In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

STA considera ilegais notas de liquidação do IMI

  • PDF

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo pode fazer caso julgado e abrir caminho a que proprietários de prédios não reavaliados possam pedir a impugnação da liquidação e devolução do imposto já pago. Em causa estão imóveis que ainda não haviam sido reavaliados à luz do novo código do IMI.

A forma como está a decorrer a cobrança do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) é ilegal, uma vez que as notas de cobrança enviadas aos contribuintes não demonstram como se chega ao valor a pagar. Esta é a principal conclusão de um acórdão do Supremo Tribunal Administrativo, emitido no passado dia 19, e que pode abrir caminho a que os contribuintes possam vir a solicitar ao Fisco a revisão da liquidação do IMI referente aos últimos três anos e, sendo caso disso, a devolução das quantias pagas.

A questão chegou ao STA pela mão de Pedro Marinho Falcão, um advogado do Porto, que defendia que as notas de cobrança de IMI enviadas aos contribuintes para estes procederem ao pagamento não incluíam elementos essenciais, relativos, nomeadamente, à forma como, no caso de imóveis ainda não reavaliados à luz das novas regras do IMI, era estabelecido o respectivo valor patrimonial tributário (VPT), sobre o qual incidia depois o imposto a pagar.

O STA vem agora afirmar que "os actos tributários estão sujeitos a fundamentação" e que neste caso concreto "a fundamentação do acto de fixação do VPT, quer resulte de avaliação quer resulte de actualização, deve ser comunicada ao sujeito passivo do IMI a liquidar com base nessa matéria colectável". Ora, não o tendo sido e de "a liquidação do IMI não der a conhecer a forma como foi determinado o VPT, aquela liquidação não pode ter-se por suficientemente fundamentada".

O recurso para o STA fora interposto pelo Estado, depois de, em Maio, a primeira instância já ter dado razão ao contribuinte, o qual decidiu levar o caso até às últimas consequências.

Acórdão pode fazer caso julgado

Este acórdão surge depois de um contribuinte ter recorrido judicialmente sobre a nota de licitação e o advogado que patrocinou a causa sustenta que "a decisão pode fazer jurisprudência, permitindo aos contribuintes solicitar à Administração Fiscal a revisão do ato tributário dos últimos três anos e, consequentemente, exigir a devolução do dinheiro".

O Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto considerou que a Autoridade Tributária Aduaneira cometeu um erro formal nas notas de cobrança do IMI, impedindo a Administração Fiscal de proceder, legalmente, à cobrança. O Supremo Tribunal Administrativo confirmou, por unanimidade, a decisão.

"A informação que é dada ao contribuinte não é suficiente, o que configura um desrespeito pela lei, uma ilegalidade que, a ser suscitada no tribunal, leva a anulação das liquidações do IMI", explica Pedro Marinho Falcão, acrescentado: "O contribuinte tem o direito de saber de que forma o Estado fixou o valor fiscal sobre o qual o IMI é pago".

"Esta decisão vale para este caso, mas certamente irá criar jurisprudência, até porque foi tomada por unanimidade", refere o advogado da sociedade Nuno Cerejeira Namora & Pedro Marinho Falcão, Associados.

Filomena Lança | Negócios | 26-09-2012


Nota:
O Acórdão pode ser consultado nesta ligação.

Comentários (15)


Exibir/Esconder comentários
... , Comentário com excessivos votos negativos [Mostrar]
...
onde é que posso ler o acórdão?
Li e não acredito: "Professores do superior serão a excepção e podem ter aumentos", manchete do "Público".
estamos mais pobres , 27 Setembro 2012
...
E parece que o Estado, através da DGAJ, se prepara para para exigir aos magistradosd os últimos cursos do CEJ, em efectividade de funções a devolução dos valores recebidos de acordo com o indíce 135 (e regresso ao indíce 100), supostamente a coberto de Parecer da Procuradoria (cujo conteúdo ainda se desconhece)...
Mais um golpe na dignidade da profissão...
juiz , 27 Setembro 2012
...
Quando se tem a cevada a picar na barriga por a "teta do peço justiça" não ter sido "cortada"´, é fácil dizer que aqueles a quem o salário foi ilegalmente cortado - mas a quem se exige cada vez mais (na parte que me toca, podem esperar sentados) - decide deste modo por "tacanhice"....

É preciso ser-se muito tacanho...
Zeka Bumba , 27 Setembro 2012
...
Caro Zeka Zumba

Sem esquecer as tetas "PPP", "230 deputados", "ajustes directos com grandes sociedades de advogados"...
Justice for All , 27 Setembro 2012
Caso julgado?
Mas o que será 'fazer caso julgado' para esta caramela?
E se os jornalistas se preparassem, para falar de direito?
Como há-de o leitor compreender o noticiado?
B.P. , 27 Setembro 2012 | url
...
O Zeka tem problemas sérios de foro psicológico. Ou então acha que os advogados oficiosos são a causa da crise...esquece-se sempre das sociedades de advogados pois provavelmente não é Juiz. Não aparenta escrita minimamente compatível com esse grau...mas sim um advogado de uma sociedade de advogados. Diga lá em em qual é que trabalha? Morais e leitão? Sérvulo e Associados? PLMJ?
Defensor oficioso , 27 Setembro 2012
...
Caro Justice for all, esses também.
Zeka Bumba , 27 Setembro 2012
...
Esta de por se criticar o sumidouro de dinheiro - em muitos casos mal gasto - que é o apoio judiciário passar a ser-se um advogado das associações criminosas, ops, sociedades do ajuste direto é um pagode!

Porém, TUDO o que é sumidoiro do dinheiro dos meus impostos, seja muito seja pouco (ppps, ajustes diretos, tachos dos políticos e amiguinhos, fundações, apoio judiciário e rsi indevidamente atribuidos, etc) É PARA ACABAR DE VEZ. Já o disse muitas vezes: TÃO MAUS SÃO OS POUCOS QUE ROUBAM MUITO COMO OS MUITOS QUE ROUBAM POUCO. Em ambos os casos, há falta de escrúpulos (e xuxam dos meus impostos) e os últimos só roubam pouco porque não têm como roubar muito.

Quanto aos problemas do foro psicológico/cognitivo/educacional e afins, só o pode ter alguém que - ainda por segundos - ache que eu sou advogado (ainda por cima de uma qualquer sociedade de nababos).
Zeka Bumba , 27 Setembro 2012
...
Ao Zeca Bumba (ou Zumba na Caneca, tendo em conta o seu estilo popularucho/carunchoso) deve ser concedido o direito de ser juiz honoris causa da inverbis. É um título honorífico perfeitamente justo para quem tanto gostaria de ser magistrado.

Solicito voto positivo para quem apoiar esta ideia.
Bomba , 28 Setembro 2012
...
Mais que apoiado Bomba...De referir que é um título extremamente gratificante pois o Zeka tem um nível de escrita muito baixo para quem diz ser Juiz. É erros atrás de erros e estilo popularucho/taberneiro.
António , 28 Setembro 2012
...
Olá a todos e respondendo. Acho que o Dr. Zeka Bumba trabalha na Rui Pena e Arnault...
Francisca , 28 Setembro 2012
Zeca Bumba a PGR
Zeca Bumba a PGR!
Movimento Zeca Bumba a PGR , 28 Setembro 2012
...
Sejamos justos com os chamdos advogados oficiosos: nem todos pedem Justiça. Há uns que nada pedem e, outros, poucos, que se batem muito bem. Estes e aqueles são a excepção...
Jesse James , 28 Setembro 2012
...
Vejo aqui umas referências a Zeka Bumba nuns "posts" (creio que não me enganei na consoante inicial nem me esquci de nenhuma vogal entre o t e o s...).

Porém, não posso responder porque o resto das palavras não está escrito em nenhum dos idiomas que eu ainda vou precebendo para além do português (inglês, francÊs, alemão, espanhol, italiano e um "bocadito" de holandês - que é qq coisita entre o english e o deutsch, mas mais para o lado do último).


Não sei se se trata de vocábulos em russo, chinês, japonês ou de simples grunhidos.

A todos, as minhas sinceras desculpas...smilies/cool.gif
Zeka Bumba , 28 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Tribunais STA considera ilegais notas de liquidação do IMI

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico