In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

Economia paralela representa 26% do PIB

  • PDF

O Índice da Economia Paralela, que será apresentado esta manhã na Faculdade de Economia do Porto, revela que o valor da economia paralela fica acima dos 26% do Produto Interno Bruto, segundo a TSF.

As operações que escapam à rede da fiscalização das Finanças já representam mais de 26% do PIB, segundo o Índice da Economia Paralela que vai ser apresentado hoje no Porto.

"De 2011 para 2012, houve um aumento de cerca de um ponto percentual, que representa cerca de mil milhões de euros. De acordo os nossos cálculos, o valor da economia não registada no PIB oficial, neste momento, ultrapassa os 26% do PIB. São mais de 44 mil milhões de euros", especifica Óscar Afonso, um dos autores do estudo.

O especialista explica, em declarações a TSF, que este incremento "é motivado sobretudo pelo aumento da carga fiscal e do desemprego. Se não tivéssemos tido em 2012 economia não registada ou economia paralela e sobre esse valor tivessem sido cobrados impostos, a uma taxa média normal, provavelmente o nosso défice era insignificante".

Por outro lado, Óscar Afonso admite que o Governo tem tomado algumas boas decisões para combater o problema das operações não declaradas, mas alerta que ainda há muito para ser feito.

Notícias ao Minuto | 25-09-2013

Comentários (6)


Exibir/Esconder comentários
...
Quem pode censurar a prostituta por tentar esconder algumas notitas ao proxeneta, sobretudo quando ele não a "larga da mão" um segundo e dá mostras de a querer "sugar até ao tutano"?>smilies/sad.gif
V , 26 Setembro 2013
...
Parabéns à Faculdade de Economia do Porto e parabéns aos autores do estudo. Conseguem determinar, com a precisão da unidade percentual, a quantidade de economia paralela. Vocês podem achar estranho que não se consiga apanhar os infractores, que ninguém sabe quem são, mas se consiga determinar com rigor catedrático o quanto fogem ao fisco.

Não vou explicar o segredo destas coisas. É uma coisa que só os iniciados na Grande Loja da Estatística sabem.
Vou dar-vos dados intrigantíssimos, mas não me peçam para explicar como é que nós, estatísticos, sabemos isto. Isso é um segredo nosso e nós mantemos o nosso corporativismo mesmo que nos apontem uma pistola aos ditos cujos.

Por exemplo:
sabiam que a PSP só consegue apanhar 13% dos carteiristas que operam no elétrico 28? Não sabiam, claro. E outro dado de que vocês nunca ouviram falar: 0,4% dos passageiros do metro de Lisboa não usam cuecas, sendo que, desses, 32,5% ocupam a carruagem de trás. Mais: 27% dos ladrões de supermercado que não são apanhados têm por hábito consultar o mail 3,7 vezes por semana. E 58% das homens que conduzem em excesso de velocidade têm um órgão sexual em média 3,4 cm inferior à média. No caso das mulheres que passam sinais vermelhos, 15,7% já comprou "brinquedos para adultas" na internet.

Neste momento ouço o António Variações na M80 cantar "Quando a cabeça não tem juízo o corpo é que paga". Isto está estatisticamente errado. Isso só acontece em 99,61% dos casos. Não perdoo esta imprecisão ao António Variações.

De volta ao estudo da Faculdade de Economia do Porto: sim, é possível saber quantos são os milhões que não são declarados ao fisco, da mesma maneira que a Judiciária consegue saber quantas toneladas de haxixe que não conseguem apanhar passam por Portugal. Um estatístico até consegue saber quantas notas de 20 euros estão dentro de uma carteira que nunca abriu. Agora como é que nós fazemos isto, isso jamais direi. Jamé.

smilies/grin.gif smilies/grin.gif smilies/grin.gif
Especialista em estatística , 27 Setembro 2013
...
Seguramente será mentira. O valor é muito maior.
Sun Tzu , 27 Setembro 2013
E irá aumentar
É bom que aqueles que se aposentam comecem a pensar nas aldeias das sua origens, nas batatas, nas couves, nas galinhas, etc. etc.
De contrário sujeitar-se â sopa dos pobres (se a houver), a ter que catar nos caixotes do lixo, mendigar, etc., etc.
Picaroto , 28 Setembro 2013
Errata
Onde no meu post está

sim, é possível saber quantos são os milhões que não são declarados ao fisco, da mesma maneira que a Judiciária consegue saber quantas toneladas de haxixe que não conseguem apanhar passam por Portugal

deveria estar

sim, é possível saber quantos são os milhões que não são declarados ao fisco, da mesma maneira que a Judiciária consegue saber quantas toneladas de haxixe que não consegue apanhar passam por Portugal

Há atrasado o falecido 24 Horas escrevia em parangonas na front page:

"Judiciária só consegue apanhar 20% dos traficantes de droga"

Escrevi imediatamente ao 24 Horas insultando toda, mas toda aquela escumalha. O número estava errado. A verdade dos números é esta: a Judiciária consegue apanhar 22% de todos os traficantes de droga. Sei isso porque tenho uma base de dados de todos os traficantes de droga que existem em Portugal. O 24 Horas também tinha. Só que estava desactualizada! Inadmissível, num jornal como o 24 Horas.

Os investigadores da U. Porto também têm uma base de dados com todas as transacções efectuadas em Portugal. A base de dados é tão grande que ocupa um servidor construído para o efeito debaixo do relvado do Estádio do Dragon! E tem dois pisos, c****o! (O último asterisco é um "g", não é um "h"). É com base nessa base de dados que eles estabelecem a base em que baseiam (isto está a ficar engraçado smilies/cheesy.gif ) as conclusões a que chegam. Ou julgavam que era como? Com métodos indiciários? Nem pensem. Já experimentaram isso e nem de perto nem de longe obtinham a precisão que conseguem com o servidor que regista todas, mas TODAS as transacções efectuadas em Portugal.
É um servidor tão bom, com tecnologia tão avançada, que eles podem saber, em tempo real, quantos explicadores de geometria descritiva deram explicações na última segunda-feira na freguesia do Campo Grande em Lisboa, e não passaram recibo, fugindo ao fisco. Querem saber? Foram 4: 2 professores da disciplina em escolas públicas, 1 de um colégio particular, e 1 que nunca leccionou geometria descritiva nem percebe nada daquilo mas dá explicações à mesma), e a fuga ao fisco representa uma perda de 8,36 euros para os cofres do Estado. Neste momento estamos em conversações com a NSA para lhes mandarmos alguns técnicos para os Estates para eles aprenderem connosco.

smilies/grin.gif smilies/grin.gif smilies/grin.gif

Sun Tzu, não diga que seguramente que é muito maior. É o valor indicado e não se discute. Nós, estatísticos, até conseguimos saber quanto gatos estão dentro de um armário que nunca abrimos, mesmo sem ser preciso os gatos miarem. Isto não é bruxaria. É estatística, caro Desembargador.
Especialista em estatística , 28 Setembro 2013
...
Acrescento: isto faz-me lembrar um Colega que, na altura em que as taxas de juro mudavam «overnight», na determinação dos juros acabava sempre com ´«vírgula qualquer coisa» (manhas do seu tempode advogado, dizia!). Porquê? Explicava com ar cândido: assim as partes, que também não sabiam o porquê, não sabiam também como mostrar que estavam mal determiandos... e o mesmo com os Tribunais superiores!
Sun Tzu , 29 Setembro 2013

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Direito e Sociedade Economia paralela representa 26% do PIB

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico