In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Estado assume créditos do BPN a Duarte Lima e Vítor Baía

  • PDF

O Estado vai assumir os créditos que o BPN concedeu a Duarte Lima e a Vítor Baía. No caso do ex-deputado estará em causa um crédito de 44 milhões de euros dado pelo BPN ao Fundo Homeland e que levou à detenção do advogado. No caso do ex-guarda-redes trata-se de terrenos rústicos, contas a descoberto e livranças por pagar, no valor de quatro milhões de euros.

Segundo o DN, dos 2,5 mil milhões de crédito malparado retirado do BPN, 601,4 milhões de constam em quatro escrituras assinadas num cartório do Porto, em 2010, e três assinadas dias antes da venda do BPN ao BIC, contendo alguns créditos concedidos já depois da nacionalização.

No caso do ex-líder da bancada social-democrata, o caso remonta à aquisição de terrenos em Oeiras através da Homeland (fundo especial de investimento imobiliário), que levou à detenção de Duarte Lima. Os 35 terrenos adquiridos foram registados por um valor a rondar os 50 milhões de euros, mas uma avaliação posterior disse não valerem mais de 18 milhões de euros. Os terrenos foram avaliados com base com base no desenvolvimento de um projecto imobiliário destinado à habitação, serviços e equipamento, tendo a "desvalorização resultado do facto de parte dos terrenos estarem em Área de Reserva Agrícola Nacional".

A aquisição dos terrenos, financiados através dos participantes do Fundo (um deles filho de Duarte Lima) e de um empréstimo bancário (não pago) levantou suspeitas à PJ. As suspeitas reforçaram-se quando uma das famílias que venderam os terrenos foi notificada para pagar 3,5 milhões de euros por uma propriedade que tinha sido vendida por 1,5 milhões de euros. Mais tarde, apareceu a justificação, os terrenos tinham sido escriturados por 20 milhões de euros através de um advogado com plenos poderes. Agora é o Estado que terá de recuperar o dinheiro, e o valor dos terrenos não chega para cobrir a dívida.

No caso de Vítor Baía, a empresa pública Paravalorem, um dos veículos criados para acomodar os activos do banco, assumiu a responsabilidade da cobrança de pelo menos, duas empresas do ramo imobiliário detidas pelo ex-jogador da selecção nacional. A Suderel- Gestão Imobiliária SA com uma conta descoberta de 33 mil euros, deve cerca de dois milhões de um empréstimo concedido há quatro anos. No caso da Cleal (gerida por um sócio de Baía, ao qual o ex-atleta moveu agora um processo por burla) deve agora 2,3 milhões por um crédito concedido em 2008.

Jornal de Negócios | 30-06-2012

Comentários (8)


Exibir/Esconder comentários
no more
A nacionalização do BPN deu-se a 11 de Novembro de 2008.

Se os créditos em apreço foram concedidos em período anterior, por que razão há-de o Estado ter de arcar com a responsabilidade respetiva?...
Giulia , 01 Julho 2012
...
Só tenho pena de não poder emigrar para trabalhar fora da piolheira.
Ai Ai , 01 Julho 2012
...
Irra, esta bandalheira não acaba. Os políticos bem sabem que o povo é sereno. Senão teriam muito mais cuidadinho. O careca sempre me mereceu o maior despezo, mas o Vitor deu-me grandes alegrias. Tenho pena do 2.º e não do 1.º, mas daí até os meus impostos andarem a cobrir os empréstimos dele vai uma grande distância!
Zeka Bumba , 01 Julho 2012
Investigue-se!
Isto faz lembrar as redes mafiosas de tráfico ilegal de emigrantes...
Como é possível o Estado ter de assumir dívidas contraídas por particulares, para fins particulares, que nada têm a ver com o interesse nacional?!...
O país caiu nas mãos de bandidos, não consegue fazer-lhes frente, acocora e... paga!...
Apontaram-lhes uma arma à cabeça?!...
O que é que aconteceu?!...
Ninguém investiga isto?!...
Está tudo com medo de ir parar a uma valeta, num descampado frio e húmido, bem longe da civilização?!...
Miséria!...
Peter , 02 Julho 2012
...
Caríssimos Comentadores:

Da interpretação que efectuei da notícia em causa, parece-me que o Estado tornar-se-á credor, e não devedor, do Duarte Lima e do Vitor Baía, sub-rogando-se ao BPN, por força do drédito que este "Banco" lhes concedeu.

Cumprimentos.
clarividente , 02 Julho 2012
...
O Estado credor? subrogação?

Será de facto assim, mas...QUAL É O EFEITO ÚTIL? CONSEGUIRÁ O ESTADO RECUPERAR AQUILO QUE ASSUMIU? É que, pelo menos um dos devedores estará insolvente (Vítor Baía) e o outro terá o "pilim" bem guardadinho num "qualquer off-shore longe de si".

Isto já parece a subrogação do Estado junto dos paiizinhos quando o FGADM tem de pagar o que estes não pagam.
Zeka Bumba , 02 Julho 2012
VASCO e PEDRO, todos iguais...todos diferentes...
É de facto curioso que o governo mais parecido com o governo de ´Passos Coelho, seja o de Vasco Gonçalves!!
Vasco Gonçalves nacionalizou os créditos e distribuiu pelo povo...
Passos Coelho nacionalizou os débitos e distribuiu pelo povo...
Kill Bill , 03 Julho 2012
respond this topic
That is cool that we are able to take the personal loans moreover, this opens completely new chances.
HALLJESSIE27 , 29 Setembro 2012 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político Estado assume créditos do BPN a Duarte Lima e Vítor Baía

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico