In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Presidentes temem pela democracia no País

  • PDF

Alertas. Mário Soares, Jorge Sampaio e Ramalho Eanes apontaram receios no momento atual de crise. Investigador recusa uma rutura social e diz que "alternativa séria" é a "saída do euro"

Um presidente: "Quando os governantes manifestam medo do Povo – e fogem dele – algo vai muito mal. (...) É próprio de uma Ditadura, não de um regime que ainda se diz democrático."

Outro presidente: "Devo dizer que a austeridade pela austeridade, a austeridade excessiva, pode prejudicar terrivelmente a democracia. Porquê? Porque a democracia precisa de esperança. Se não se conseguir ver a luz ao fundo do túnel, a esperança desaparece, há pessoas dispostas a acreditar em tudo, e é por isso que os extremismos estão a florescer."

Mais um presidente: "Se nós não damos a todos a dignidade suficiente, convencemo-nos de que viver em conjunto não traz nada de bom. Se não lhes dermos uma janela de esperança em relação ao futuro, convencem-se de que também não são os filhos que vão viver melhor."

E o atual Presidente: "Obviamente [que a austeridade tem um] efeito recessivo que afeta o rendimentos cidadãos e, como tal, o consumo."

Este coro de uma tragédia portuguesa reúne a três tempos os três ex-chefes de Estado da democracia – a que se junta, com óbvias cautelas, Cavaco Silva, o atual inquilino de Belém. Mário Soares, num artigo no DN, Jorge Sampaio, numa conversa no jornal francês L eMonde, e Ramalho Eanes, entrevistado na Rádio Renascença, deixaram nas últimas 48 horas alertas suficientes sobre riscos de uma implosão social em Portugal. Este cenário é recusado por Manuel Villaverde Cabral, investigador, doutorado em História, que prefere devolver as perguntas suscitadas pela intervenção dos antigos presidentes da República.

"Acho que estamos à volta do círculo, quando nos falam de risco da democracia, estarão eles a falar do risco de uma ditadura? Isso está excluído."

Villaverde Cabral questiona de que austeridade se fala. Do equilíbrio do défice externo, do ganho de tempo para a dívida e o défice? Não se leia nestes exemplos, pede o investigador agora reformado, uma justificação favorável ao Governo. "A austeridade é sempre má, por mim falo." Mas, contrapõe, "estamos muito longe da rutura social". Tratam-se de "gritos do coração, de intervenções que não aumentam nada".

"A única alternativa séria", insiste Villaverde Cabral, "e concebível, é sair do euro". Afinal, diz, "a nossa situação não é pior do que a dos Estados Unidos, do Reino Unido ou dos países da União Europeia que estão fora do euro". "Ninguém sabe como é sair do euro, pode imaginar-se", mas fora da moeda única talvez a situação se pudesse ultrapassar. Apesar de essa saída nos mandar "para o Norte de África durante muitos anos".

Jorge Sampaio, ao Le Monde, defendeu que "a democracia não recua", apesar de isso ser, "talvez, paradoxal. A democracia, argumentou, "avança enquanto encara novos desafios, e talvez seja preciso redefini-la". E aponta como "o grande desafio atual" o de "construir uma alternativa" às "dificuldades crescentes" do sistema capitalista ocidental. "Espero que possamos avançar na regulação, mas sei também que as forças maiores do mundo da finança são superiores à economia real. Gostava que a política, enquanto tal, pudesse dominar, regular o mundo da finança", afirmou.

Eanes lança o alerta de que "quando não há unidade num país, os homens passam muito rapidamente da resignação à indignação, terrível na medida em que é (...) a mãe de todos os disparates".

Miguel Marujo | Diário de Notícias | 11-10-2012

Comentários (9)


Exibir/Esconder comentários
...
E se todos esses ex-presidentes renunciassem às benesses que têm como tal: Carro do estado, motorista, secretária e escritório, que custam por cada um 300 mil euros por ano? Um rei ficava mais barato.
Toda essa corja abrileira fez a lei para se engordar e lixar o Povo. Diz o Hino nacional: "Às armas..."
Silva , 12 Outubro 2012
...
"Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar." (sic)
Silva , 12 Outubro 2012
...
Alguém disse que se os políticos têm medo do povo o melhor é demitir-se. Mas eu adianto: se os políticos, no ativo ou na aposentação, continuam engordando à custa do povo, o melhor é ficar calado, pagar o combustível do seu bolso, andar no seu carrinho, e deixar as autoridades policiais exercendo segurança ao serviço do povo e não a particulars
Matemático , 12 Outubro 2012 | url
...
Eles temem pela democracis? Eu não... e quanto mais rápido, melhor!smilies/grin.gif
Jesse James , 13 Outubro 2012
Pffffff!
D. Cócó disse no Facebook Que é contra. !!!!!!!!!!!!
Dum Dum , 13 Outubro 2012
Religiões
E o D. Cardeal Cerejeira (renovado) apoia a opinião de D. Cócó!
Dum Dum , 13 Outubro 2012
...
A Democracia é uma ilusão. Eles temem é que aconteça algo chato e tenham que se por a monte. Mas isso não acontece, está tudo controlado e o povo é mansinho, não é por nada que somos o melhor povo da Europa ( o mais atrasado, sem consciência politica, analfabeto bem, burro mesmo).

Podiam taxar a 90% os rendimentos dos trabalhadores que estava tudo bem. Aliás o Governo é bem ruim, podiam ter resolvido isto com medidas mais fortes, ninguém protestava (só uns velhotes e uns moços do PCP e tal com umas bandeiras) - já estava tudo ultrapassado. Podiam até confiscar um ou dois ordenados e darem umas rações de combate.

ccv , 14 Outubro 2012
À carai que eu rebento...
Que democracia? E se deixassem de nos envenenar com valores que não existem há muito tempo entre nós? Se tivessem medo do desespero, da fome, da humilhação e da desorientação de um povo que há tantos séculos se construiu uma identidade, eu compreendia. Agora da democracia! Só se for da possibilidade de vir a instituir-se uma democracia digna desse nome. Aí até podem ter medo, uns mais que outros, entenda-se. Quanto ao euro: tivemos uma palavra a dizer para entrar mas não temos voto na matéria para sair. Sairemos muito provavelmente mas pela porta de serviço por indecente e má figura.
Barracuda , 14 Outubro 2012 | url
...
"Presidentes temem pela democracia no País"


Só agora ou têm estado a dormir? ou a escrever as "memoires"?
Zeka Bumba , 14 Outubro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político Presidentes temem pela democracia no País

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico