In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Júdice não rejeita cunhas na política

  • PDF

Para José Miguel Júdice, que ontem depôs como testemunha abonatória de Paulo Penedos, mediar conversações entre empresas não é crime, nem quando se trata de negócios públicos e de estabelecer contactos com políticos.

Na 118.ª sessão do julgamento do caso Face Oculta, no Tribunal de Aveiro - onde Penedos responde por tráfico de influências - o antigo bastonário da Ordem dos Advogados afirmou que já o fez e vai continuar a fazê-lo, enquanto achar conveniente.

"Fazer pedidos a funcionários públicos não é crime, mas fazê-lo em troca de pagamento sim" admitiu, porém, Júdice, em resposta ao advogado da REFER. O causídico questionava o papel dos advogados em negócios entre empresas - referindo-se à intervenção de Penedos nas firmas de Manuel Godinho - e se essa mediação não poderia ser feita por outro tipo de profissionais. Júdice adiantou apenas que os advogados podem exercer funções não jurídicas.

Durante a sessão de ontem foi ainda ouvido Jaime Soares, presidente da Câmara de Vila Nova de Poiares. O autarca afirmou que sempre manteve uma boa relação com Paulo Penedos, mesmo quando foram adversários políticos. Valentim Garcia, que também depôs a favor de Penedos, garantiu que aquele sempre lamentou o envolvimento do pai, José Penedos, no processo - o ex-presidente da REN também é arguido.

Jorge Sampaio iria depor este mês, mas será ouvido apenas em Dezembro. O adiamento prende-se com questões relacionadas com a ONU, onde o ex-Presidente da República ocupa o cargo de alto representante para a Aliança das Civilizações.

Catarina Gomes Sousa e Tânia Laranjo | Correio da Manhã | 21-11-2012

Comentários (6)


Exibir/Esconder comentários
...
O despudor desta malta!
Certo , 21 Novembro 2012 | url
...
Isto tem de terminar, é o Júdice, Sérvulo, Arnault, tudo igual...funcionam como parlamentos extra ao próprio parlamente. Vejam os ajustes directos e deparem-se com a profunda roubalheira destes escitório....
A manifestação deve-se fazer em frente a estes mini-parlamentos e não em frente ao parlamento actual, corrupção pura...E que para eles funciona...
Franco , 21 Novembro 2012
Do munus et manus
Foi ao Tribunal para dizer que (... os advogados podem exercer funções não jurídicas...) Pois sim, pois sim...
Francisco do Torrão , 21 Novembro 2012
...
Para umas coisas é advogado, para outras não!!!!
Foi bastonário, mas será que conhece o Estatuto?
Conhece, sim senhor!
Só não deu mais cabo dele enquanto lá esteve por que não conseguiu!
É difícil ser-se advogado, tentar levar uma vida honesta e de acordo com os principios e depois deparar com coisas destas.
avalanche , 22 Novembro 2012
...
Sinceramente, já está tudo dito sobre isto. Este não é aquele que disse que todos os negócios do Estado deviam consultar-se as maiores sociedades de advogados? Sob forma de comer-se mais uns milhões ao contribuinte?
Não está na altura de se fiscalizar isto?
A Magistratura não devia regular isto?
Era mais fiável...
Enfim...
Controle-se a despesa pública.
Ferreira , 22 Novembro 2012
...
mas, tudo isto só funciona com cunhas, ou showoffs, o valor dos advogados só se mede pela perserverança da advocacia, com resultados com dedicação, assim e porque há verbas pagas pelo sistema, dificilmente não deixará de existir cunhas e jeitos a favor de simpatias.
armando , 25 Novembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político Júdice não rejeita cunhas na política

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico