In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Portugal passou de "aluno modelo" a exemplo de correção excessiva

  • PDF

"O ponto de viragem: Quanta austeridade é demasiada austeridade?" é o título do artigo da revista "The Economist" que sustenta que Portugal passou de "aluno modelo" a exemplo de austeridade excessiva.

Portugal passou, "em duas curtas semanas", de "aluno modelo" a "exemplo dos perigos que enfrentam os governos que levam a austeridade além" do que os eleitores conseguem tolerar, escreveu hoje a revista britânica "The Economist".

Num artigo intitulado "O ponto de viragem: Quanta austeridade é demasiada austeridade?" , a revista afirma que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, "parece ter levado as reformas além do limite do que é considerado aceitável por larga parte do eleitorado".

"Nos 15 minutos que Passos Coelho demorou para anunciar o seu esquema na televisão, no início do mês, conseguiu a notável proeza de unir não só os partidos da oposição contra o seu plano 'intolerável', mas também os sindicatos, os patrões e os economistas", escreve a publicação na edição que será disponibilizada hoje nas bancas portuguesas.

O executivo anunciou que vai reduzir a TSU em 5,75 pontos percentuais para as empresas, financiando a medida com um aumento de sete pontos na contribuição dos trabalhadores para a Segurança Social.

"Austeridade não pode ser levada além do limite determinado pelos eleitores"

De acordo com a revista, "as políticas de Passos Coelho podem ter sido bem-sucedidas em enfatizar as diferenças entre Portugal e a Grécia". No entanto, o primeiro-ministro "também está a descobrir que a austeridade não pode ser levada além do limite determinado pelos eleitores, quer estejam em motins violentos em Atenas ou em marchas pacíficas em Lisboa".

Face às reações da oposição, dos sindicatos, dos patrões e da população, que encheram as ruas de várias cidades do país no sábado, a revista acredita que é "muito provável" que Passos Coelho altere seu plano, "se não recuar completamente".

Referindo que o maior partido da oposição, o PS, ameaçou apresentar uma moção de censura ao Governo, a "The Economist" entende que a crise no seio da coligação governamental é "potencialmente mais perigosa" para o primeiro-ministro.

"O plano também abriu uma brecha potencialmente irreparável entre os dois partidos na coligação governamental", o PSD e o CDS, lê-se no artigo.

Miguel A. Lopes/Lusa | Expresso | 21-09-2012

Nota: Ligação para o original do artigo no Economist  (em inglês)

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
Stiglitz, please come here!...
«Portugal passou (...) a "exemplo dos perigos que enfrentam os governos que levam a austeridade além" do que os eleitores conseguem tolerar...»

&... além do que os peritos de economia, a nível internacional, consideram adequado e profícuo!...
Giulia , 22 Setembro 2012
...
É o que se chama a ciclotímia ou doença maníaco-depressiva.
Pedro A. , 23 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político Portugal passou de "aluno modelo" a exemplo de correção excessiva

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico