In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Banco de Portugal aprova progressões e paga prémios

  • PDF

Segundo Carlos Costa, Presidente do BdP, «a manutenção destes instrumentos de motivação e de reconhecimento do mérito individual, embora com uma expressão menos relevante que a de anos anteriores, é considerada de grande importância para a gestão adequada dos recursos do banco».

Os pensionistas do Banco de Portugal (BdP), que viram os seus subsídios de férias suspensos em Janeiro, continuam sem receber os mesmos e também não sabem quando e se serão restituídos, tal como o subsídio de Natal. Em resposta a questões do SOL o BdP confirma que «não há ainda decisão sobre o pagamento aos reformados».

O banco central aprovou, porém, progressões de carreira e pagamentos de remunerações variáveis por desempenho (RVD) aos funcionários no activo, que foram pagos no mês passado. Ao SOL fonte oficial do BdP explica que «os processos anuais de promoções e de atribuição de RVD [referentes aos lucros] foram concretizados em aplicação dos Instrumentos de Regulamentação Colectiva de Trabalho, complementados pela respectiva regulamentação interna, aos quais o Banco de Portugal se encontra obrigado a dar cumprimento».

A instituição liderada por Carlos Costa esclarece também que esse processo de avaliação é referente a 2011, «sendo globalmente um dos valores mais baixos registados na última década e perfeitamente compatível com os compromissos de contenção salarial».

O BdP decidiu reduzir em 10% os salários do conselho de administração (CA) e em 5,6%, em média, os dos restantes colaboradores, para um corte de 7% com os custos de pessoal. Os subsídios de Natal e de férias foram pagos no início de Janeiro a todos os trabalhadores do banco no activo, mas foram retidos os de cerca de 2.400 pensionistas do BdP, entre os quais Aníbal Cavaco Silva, Manuela Ferreira Leite ou Miguel Beleza. Já o actual CA abdicou desses pagamentos.

Ainda sobre as progressões de carreira e prémios, o banco presidido por Carlos Costa refere ao SOL que «a manutenção destes instrumentos de motivação e de reconhecimento do mérito individual, embora com uma expressão menos relevante que a de anos anteriores, é considerada de grande importância para a gestão adequada dos recursos do banco».

A instituição lembra ainda que as medidas de contenção entretanto aplicadas visam substituir os cortes de subsídios, «uma vez que não haveria suporte legal para o Banco de Portugal proceder de outra forma».

Emanuel Costa e Tânia Ferreira | Sol | 13-06-2012

Comentários (12)


Exibir/Esconder comentários
...
«Os subsídios de Natal e de férias foram pagos no início de Janeiro a todos os trabalhadores do banco».
OK, registado.
Os outros é que são uns privilegiados por não o receberem, nem em Janeiro, nem em Junho, nem em Dezembro. Afinal, o BdP é o bastião da independência nacional. O resto é plebe.
R.O.S. , 13 Junho 2012
...
É um fartar vilanagem para alguns.
Indignado , 13 Junho 2012
mérito fenomenal
«(...) a manutenção destes instrumentos de motivação e de reconhecimento do mérito (...) é considerada de grande importância para a gestão adequada dos recursos do banco.»

MÉRITO FENOMENAL!
SOBRETUDO NA PREVENÇÃO DA CORRUPÇÃO, BPN's E AFINS!...
UM ESPETÁCULO!...
Peter , 13 Junho 2012
Onde pára a ASJP?
Em face disto que diz a ASJP?
Nada!
Devem entender que a independência do BP é muito mais importante que a dos tribunais.
A única coisa que ocorre ao Sr. Prof. Dr. Presidente da ASJP é vir a terreiro defender os direitos dos pedófilos.
Haja Ética , 13 Junho 2012
...
Continua a haver muita confusão em tudo isto.
Primeiro, na questão da designada independência, depois quanto à soolução.
A independência do BdP resulta do seu estatuto enquadrado no BCE que determina que o poder político não deve interferir da política salarial do Banco, sendo esta da competência da respectiva administração.
Ou seja, a discussão da responsabilidade dos eventuais cortes desloca-se do governo para o conselho de administração do banco. Caberá ao Estado, enquanto accionista, controlar o comportamento do conselho de administração... pelo que tudo se resume a uma marmota.
Já no que toca à independência dos Juízes a questão fia mais fino. Esta resulta da própria CRP.
Mas a CRP deixa ao poder político a fixação das remunerações dos Juízes e, não havendo nada tipo BCE judicial, o poder político fica à vontade para agir, definindo cortes e, porque tem a faca, executando-os.
Claro que, a mesmíssima argumentação que serve ao BdP serve à Judicatura.
A diferença estará entre poder e pudor... ou ausência deste.
Mário Rama da Silva , 13 Junho 2012
...
Meu caro Haja Ética, por não saber disso, mandei «dobrar a folha» e deixei de ser sindicalizado.
Jesse James , 13 Junho 2012
...
Subscrevo na íntegra o comentário do Haja Ética. Já me começo a fartar das posições públicas da ASJP, que, de facto, não me representam em nada (inconstitucionalidades das alterações às leis penais, identificação pública dos pedófilos, oposição à saída dos processos de inventário - cuja dignidade judicial é NULA - dos tribunais e omissões como a que aqui está em causa, entre outras).

P.S. Eu "faço" cível de "baixo valor", onde, felizmente, não cabem inventários (prezo muito a minha posição para não fazer figura de juri dos concursos do Gov. Civil e o cargo do meu escrivão para não o pôr a fazer de leiloeiro; ah, e já agora não tenho pachorra para ouvir prova para saber se os copos partidos, a tv que não funciona ou umas cuecas fazem ou não parte do acervo hereditário).
Zeka Bumba , 13 Junho 2012
...
Isto é tudo um compadrio, tudo minado por interesses e lobbies. Como acreditar num banco que paga 1.200.000 Euros a duas sociedades de advogados? VD Almeida e Sérvulo e Associados...estão protegidos pela contratação pública elaborada pela Sérvulo.
Andreia , 14 Junho 2012 | url
...
A Sérvulo e a VD tem quota parte de culpa nisto...a protecção que dão ao Banco de Portugal...
Alves , 14 Junho 2012
...
Será que alguém responsável da ASJP lê os comentários que por aqui se vão fazendo? E se os lê, então não lhe dá valor? Será que não apreendem os sentimentos dos juizes anónimos? Estão à espera de quê para reagir dos desmandos contínuos desta classe política que desde há muito, em especial nos últimos seis anos, nos vem espezinhando?
Indignado , 14 Junho 2012
...
É o banditismo em todo o seu esplendor.
Serpa , 19 Junho 2012
...
Continuem com este despesismo público que vamos longe...para defender esta gente há os escritórios de advogados em Lisboa, pagos a peso de Ouro e com o nosso dinheiro...
R-- , 19 Junho 2012 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político Banco de Portugal aprova progressões e paga prémios

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico