao culto de advogados, Magistrados, Ministros e imprensa, à divindade PJ. Uma polícia que soube cultivar e mereceu muita da boa nota com que é olhada pelos referidos, mas que já não é a realidade actual.
Quererá a Senhora Ministra conceder à PJ a exclusividade da prevenção e investigação de todos os crimes? Ou quererá que a PJ passe a inspecionar os outros OPC? Hoje já o faz, quando são determinadas as escutas, pois cabe-lhe receber a determinação judicial para mandar colocar sob intercepção o equipamento tal, em nome de fulano, para além de ter natural acesso ao servidor.
Depois, a verdade é que só triplicando os recursos humanos, seria possível atingir o grande desiderato da PJ: serem os donos de toda a prevenção e investigação criminal. E isso não é possível.
Ademais, o principio de uma policia autoritária e com poder total, já tem uma página negra na nossa história, convém não repetir o erro.
Respeitosamente
Orlando Teixeira , 06 Julho 2013 | url
...
A Policia Judiciária ganha na secretaria o jogo que não vence no terreno!
josé , 06 Julho 2013 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal MJ quer "disciplinar" escutas telefónicas

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico