In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Guerra na Europa é "inevitável" e Portugal deve sair do euro

  • PDF

O "capitão de Abril" Vasco Lourenço considera que uma guerra na Europa é inevitável, se esta se continuar a "esfrangalhar", e defende a rápida saída de Portugal do Euro, preferencialmente em conjunto com outros países na mesma situação.

"A Europa vai esfrangalhar-se, vem aí a guerra inevitavelmente", disse, referindo--se à "destruição do estado social" e à "falta de solidariedade que está a haver na Europa".

O presidente da Associação 25 de abril, em entrevista à agência Lusa, recordou que a Europa tem atravessado o maior período de paz da sua história, desde a Segunda Guerra Mundial, o que só foi possível graças à conquista pelos cidadãos do direito ao Estado social, à proteção, à saúde, à educação e à segurança social.

Recorrendo à fábula da rã que é cozida sem dar por isso, porque está dentro de uma água que vai aquecendo aos poucos, Vasco Lourenço não tem dúvidas de que é preferível a rutura do que "deixarmo-nos cair no abismo para onde este Governo e a Europa nos estão a atirar".

Como alternativa aponta a saída atempada e programada da União Europeia e do euro, manifestando esperança de que haja condições para Portugal ser capaz de se ligar a outros países nas mesmas circunstâncias e tentarem encontrar soluções coletivas.

"Se possível seria ideal sairmos com outros países, porque as dificuldades serão muito maiores se sairmos isolados. Agora se houver um conjunto de países que estão em dificuldades que se unam e concertem a sua saída do euro, é capaz de ser muito melhor e dá-nos a possibilidade de darmos a volta por cima".

Reconhecendo que não será fácil conseguir essa articulação, Vasco Lourenço mostra-se convicto de que muito provavelmente os outros países em situação semelhante à portuguesa estarão a discutir o mesmo tipo de possíveis saídas.

"É preciso juntar esforços e chegar à conclusão que todos teremos a ganhar se unirmos esforços dos vários países contra quem está neste momento a ocupar-nos não militarmente, mas financeira e economicamente", disse.

Lusa/Luís Manuel Cabral | Diário de Notícias | 01-11-2012

Comentários (18)


Exibir/Esconder comentários
...
"Give me control of a nation's money and I care not who makes it's laws" — Mayer Amschel Bauer Rothschild
rockenfeller/rotenschild/goldman.sachs(nomes originais alemaes judaicos) , 01 Novembro 2012
...
Pois, pá, e se esse g**o, esse gaspacho, pá, ou gaspar, pá, hein, quiser sacar-me mais dinheiro, pá, eu juro que lhe meto chumbo no coiro.... pá !
E a Europa, pá, não me assusta. Nós vamos mobilizar-nos, hein, para a guerra, pá, vamos marchar sobre a Alemanha, pá, porque esses boches não me assustam, pá. Entramos pela Alemanha adentro, pá, e ninguém, hein, ninguém nos pára. O que é que o exército alemão pode fazer, hein, contra as nossas chaimites, pá ? E contra a nossa aviação militar, hein ? E as G3, pá ? Aquilo vai ser só esburacar nazis, pá.
Não me lixem, pá. Nós conquistamos a Prússia, ehhh, quer dizer, a Alemanha, pá, em 2 meses, pá...
Perceberam ?
Pá...
Hannibal Lecter , 01 Novembro 2012
Curioso
É impressão minha, ou isto é um capitão de abril a defender um regresso ao Estado Novo?
FAN , 01 Novembro 2012
...

Os portugueses são assim, estão mal habituados: querem sempre rupturas quando não estão satisfeitos.

Veja-se o caso futebol (o melhor espelho da alma do português típico): quando corre mal, querem logo a demissão do treinador, a convocação de eleições antecipadas, e outro belicismos do género.... como se a ruptura, por si só, resolvesse alguma coisa....

se sairmos do euro (ou se corrermos com a troika) e mal começar a aparecer o caos, logo aparecerão alguns destes espertalhaços (talvez não exactamente este coronel tapioca) que agora passam a vida a dizer que temos de "mandar passear a troika" a protestar, desta vez, que "temos de pedir um empréstimo aos nosso parceiros e aceitar as condições deles".

Essa de sair do euro vai ser bonita.... no início vão ficar todos contentes porque os 4.500 euros da remuneração limpa vão passar a 900 contos e vão ter aumentos de 5% ao ano.... mas depois quando derem conta que o litro de gasolina rapidamente vai chegar a 2 contoa ou mais, aí é que vão ser elas...

Anónimo , 01 Novembro 2012
...
Hum, estou a ver que a vida aos «comentaristas» acima estás-lhe a correr bem, mesmo com os agiotas a governarem o país, quem sabe se precisamente por os agiotas nos estarem a governar, a vida lhes está a correr bem.
Sempre com o argumento do costume, se sairmos do euro é o caos, não há dinheiro, blá, blá, blá...
Tirando alguns previlegiados, a esmagadora maioria com «cartões laranjas ou rosas», o caos e a falta de dinheiro, mesmo estando no euro, já existe, ou o mais de um milhão de desempregados, o mais de um milhão de reformas abaixo de 500 euros, o milhão de trabalhadores com o ordenado mínimo, os milhões de pessoas com empregos precários, com contratos de um mês, uma semana?! e até um dia!!!, não contam?
Será que só quando chegar ao bolso dos «comentaristas» acima e outros como eles, é que se pode considerar caos.
É muito fácil aceitar austeridade (roubo) de barriga cheia.
Zé da Laurinda , 02 Novembro 2012
Primeiro estranha-se e depois entranha-se
Pois é, se sairmos é o caos e por isso que disso fala é louco...
Mas há hoje uma série de factos por todos aceites que há um ano atrás estava apenas nas bocas dos loucos...
O melhor é não «empranhar» pelos ouvidos, isto é, não dar por certo o que incerto é e usar as celulazinhas cinzentas para ir somando dois mais dois...
Um xi...
Francisco do Torrão , 02 Novembro 2012
...
Sair do Euro? Evidentemente. QUando os custos são maiores do que os benefícios (e são no caso concreto) acabe-se com a moeda única, rectius com a "mama" dos alemães, que estão a conseguir com uma porcaria de uma moeda única aquilo que o Kaiser e o Führer não conseguiram pela força das armas: dominar a Europa tornando-a uma colónia, rectius, o Lebensraum alemão, por esse povo desejado desde há muitos séculos.

Por mim, estou farto de ser carne para canhão dos alemães e dos seus lacaios portugueses (os novos Miguéis de Vasconcelos, agora ao soldo dos alemães).
Zeka Bumba , 02 Novembro 2012
O problema do DFA Vasco, ex-motor da revolução, deve ser já o reumático generalizado...
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif

Ó Vasco depois daquela "descolonização" virtuosa não achas nada estranho tanto preto já "português"?Pá a continuar assim ainda te vão mobilizar outra vez para a guera de guerrilhas pá...embora agora seja só cá dentro...
Lusitânea , 02 Novembro 2012
...
Mas como é possível dizer-se que a Alemanha domina a Europa...não estará a personalidade acima a confundir parâmetros históricos: Kaiser e Fuher? O que me cheira é que vocema deve ser um porfessor de história mal arranjado...
Então sairemos do Euro e dps? Vendemos os nossos produtos e compramos ao escudo sem protecçaõ dos investidores?
Zeka você é algum bruxo?
Daniela Alves... , 02 Novembro 2012
...
Fitch começa o "cerco" e diz que Portugal vai precisar de um segundo resgate
rockenfeller/rotenschild/goldman.sachs(nomes originais alemaes judaicos) , 02 Novembro 2012
...
Pelos vistos, os ressabiados do ultramar perduram.
Os «retornados» nunca aceitaram o facto de lhes terem tirado os escravos negros, é por isso que muitos defendem esta política de austeridade, (roubo), na esperança de arranjarem de novo escravos, mas desta vez brancos.

Qual é o problema em sairmos do euro? Viveríamos mal? E agora, vivemos bem? Pelo menos livrávamo-nos dos agiotas.

Temos que seguir o exemplo da Islândia.
Zé da Laurinda , 02 Novembro 2012
...
Alguns dos que aqui comentam são funcionários públicos. Atendendo ao facto que a troika quando chegou já não havia dinheiro nos cofres do estado para lhes pagar os ordenados...
Lembrando que o país continua não ser solvente... Isto é, o estado continua a não receber o suficiente (de impostos e quejandos) para pagar as despesas... (em 2013: Despesas do OE - 77milMilhões, Receitas do OE - 70milMilhões) não percebo sinceramente como querem mandar a troika embora. A menos que não queiram receber ordenado de certeza.
aluz , 02 Novembro 2012 | url
...
Estão um alemão, afilhado da Merkel, um francês primo do Hollande, um espanhol arraçado dos Filipes e um português descendente do Bocage, a discutir a actual situação da Europa. E vai daí, diz o alemão, se Portugal conseguisse resolver o problema da dívida soberana ia a Bruxelas e entregava ao Herr Presidente da Comissão o capacete de ferro do Kaiser mais condecorado da Alemanha. O francês, não se querendo ficar atrás, como é de habitude, e sempre na moda, diz, se Portugal conseguisse resolver o problema da dívida ia a Bruxelas e entregava ao Presidente da Comissão um vestido exclusivo do Valentino Garavani. O espanhol, depois de ter bebido três ou quatro copas, e esquecendo que também anda pelas ruas da amargura, armado em engraçadinho, diz todo sorridente, se Portugal conseguisse resolver o problema da dívida ia a Bruxelas acompanhado da Chica mais guapa de Espanha, punha-lhe o capacete na cabeça, vestia-lhe o vestido exclusivo do Valentino Garavani, e apresentava-a ao nuestro hermano Presidente. O português, farto da conversa, da dívida, do euro e dos amigos da treta, pôs um ar solene e diz, quando Portugal resolver o problema da dívida, vou a Bruxelas, mando o Presidente da Comissão à ..., ... no capacete, limpo o ... ao vestido, e dou uma ... na espanhola.
RM , 02 Novembro 2012
País não solvente!
O país tornou-se insolvente com a especulação financeira sequente à crise financeira internacional, não por causa da despesa pública. Se aumentarmos a produtividade e, por conseguinte, o PIB, ela torna-se menor. E o garrote atual tem dois gumes: o peso dos juros da dívida (os nossos «amigos» emprestam-nos dinheiro a uma taxa pornográfica); e a queda do produto (resultado das opções políticas de «ajustamento»).
Aos que tanto «atacam» os salários dos outros lembro que ainda se não mexeu nos desperdícios pagos aos advogados do «peço justiça»... Mas esse dia tb chegará. Não perdem pela demora; ela até já tarda.... Só nessa altura se irão sentir irmanados com os que já viram os seus salários assaltados. Cá estaremos para os confortar com a luva branca.
Francisco do Torrão , 02 Novembro 2012
Os "escravos" pretos seguiram os seus "retornados"
"Os «retornados» nunca aceitaram o facto de lhes terem tirado os escravos negros, é por isso que muitos defendem esta política de austeridade, (roubo), na esperança de arranjarem de novo escravos, mas desta vez brancos. "

smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif

Por isso e para acabar com "mamas" deve tornar-se a fazer uma nova "descolonização" que deixe a "escravidão" só para brancos...
Lusitânea , 03 Novembro 2012
...
ESTÁ TUDO INTERLIGADO...
http://www.wook.pt/ficha/o-novo-paradigma-do-investimento-imobiliario/a/id/10398698
rockenfeller/rotenschild/goldman.sachs(nomes originais alemaes judaicos) , 03 Novembro 2012
...
O pior cego não é o que nao vê. É o que não quer ver. É o que dá ser um boy assessor desta pandilha...
Zeka Bumba , 04 Novembro 2012
Coisa estranha este meu País
Tem andado sempre em bicos de pés em tudo o que é palco internacional. Gesticula mas ninguem liga. Por isso diz que sim a tudo: à entrada nas comunidades europeias, sem condições, ao euro, ao alargamento da UE, à dispensa dos prazos para a livre circulação, como no caso da Roménia, enfim, se cheirar a dinheiro a alguns aparece logo a propaganda e o povo, como na bola, bate palmas. Quando há uns anos um louco, ignaro, aldração e deslumbrado das novas tecnologias e computadores em casa de analfabetos e outros iletrados com diplomas de novas oportunidades, entragou o País a quem lhe emprestasse dinheiro, não se ouvia ninguem a perguntar-se: alto lá! Quem vai pagar isto tudo? Agora que a factura nos é apresentada para pagarmos aos gatunos com outros empréstimos e ocupação da nossa casa por técnicos da destruição de países, andamos como baratas tontas a partir a loiça e a pedir solidariedade, ou seja mais dinheiro, para os mesmos sempre para os mesmos.
A quem quer sair do euro eu digo, indique o caminho e esclareça as consequências. Não saberá, claro.
Não seria mais fácil um movimento social que depusesse estas marionetas que nos governam e bolsam leis? Acaso alguem pensa um momento sequer que não seria possível a constituição de um governo fora da obediência partidária? Não seria possível o diagnóstico das causas internas (gatunices umas atrás das outras) da nossa situação? Não seria possível fazer com que os gatunos devolvessem o que roubaram ou cadeia? Não seria mais fácil desta forma convencer os outros de que somos gente de bem capazes de fazer justiça e trazer os bois no rego? Claro. Assim é que não.
Quanto à guerra na UE não se excitem. O conflito que virá não será entre países mas entre classes. O sonho destes e*********os que actualmente dominam a UE é o regresso a duas classes: a nobreza e a plebe. O clero dispensa-se porque já tem poucos membros. O que resta pertence à nobreza. Não se trata de nobreza de sangue, mas de dinheiro. A "nobreza" da finança. Abolida a classe média, o confronto será inevitável entre os dois estratos que restam. Em todos os países da UE. O que daí resultará logo se verá.
Barracuda , 04 Novembro 2012 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político Guerra na Europa é "inevitável" e Portugal deve sair do euro

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico