In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Metade da duração dos processos gasta com notificações

  • PDF

Em Portugal, metade da duração média de uma acção judicial civil é gasta a tentar notificar a parte contrária no processo. A conclusão é de um estudo apresentado nesta terça-feira sobre A Justiça Económica em Portugal, que resulta de uma parceria entre a Fundação Francisco Manuel dos Santos e a Associação Comercial de Lisboa.

"A citação parece ser um ponto nevrálgico do processo civil, correspondendo a metade da duração média de um processo", lê-se nas conclusões do trabalho.

Os autores do estudo consideram que o "modelo processual português encontra-se obsoleto, desajustado das práticas de trabalho das empresas e dos cidadãos, sendo gerador de morosidade e complexidade desnecessárias". Por isso, propõem a revogação do Código de Processo Civil (CPC) e a adopção de um novo modelo processual.

"As experiências anteriores de reforma do Código de Processo Civil, originário de 1939, sugerem claramente que futuras reformas que sejam meramente parcelares, mais ou menos profundas, mas mantendo o mesmo modelo e regime jurídico, serão insusceptíveis de produzirem os resultados desejados", sublinham, sem fazer qualquer comentário sobre a proposta de revisão do CPC já aprovada pelo Governo e que será discutida na Assembleia da República.

O estudo teve como objectivos principais fazer um diagnóstico do funcionamento da justiça económica em Portugal e elaborar um conjunto de propostas concretas para a melhorar o funcionamento do sistema judicial. Uma delas é o reforço da oralidade do processo.

"O diálogo cara-a-cara entre as partes, os seus advogados e o juiz, devem ser estimulados em desfavor dos momentos escritos, que introduzem morosidade, complexidade e distância entre os cidadãos e a justiça", afirma-se.

A simplificação da tramitação processual, sem fases estanques ou regras processuais rígidas, acompanhada pelo reforço dos poderes de gestão do juiz, é outra das propostas.

Mariana Oliveira | Público | 18-12-2012

Comentários (9)


Exibir/Esconder comentários
...
«Em Portugal, metade da duração média de uma acção judicial civil é gasta a tentar notificar a parte contrária no processo» Não é verdade. É uma falácia...

«"O diálogo cara-a-cara entre as partes, os seus advogados e o juiz, devem ser estimulados em desfavor dos momentos escritos, que introduzem morosidade, complexidade e distância entre os cidadãos e a justiça", afirma-se.» Nada como muitas orações, cheias de lábia e de graça, em boa cantilena quando necessário para fazer dormir o juiz, e assim conseguir passar a "boa" aldrabice... "Momentos escritos".... as "coisas" que lhe chamam senhores!

Ainda não o li o estudo, que é prolixo, mas espero que de prolixo não passe para-o-lixo.

Só faltava mesmo a capa dizer (outra vez): Morra Alberto dos Reis!

É o que me apraz dizer, de momento, sobre o estudo sob-judice...

JV , 18 Dezembro 2012
...
JV, se ainda não leu o estudo, como pode criticar?
Acaso sabe se os números sobre a duração das notificações/citações se baseiam na efectiva contagem de uma amostra de milhares de processos?
Acaso sabe se a notícia reproduz com exactidão o teor do estudo?
O falecido Joseph Goebbels , 18 Dezembro 2012 | url
...
A reacção epidérmica dos profissionais forenses e dos (seus) poderes instituídos é tão previsível.
O falecido Joseph Goebbels , 18 Dezembro 2012 | url
...
A solução "oral" na base do dialogo seria interessante mas não me parece que seja a resolução do problema. Talvez se a obrigatoridade de actualização do domicilio/residencia/sede fosse realizada por um meio expedito automaticamente comunicado ás diversas bases de dados que por ai pululam a coisa melhorasse. A inclusão de foto para a citação de pessoas singulares seria importante...mas Herr Goebbels se fosse possivel seria interessante publicar por aqui o tal estudo com o beneplácito do administrador
Insanojuridico , 18 Dezembro 2012
...
Como bem diz o comentador JV, que passo a reproduzir:

"«"O diálogo cara-a-cara entre as partes, os seus advogados e o juiz, devem ser estimulados em desfavor dos momentos escritos, que introduzem morosidade, complexidade e distância entre os cidadãos e a justiça", afirma-se.» Nada como muitas orações, cheias de lábia e de graça, em boa cantilena quando necessário para fazer dormir o juiz, e assim conseguir passar a "boa" aldrabice...".

Quanto aos assustadores "momentos escritos", é certo que levam mais tempo do que o "paleio", mas por outro lado, é no escrito que se vê quem tem unhas para tocar a guitarra e onde se assumem posturas processuais que não mais podem ser retiradas nem NEGADAS. Por isso é que eu percebo que um estudo dirigido, entre outros, por uma professora universitária que é ao mesmo tempo advogada tão propugna a diminuição (e porque não o total desaparecimento) desses odiosos "momentos escritos".

Aliás, se dúvidas existissem, basta ouvir a sra prof. dra a falar na TVI 24 (que é aquilo que eu estou a fazer). E a treta de só poder haver recursos com fundamento em violação dos princípios processuais é de almanaque! É ver os advogados a inventarem corolários de um qualquer princípio (como se faz nos recursos de constitucionalidade, em que um espirro do juiz viola os artigos todos da CRP e mais uns quantos princípios implícitos que não estão escritos em lado nenhum) para poderem recorrer até do facto de o juiz não ter sorrido quando lhes respondeu aos bons dias.
Zeka Bumba , 18 Dezembro 2012
...
O estudo e os seus anexos estão aqui: http://www.ffms.pt/
Declaração de interesses: nada tenho a ver com ele.
O falecido Joseph Goebbels , 19 Dezembro 2012 | url
...
O estudo confunde citação com notificação, pelo que se lê da noticia.
Uma notificação não é uma citação.
A citação é como a nossa mãe. Só há uma por processo. Assim que o Reu é citado ( chamado para a acção) é que começa a ser notificado, e aí tanto dá que as receba como não, porque se considera sempre notificado.
O difícil é citar as partes.
Por outro lado, a maioria dos processos , tem advogados de ambas as partes, pelo que as notificações são feitas entre os advogados por via electrónica, à velocidade da luz e a custo zero para o Estado.
A maioria dos processos que tenho, estão engatados à espera que os gabinetes de medicina legal respondam às peritagens. Grande parte dos atrasos prende-se com as peritagens.
Voltaire , 19 Dezembro 2012
...
Seria interessante efectuar um estudo sobre a procedencia dos recursos, pois ai se veria se os recursos tinham fundamento ou não, não esquecendo que o estado atraves do ministerio Publico e os seus departamentos recorrem tanto como as partes e abusam tanto das minudencias quanto as partes e quando litigam de má-fé, nunca são condenados, porque a jurispridencia entende ( mal) que o estado nunca pode ser condenado como litigante de má-fé.
Voltaire , 19 Dezembro 2012
...
"Seria interessante efectuar um estudo sobre a procedencia dos recursos, pois ai se veria se os recursos tinham fundamento". Às vezes nem assim.
O falecido Joseph Goebbels , 20 Dezembro 2012 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Tribunais Metade da duração dos processos gasta com notificações

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico