In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2013

Bastonária e sócio são acusados de defenderem partes contrárias

  • PDF

A recém-eleita bastonária dos advogados, Elina Fraga, e o seu sócio de escritório são acusados por uma cliente de defenderem partes contrárias num processo relacionado com uma herança.

A queixosa fala em conflito de interesses e imputa a Elina Fraga falta de independência, violação do segredo profissional, total omissão na defesa dos seus interesses e uma total falta de prestação de informações, tendo pedido à Ordem dos Advogados que aplique uma pena de suspensão não inferior a cinco anos aos dois causídicos.

Contactada pelo PÚBLICO, Elina Fraga preferiu não prestar declarações sobre o caso, lembrando apenas que o processo ainda está numa fase inicial, não havendo sequer uma acusação contra si. "Não presto declarações sobre processos disciplinares", afirmou a advogada, que toma posse como bastonária a 10 de Janeiro.

A participação, datada de 30 de Julho do ano passado, começa por descrever detalhadamente as dificuldades da economista Cândida Loureiro em contactar Elina Fraga, que havia contratado em Novembro de 2010 para a representar num litígio contra dois dos seus irmãos por causa da herança dos pais.

A economista conta que em Março do ano seguinte a irmã mais velha, cabeça-de-casal da herança, a impediu de passar um fim-de-semana com mais duas das suas irmãs na casa dos pais, em Mirandela, onde Elina Fraga tem escritório, o que a fez marcar uma reunião de urgência com a advogada. Nessa altura, a vice-presidente da Ordem dos Advogados pediu à cliente uma provisão de 975 euros, 500 dos quais para intentar uma providência cautelar destinada a evitar que a situação se repetisse. Desde então, relata, seguiram-se inúmeras tentativas de contacto e emails sem resposta.

Em Junho a economista, que reside em Lisboa, voltou a Mirandela e conseguiu marcar uma reunião com a advogada, tendo ficado a saber, com três meses de atraso, que afinal Elina Fraga decidira não avançar com a providência cautelar.

A economista diz ter mostrado nessa data a Elina Fraga a cópia da relação de bens apresentada pela irmã mais velha, que lhe fora disponibilizada por outra herdeira, e informado a sua defensora das omissões e inexactidões que havia identificado. Uns dias mais tarde enviou à advogada um email com uma relação adicional de bens para apresentar no tribunal. "E continuei, meses a fio, a tentar falar com a dra. Elina Fraga, para saber notícias do meu processo", lê-se na participação a que o PÚBLICO teve acesso.

Em Outubro, Cândida Loureiro é notificada do arquivamento de uma queixa-crime que fizera contra os dois irmãos. Entre outras razões, porque os bens que acusava os irmãos de terem retirado de uma propriedade sua não constavam do inventário que tinha sido entregue em tribunal e, dizia o procurador, o mesmo não havia sido alvo de qualquer reclamação. A cliente conta que continuou a tentar contactar a advogada sem sucesso, até ao dia que uma das suas irmãs lhe telefonou a dizer que tinha recebido um aviso para comparecer na conferência de interessados a 16 de Novembro de 2011, em Mirandela.

Sem saber se se devia ou não deslocar a Mirandela, a economista voltou a insistir nos contactos com Elina Fraga, tendo apenas conseguido que uma amiga sua advogada que se ia encontrar com a vice-presidente da Ordem num congresso lhe trouxesse um recado a dizer para não fazer a viagem, porque não iria haver conferência de interessados.

Uma das irmãs ligou-lhe mais tarde a dizer-lhe que a diligência não se tinha realizado porque Elina Fraga só nesse próprio dia havia entregue a reclamação da relação de bens que lhe enviara Cândida Loureiro quatro meses e meio antes. O juiz não gostou do atraso nem da justificação apresentada pela advogada, de que tudo se devia a um erro informático da sua responsabilidade, e condenou a parte a pagar uma multa de mais de 200 euros.

"Assim como não me tinha informado que havia sido marcada a conferência dos interessados, a dra. Elina Fraga também nunca me informou, nem antes nem depois da data marcada para a conferência, de que não tinha apresentado no processo a relação adicional de bens, que eu lhe havia enviado por email a 29 de Junho de 2011", escreve Cândida Loureiro. "Ou seja, foi reiteradamente omissa na defesa dos meus interesses e na prestação da informação que me era devida", queixase. Mas só o ano passado Cândida Loureiro teve conhecimento de todos os dados: "Qual não é a minha surpresa e indignação quando tomei conhecimento, através das minhas irmãs, que o sócio da minha advogada, utilizando a mesma sala, o mesmo telefone, a mesma telefonista, a mesma tabuleta colocada à porta da sala do escritório e a mesma tabuleta colocada no exterior do edifício onde a sociedade tem sede é, afinal, o advogado da cabeça-de-casal". Ou seja, da sua irmã mais velha, com quem disputava a herança.

A queixosa diz que só então se "fez luz" no seu espírito e compreendeu a conduta da sua advogada, tendo de imediato revogado a procuração que tinha conferido a Elina Fraga e solicitado igualmente que o sócio da advogada também fosse afastado da defesa da familiar, o que nunca veio a acontecer.

Ao PÚBLICO, Cândida Loureiro garante ter sido "imensamente prejudicada" neste processo, que entretanto já terminou. "Tinha-lhe confidenciado os bens que queria e os valores que estava disposta a pagar para ficar com eles", realça a queixosa, sublinhando que acredita que as informações chegaram à sua irmã mais velha. A economista, que chegou a trabalhar com processos disciplinares na Inspecção-Geral de Educação, assegura que só conheceu Elina Fraga quando a contratou, porque o seu sócio era um advogado conhecido em Mirandela, e quando se dirigiu ao escritório de ambos a defensora lhe disse que um ou outro era a mesma coisa. Assegura que até hoje Elina Fraga não lhe devolveu os 975 euros que lhe pagou, nem nunca lhe apresentou contas.

A queixa levou à abertura de um processo disciplinar na Ordem dos Advogados, sabendo a reclamante que o mesmo se encontra em fase de instrução, tendo já sido ouvidas todas as testemunhas apresentadas por si. Aos advogados está vedada a possibilidade de representarem dois ou mais clientes quando existir conflito entre os seus interesses, impedimento que, no caso das sociedades, abrange quer o escritório quer cada um dos seus membros.

Condenação anterior

Elina Fraga já havia sido condenada pela Ordem dos Advogados em dois outros processos, o que a podia ter impedido de se tornar bastonária. Mas numa providência cautelar que interpôs para suspender a censura disciplinar que lhe foi aplicada pelos seus colegas de profissão o Tribunal de Mirandela deu-lhe razão. A acção principal pode, porém, vir a ter outro desfecho. Um destes casos tem contornos similares ao da herança da economista que se relata no texto ao lado: uma cliente queixou-se de que, em 2007, lhe pagou mil euros para esta lhe tratar de uma questão relacionada com uma propriedade, em Mirandela, nunca tendo a advogada, que acabou por devolver o dinheiro, dado andamento ao processo.

Mariana Oliveira | Público | 30-12-2013

Comentários (7)


Exibir/Esconder comentários
...
Com advogados destes, qualquer cidadão tem o direito (deles) garantido
Serôdio , 30 Dezembro 2013 | url
...
Portugal entregue à bicharada! Enquanto os processos em que está envolvida não estivessem concluídos ficando livre de toda a suspeita, nem a administradora do seu condomínio se devia candidatar, quanto mais a bastonária da Ordem dos Advogados.
Maria do Ó , 30 Dezembro 2013
...
A OA é que vai decidir a coisa?
Sun Tzu , 30 Dezembro 2013
...
O principal problema com os advogados é que a lei obriga ao seu recurso.
Valmoster , 30 Dezembro 2013
...
E o que pensam os colegas desta bastonária sobre esta conduta da mesma?
Ou já não ficam indignados por terem como máximo representante da classe tal gente?
Bem, vai-se fazendo escola. Votaram no MP e agora votam na actual, penso que é sintomático do que se pode esperar da maioria.
Luis , 30 Dezembro 2013 | url
...
Oh Sun Tzu, então não foi a OA que já a condenou em 2 processos?
Onde está o fundamento para a dúvida subjacente à sua pergunta ?
Se calhar devia ser o C. S. M, pois dessa forma "safava-se" de certeza!

Conhecendo-a pessoalmente, não votei nessa senhora Advogada para minha Bastonária, mas respeito a vontade da maioria que a elegeu.

Esperava-se que outras profissões jurídicas, que não têm nem devem ter voto nesta escolha, tivessem o mesmo respeito pelas decisões dos Advogados quanto aos seus órgão representativos.

Eu esperava, mas o erro deve estar no meu optimismo inveterado !
Preocupado , 31 Dezembro 2013
Eles é que fazem as leis
Se não fossem os advogados deputados a legislar em causa própria não seriam os cidadãos obrigados a constituir advogados na maioria dos processos. Obrigar a constituir adogado apenas serve para proteger a classe dos advogados embora para o justificar dizem que é para proteger o cidadão! actualmente já há muitos cidadãos que conseguem resolver os seus assuntos em tribunal sem recorrer a advogado, mas a lei obriga a os advogados assinem os papeis e bem caro para lhes pagar.
Adireito , 31 Dezembro 2013 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A crise trouxe dúvidas novas sobre a situação do país e a actuação dos políticos. As televisões portuguesas responderam ...

Com o termo do ano de 2013, cessaram as publicações de conteúdos nesta Revista Digital de 2013.Para aceder aos conteúdos...


Isabel Moreira - Ouvindo e lendo as epifanias sobre o Tribunal Constitucional (TC) que descobriram ali um órgão de sober...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Profissionais Liberais: Advogados Bastonária e sócio são acusados de defenderem partes contrárias

© InVerbis | 2013 | ISSN 2182-3138.

Arquivos

Sítios do Portal Verbo Jurídico