In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Cortes nas PPP mais caros para o Estado

  • PDF

Governo anunciou cortes de 855 milhões nas parcerias público-privadas, mas Estradas de Portugal aponta para subida de 43% nos custos. Lucro dos privados continua intocável.

A transferência da manutenção e operação das subconcessões rodoviárias dos privados para a Estradas de Portugal (EP) fica 43% mais cara ao Estado, de acordo com os estudos de viabilidade efectuados pela empresa em 2008, quando foram lançados os concursos.

Com esta operação, o Governo pretende cortar na despesa do Estado e dar prova disso aos responsáveis da troika (Banco Central_Europeu, Fundo Monetário_Internacional e Comissão Europeia). Até ao momento, o Executivo garante que chegou a acordo com as subconcessionárias para reduzir os gastos em 855 milhões de euros, nos próximos 30 anos. No entanto, os documentos internos da EP aos quais o_SOL teve acesso demonstram que esta é, afinal, uma operação de risco para o_Estado.

Questionada pelo SOL, a nova administração da Estradas de Portugal não apresentou dados que contrariem estes estudos, argumentando que não existem estimativas relativas às despesas associadas às novas responsabilidades. O Ministério da Economia, confrontado com este cenário, não deu qualquer esclarecimento até à hora de fecho da edição.

Já a comissão interna da EP, criada para a renegociação dos contratos, tinha alertado para o perigo dos encargos futuros serem superiores à poupança, segundo os relatórios entregues à administração da EP em Janeiro.

Em causa estará, segundo a comissão, o facto de a negociação não ter sido tão proveitosa quanto o que era esperado pelo_Governo._A equipa técnica da EP justifica esta dificuldade com a indisponibilidade dos accionistas das subconcessionárias «para abdicarem das suas margens de lucro e riscos que assumiram aquando da elaboração da sua proposta», lê-se nos documentos aos quais o_SOL teve acesso.

E foi isso mesmo que aconteceu. Apesar das negociações efectuadas, as Taxas Internas de Rentabilidade (TIR) das subconcessionárias não serão afectadas pelas alterações contratuais.

Cortar nas obras
Para tentar baixar os custos que terá com a transferência da conservação das estradas para os privados, a EP irá reduzir o nível de serviço prestado. Tal deverá ser possível devido a «estimativas de tráfego bastantes inferiores às efectuadas em 2007 e 2008», explica ao_SOL fonte da administração da empresa. Isto é, com menos utilização, a_EP estima que as infra-estruturas não necessitem de grandes reparações de 12 em 12 anos, como contratualizado. A EP não tem, porém, estudos que sustentem essa expectativa.
A empresa conta ainda com a redução dos preços de mercado pedidos pelas construtoras e com «ganhos de sinergias» para mitigar a subida da despesa com as novas responsabilidades.

Banca envolvida
Um dos agentes mais activos durante as negociações foram as instituições financeiras envolvidas nas subconcessões, relatou ao SOL uma outra fonte. Os responsáveis pelos diferentes sindicatos bancários estiveram empenhados nas negociações tanto do lado público, como do lado privado.
O objectivo das 15 instituições financeiras, cinco nacionais e dez internacionais, era reduzir o financiamento necessário para estes projectos. Por duas razões: por um lado, os spreads (margem cobrada pelos bancos) das linhas de financiamento contratadas variam entre os 0,7% e os 2,75%, muito abaixo das hoje praticadas nos mercados financeiros; por outro lado, os bancos estão com falta de liquidez e com um processo duro de desalavancagem em curso, em que todos os cortes são importantes.

Riscos à espreita
Até ao dia 30 de Novembro todos os processos de negociação devem estar concluídos. Ou seja, os contratos devem ser alterados. Assim, nos próximos três meses, a Estradas de Portugal terá de chegar a acordo com os subconcessionários privados para alterar os fluxos de pagamentos, um processo que «pode provocar divergências» entre as partes, tal como reconhecido nos documentos internos da empresa pública, presidida por António Ramalho.
O principal problema está relacionado com a alteração da matriz de risco dos contratos. Aqui, o Estado tem o tempo a correr em seu prejuízo. Toda a finalização deste processo está ainda dependente da aprovação das alterações por parte do_Tribunal de Contas (TC).

Sol | 12-09-2012

Comentários (9)


Exibir/Esconder comentários
Os grandes enchem-se sempre...
É sempre a pagar os mexilhão...as PPP não se mexe, os ajustes directos com escritórios de advogados, com quantias vergonhosas não se mexe...Os sócios destas mega sociedades mandam no País juntamente com os bancos...é começar a não deixá-los a andar bem na rua...meter um pc de medo...já chega e temos de mandar um murro nos dentes de qualquer um deles sob pena de qq dia não termos dinheiro para sustentar um filho muito menos planeá-lo.
Revoltado , 12 Setembro 2012
...
Continuo a afirmar que qualquer jurista com um QI superior a 100 consegue encontrar um modo de acabar com as PPP amanhã, com custo zero para o Estado.
Haja vontade...
cgf , 12 Setembro 2012
...
O Parlamento é um antro de negócios e a cambada sabe que não pode acabar com as ppp porque estas são os futuros poisos da camdada actual.
In Verita , 12 Setembro 2012
cérebros de betão, não mais!...
Tudo isto é uma enorme mentira!...
Dada a situação em que Portugal se encontra, o governo poderia unilateralmente impor as condições destas parcerias!...

«Para tentar baixar os custos que terá com a transferência da conservação das estradas para os privados, a EP irá reduzir o nível de serviço prestado»

UM PAÍS FAMINTO NÃO PRECISA DAS MELHORES ESTRADAS DO MUNDO!...
SANTA PAROLICE!...
Giulia , 13 Setembro 2012
coragem & honestidade impoem-se!...
«... nos próximos três meses, a Estradas de Portugal terá de chegar a acordo com os subconcessionários privados para alterar os fluxos de pagamentos, um processo que «pode provocar divergências» entre as partes»

ISSO SE E SÓ SE O GOVERNO DEIXAR!...
Phil , 13 Setembro 2012
«Continuo a afirmar que qualquer jurista com um QI superior a 100 consegue encontrar um modo de acabar com as PPP amanhã, com custo zero para o Estado.
Haja vontade... »

cgf, e... pode dizer-nos qual é?
Gabriel Órfão Gonçalves , 15 Setembro 2012
Tribunal de Contas à Redação, Please!
«Continuo a afirmar que qualquer jurista com um QI superior a 100 consegue encontrar um modo de acabar com as PPP amanhã, com custo zero para o Estado...»

Exatamente!...
Pelo menos as PPP's já identificadas pelo TC como ilegais, assim como aquelas cujos anexos e contratos não aparecem na literalidade, deveriam ser de imediato anuladas!...
Além disso, para as que são aparentemente legais, dada a situação específica em que Portugal se encontra, o governo pode (a lei permite-o) unilateralmente alterar as cláusulas de funcionamento.
No entanto, este é um 'prato' que carece de 'salada' na guarnição...
Lília , 16 Setembro 2012
Giulia
UM PAÍS FAMINTO NÃO PRECISA DAS MELHORES ESTRADAS DO MUNDO!...


Giulia:
Tem razão! Não precisa até porque (quase) ninguém lá passa!

Talvez as moscas dos bovinos que pastam nos campos que as ladeiam !
Mas ficam porreirinhas nas fotografias!

E já agora a talho de foice que aconteceu ao tal principio do "Utilizador pagador"?
Foi substituido pelo principio do " PAGADOR NÃO UTILIZADOR"?
Kill Bill , 16 Setembro 2012
...
Nada que não fosse previsível.., e de lamentar. E para falarem já em 43% é porque vai ficar em mais uns 200 ou 300%...
Franclim Sénior , 17 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político Cortes nas PPP mais caros para o Estado

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico