In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Secretária do Governo apanhada em desfalque

  • PDF

Durante dois anos Ana Moura, vogal da comissão política do PSD de Setúbal, fingiu que pagava as rendas da antiga sede social-democrata, em Almada. Os 600 euros mensais foram sempre saindo da conta do partido, mas nunca chegaram às mãos da senhoria. Os cheques eram passados pela dirigente que depois os depositava na sua conta pessoal.

O partido não desconfiou de nada. Fontes ligadas ao PSD de Almada, que está a fazer uma averiguação interna, revelaram ao SOL que há também suspeitas de que as facturas da electricidade e da água nessa sede do partido tenham tido o mesmo destino. No total, o PSD terá sido lesado em mais de 30 mil euros.

Ana Moura, de 49 anos, que até às eleições legislativas de 2011 foi vice-presidente do PSD Almada, estava a trabalhar no gabinete da secretária de Estado do Tesouro. Esta terça-feira, Maria Luís Albuquerque aceitou o pedido de demissão da sua secretária pessoal, que conheceu durante a campanha eleitoral e contratou, logo após a vitória, por 1.882,76 euros mensais.

Já aceite foi a demissão dos cargos que ocupava no PSD. Era actualmente vogal da comissão política do PSD/Setúbal.

Dívidas acumuladas

Licenciada em Marketing e Relações Públicas, Ana Dias de Moura tinha uma empresa de importação e exportação que foi à falência. E o seu nome consta da lista de devedores singulares às Finanças, com pagamentos em atraso entre os 25 mil e os 50 mil euros.

Incapaz de pagar as dívidas, Ana Moura – encarregue pela comissão política de fazer o pagamento das rendas e outras despesas da antiga sede de Almada – passou a usar este estratagema para angariar dinheiro. «Encontrava-se numa situação financeira difícil», disse ao SOL fonte do partido.

Em Novembro de 2009, a senhoria da sede do PSD de Almada recebeu a última renda. E em Fevereiro de 2012 desencadeou uma notificação judicial, reclamando o pagamento das rendas em atraso, para que fosse feito o despejo e execução da dívida.

Recibos falsificados

Foi apenas nessa altura que o partido se apercebeu da situação, tendo iniciado uma investigação interna, que ainda decorre.

O PSD-Almada continuava a receber recibos, que confirmavam o pagamento e que eram falsificados. Os documentos apresentados pela dirigente eram muito semelhantes aos originais. Mas os emitidos pela senhoria pertenciam à tipografia Tejo, enquanto que os falsificados pertenciam à tipografia Firmo.

No total, Ana Moura terá depositado 28 cheques nas sua conta bancária. Houve meses em que fazia mais do que um depósito de rendas, como em Fevereiro do ano passado, quando lhe caíram na conta 600 euros no início do mês e outro tanto no final.

A farsa continuou mesmo depois de a sede do PSD-Almada ter sido transferida para novas instalações, em Fevereiro do ano passado.

Perante as rendas em atraso, a senhoria da anterior sede recusou-se a receber de Ana Moura as respectivas chaves do edifício.

A dirigente social-democrata não pagou as contas em atraso e só conseguiu devolver as chaves um ano depois. Por isso, o PSD deverá ter ainda de pagar um ano de rendas, apesar de, durante esse tempo, já não ocupar aquele edifício.

Contactado pelo SOL, Nuno Matias, presidente da concelhia de Almada, afirma que a investigação interna está em curso e que as suas conclusões serão apresentadas ao secretário-geral do partido, que decidirá então a pena disciplinar a aplicar a Ana Moura.

«O que o PSD quer é que fique tudo esclarecido, para que não restem dúvidas sobre as responsabilidades financeiras do partido» – disse ao SOL aquele responsável que recusa fazer mais comentários até à conclusão do inquérito.

Caberá depois ao líder do PSD decidir pela abertura de um processo disciplinar e a apresentação de uma queixa às autoridades por crime de burla e falsificação.

O SOL tentou, sem êxito, obter um comentário de Ana Moura.

Felícia Cabrita e Joana Ferreira da Costa | Sol | 28-06-2012

Comentários (7)


Exibir/Esconder comentários
...
Não é crime. Falta a conciência da ilicitude ...
Jesse James , 28 Junho 2012
...
É uma conduta socialmente adequada. Não preenche o Tatb***and.
A senhoria está de má fé; não cumpre as obrigações secundárias decorrentes da boa fé no quadro da colaboração intersubjectiva inerente às Schuldverhältnisse.
Não há Rechtswidrigkeit da parte da desfalcadora.
Dou pareceres a troco de maços de notas de 100 euros. Entremeio palavras alemãs em frases portugueses para parecer mais credível, à moda de Coimbra ou à moda de Lisboa (é como o cliente quiser). Por cada citação de autor alemão acresce 150 euros, que é o dinheiro que me leva o tradutor - eu de alemão só sei o básico para pôr as alunas de boca aberta - acrescido do spread praticado por mim. Pagamento adiantado ou, em alternativa, com garantia de penhor. (Hipotecas não por causa das retenções dos promitentes-compradores. E depois lá ficava eu a arder, verstehen Sie?)
Contacto: Herr Flick, Gestapo.

smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif
Herr Flick , 29 Junho 2012
...
Não é crime. Por analogia com a atitude do Estado, que saca o dinheiro que não é dele para pagar as suas dívidas ...
Opinião , 29 Junho 2012
...
Claramente não é crime. Sendo a dita senhora política não pode ser e não será responsabilizada nos tribunais.
É coisa de político, eles lá se entendem... está-lhes no sangue!
Contribuinte espoliado , 29 Junho 2012
Dúvida
Tirar ao PSD não dá 100 anos de perdão?
Opinião , 29 Junho 2012
Treinos...
Só gente maldosa a fazer comentários irónicos!
A realidade é que a senhora estava a treinar! mas pobremente.
Quem se move nos aparelhos partidarios e tem ambições deve TREINAR árduamente!
Ora 600 euros por mês é em termos politicos como ir ao ginásio uma vêz por festa!
Dessa forma a senhora nunca poderia chegar nem a presidente de uma camara e muito menos a ministra!
Kill Bill , 29 Junho 2012
...
É mais uma da Felícia. No Governo de Portugal não há gente dessa...
Zé da Amoreira , 30 Junho 2012 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político Secretária do Governo apanhada em desfalque

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico