In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

58 milhões para alimentar presos

  • PDF

Alimentar e vigiar os presos nos próximos três anos vai custar ao Ministério da Justiça mais de 66 milhões de euros. Só para a alimentação são necessários 58,3 milhões de euros e para a vigilância electrónica outros 8,3 milhões. A autorização da Presidência do Conselho de Ministros para realização destas despesas foi ontem publicada em Diário da República.

Segundo o documento, no que diz respeito à alimentação, "compete fornecer às populações dos centros educativos e dos estabelecimentos prisionais refeições convenientemente preparadas e apresentadas de acordo com as normas de dietética e de higiene moderna, no que à quantidade e qualidade respeita, tendo em consideração a idade, a natureza do trabalho realizado pelos reclusos e educandos, a estação do ano e o clima".

Além disso, é determinado que o total da despesa para o fornecimento de refeições confeccionadas seja repartido pelos três anos, 2013, 2014 e 2015, e que não ultrapasse os 19,4 milhões de euros em cada ano.

Sobre a vigilância electrónica, através de pulseira, a resolução do Conselho de Ministros justifica o valor com o facto desta ser "uma alternativa à prisão preventiva e à execução da pena de prisão" com sucesso. "Todos os estudos produzidos têm evidenciado que a pulseira electrónica constitui um meio rigoroso de controlo contínuo do cumprimento da decisão judicial, proporcionando aos tribunais um instrumento eficaz para executarem as suas decisões e permitindo, por outro lado, aliviar a pressão sobre o sistema prisional", lê-se no documento, que acrescenta ainda o facto de "ser uma solução menos onerosa, quando comparada com o sistema prisional".

Este sistema de vigilância electrónica existe em Portugal desde 2002. Em dez anos foram monitorizados cerca de 6 mil indivíduos, encontrando-se actualmente 700 sob vigilância.

Ressocialização para diminuir encargos

Cada preso custa ao Estado, em média, mais de 40 euros por dia. A taxa de ocupação das prisões é de 130% e, por dia, entram 15 novos reclusos. Para diminuir os encargos do Estado com a população prisional, a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, quer apostar "na ressocialização", integrando os reclusos no mercado de trabalho para que diminuam as hipóteses de reincidência.

O plano de reabilitação poderá englobar áreas tão distintas como a carpintaria ou a agricultura.

Sónia Trigueirão | Correio da Manhã | 15-12-2012

Comentários (33)


Exibir/Esconder comentários
Ementas e menus
Deviam cortar-lhes na lagosta, no camarão e na picanha da América do Sul. Para além disso em vez de andarem a contratar chefs de cozinha franceses podiam arranjar uns reformado da tropa.

Em alternativa contratavam uma dessas empresas que fornece as ESCOLAS com uma alimentação de &%%&$$"#!
Assim os putos não veriam os seus hábitos alimentares alterados!
Da Escola para a cadeia o que se me afigura ser a melhor ambição para as camadas jovens actuais.
Claro que dentro em breve os 58 milhões serão 580 milhões!
Pedro Só , 15 Dezembro 2012
O sistema prisional sem balde é muito atractivo...
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif

E está na mão de humanistas internacionalistas do mais fino recorte.Presos alongarem a "pena" para fazerem cirurgias?Optarem por cumprir penas cá, quando as poderiam cumprir no seu país?Andarem à cata de africanos para os indultarem numa de discriminação positiva, com censura férrea dos suas aventuras criminosas sempre por conta do indigenato?Os do tudo (tudo o que tinha preto não era nosso) e do seu contrário(agora a pátria já é onde nos sentimos bem e existe um "Estado Social" internacionalista) ao tentarem salvar o planeta, em especial o "lusófono" afundaram isto por muito tempinho ou não?

ps

Pelos vistos já anda por aí muita gentinha com saudades dum novo Sócrates.Compreende-se.Os computadores Magalhães precisam de ser substituídos...

ps1

Se precisaram de mais mão de obra nas prisões basta revistar os prédios devolutos.Quase todos com uma imensa riqueza...
Lusitânea , 15 Dezembro 2012
...
Antigamente, até se publicitava que determinada obra do Estado, ex. palácios de justiça, tinham sido construídos com ajuda dos reclusos.
Há tanto aí por fazer em monumentos e edifícios do Estado que é um desperdício inexplicável ter pessoas reclusas sem fazer nada.
Dêem formação profissional aos reclusos sem qualificação e dêem-lhes logo o exercício de saber fazer, fazendo obra .
Porque não?
Telmo , 15 Dezembro 2012
...
E ainda há quem discorde de os meninos deverem ser obrigados a trabalhar...
Zeka Bumba , 15 Dezembro 2012
...
Não vejo qual é o espanto da notícia. Parece-me, aliás, mais um trabalho jornalístico de treta, e gente, que é séria (como considero estes foristas) a comentarem sem reflexão, como se os reclusos tivessem refeições de restaurante com estrelas michelan.
Pensando, ou queremos presos, ou não queremos. Se os queremos, temos, no mínimo, de os alimentar.
E pelas contas, cada refeição é muito barata.
Não sendo da área das matemáticas, a conta parece-me simples: 58300000 a dividir por 1095 (3 anos) = 53242 € por dia para alimentar reclusos. Havendo cerca de 11500 reclusos, a considerar o almoço e o jantar, cada refeição custa aproximadamente 2,31 €. Considerando que também tomam pequeno almoço, este valor baixa ainda mais. talvez para menos de 2 euros refeição.
Quem me dera a mim poder comer nessas cantinas. Não se deve comer mal, e sai barato.
ntr , 16 Dezembro 2012
hotel de trabalhos forçados
Lusitânea:
Inscreva-se ou candidate-se. Pode ser que haja vaga para si no nosso paraíso prisional.
Zeca Bumba:
O meu caro pelos vistos ainda não consegue atingir os minimos... da lógica. Trabalho onde? Nas empresas do Estado? Quais?
É que nos seus comentários me CHEIRA a privatização do sistema e a trabalho escravo . E que tal extracção obrigatória de orgãos dos reclusos? A fim de compensar as vitimas evidentemente!
Afinal de contas essa potência de enorme crescimento economico de que todos falam, e que pretendem copiar é isso mesmo que faz. Viva a CHINA!
Pedro Só , 16 Dezembro 2012
...
Não sei nem me interessa quanto custa a "diária" de cada criminoso preso. O que me revolta é saber que 580000000 de euros (onde se inclui a totalidade de impostos que me irã roubar nos próximos anos) serão para encher a barriga a criminosos que nada fazem quando estão presos e eu, se quiser comer tenho de andar a trabalhar.
Zeka Bumba , 16 Dezembro 2012
...
Ó Pedro Só,

Já lhe disse que o trabalho obrigatório é trabalho produtivo obrigatório, e é para o Estado (em obras públicas - escolas, tribunais, reabilitação de prédios do Estado e Câmaras, mobiliário para escolas, tribunais e serviços da AP, tipografia e encadernação, agricultura, etc) em vez de se andar a dar dinheiro a privados.

Quanto aos demais absurdos que refere (O QUE TEM O TRABALHO OBRIGATÓRIO A VER COM ESCRAVATURA E EXTRAÇÃO DE ÓRGÃOS???).

Só mais uma perguntinha, Pedro Só levantou-se-me a dúvida, por força da sua defesa acérrima dos presos e o completo desprezo para com as vítimas e as autoridades):

JÁ ESTEVE ALGUMA VEZ PRESO? OU ALGUÉM DA SUA FAMÍLIA "MAIS CHEGADA"?
Zeka Bumba , 16 Dezembro 2012
Nossos há muitos
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif

Pedro Só só vendo a sua foto é que poderia vir a concordar com o "nosso" sistema prisional.Pá para mim papel é papel...
E digo isto porque está sempre mas sempre do lado dos diferentes, esses constantemente explorados e coitadinhos...
Temos que descolonizar...
Lusitânea , 16 Dezembro 2012
Orgãos ...
Está redondamente enganado. Nunca estive preso, nem ninguém da minha familia conhecida "até á mais longinqua geração" esteve na prisa.
No entanto leio muito, e conheço as tendências neoliberais relativas aos sistemas prisionais. Como sabe nos EUA uma boa parte do sistema É PRIVADO!
No entanto quando abordei esse FACTO num comentário anterior, o Zeca parceu ficar meio gago e a patinar em gelo fino...

"Quanto aos demais absurdos que refere (O QUE TEM O TRABALHO OBRIGATÓRIO A VER COM ESCRAVATURA E EXTRAÇÃO DE ÓRGÃOS???).

TEM TUDO

Trabalho obrigatório como?
Sendo juíz bote lá uma sentença em que condena alguém digamos a 5 anos.
Condena a quê?
1º 5 anos de reclusão?
2º 5 anos mais trabalho obrigatório?
a) fazer limpezas
b) oficinas
c) cozinha,lavandaria etc.
d) partir pedra,abrir valas, e equivalentes.
e) Fazer tudo o que lhe ordenarem.

Ora parece-me que Zeca Bumba defenderia sem dúvida a alinea - e)

É que "trabalho obrigatório" é uma termo suficientemente vago para incluir tudo o que se queira!
E gramaticalmente não há diferença entre "OBRIGATÓRIO" e FORÇADO"!
Ser-se forçado ou ser-se obrigado tem alguma diferença?
E quanto á doação obrigatória de orgãos... leia homem leia! Ou acha que não existe?
É por estas e por outras que ponho em causa a sua condição de juiz, a não ser que (como já por aqui li) que viva ainda no século XVIII..

Lusitânea:
Não se preocupe! Sou tão judeu como os restantes beirões da Beira Alta e da Beira Baixa.
Quanto ao meu caro soa-me sempre a mourisco complexado!
Será por aí das bandas de Alcácer do sal? Ou da Zona de Coruche?
É por aí são todos mestiços mesmo que se note pouco! Foram importados juntamente com a cultura do arroz alguns séculos atrás!
Para quem se arroga a usar um nick de "Lusitânea" parece-me absurdamente ignorante! Desconhecedor da história pátria!
Sem dúvida um retornado ou um dos expoliados do ultramar... e pelos vistos expoliado da inteligência também!


Pedro Só , 16 Dezembro 2012
...
Conforme é referido na notícia, cada recluso custa 40 euros dia (no ano passado dizia-se que custava 50 euros dia). Desse valor, 4,6 euros correspondem a gastos na alimentação, o que me leva a supor que os restantes 33,4 euros sejam gastos no controle do recluso dentro da prisão.

Se vigiar um preso, dentro de uma prisão, custa os tais 33,4 euros dia por recluso, eu nem quero imaginar quanto custará vigiar cada um deles no exterior, nos trabalhos que fossem obrigados a fazer. Sobretudo nos presos mais violentos, o custo de vigia fora de quatro paredes seria colossal, colossal.

Dizer-se pois que os reclusos podem ser utilizados, por exemplo, na reconstrução dos Tribunais, Escolas, etc. ..., com o objectivo de se poupar dinheiro é: um perfeito disparate. No pressuposto de que todos teriam de trabalhar, se a vigia dentro de uma prisão é cara... a vigia no seu exterior traria os tais custos colossais.
Franclim Sénior , 16 Dezembro 2012
...
Ainda umas notas:

É certo que na vigia exterior, ajudava aplicar nos presos o tratamento que antes era dado aos escravos - com correntes e ferros no pescoço, pernas e pés para que não fossem muito longe, bem vigiados por dois carrascos munidos de chibata.

Ou então, numa versão mais moderna, chips implantados que provocassem o efeito da miotonia no detido mal este ouvisse a voz do carrasco (miotonia - doença/fenómeno que afecta algumas cabras, e que as faz perder a força nos membros quando se assustam - caem literalmente para o lado -.

E o Estado sempre podia começar a cobrar uma taxa - mais uma para bem de toda a comunidade - a todos os indivíduos que quisessem ir vêr presencialmente os detidos nesses propósitos, estilo jardim presológico, onde lhes poderiam dar bananas e amendoins para que depois eles não tivessem de comer na prisa à nossa custa.

E ainda criar um canal na MEO que emitisse tudo o que se passa no interior das celas, ao estilo da degradante "casa dos segredos". E para apimentar a coisa, sessões diárias de confessionário, obrigação de os presos dormirem na mesma cama para os momentos porno - o portuguesinho tapa a vista mas deixa sempre um dedo mal colocado para vêr tudo -. E ainda expulsões semanais, que o público podia escolher votando através de linhas de valor acrescentado. E umas pancaditas e "tazer" à medida para fazerem subir a audiência. E, e...

Como se vê, há muito potencial que ainda não foi explorado e que pode ter fins educativos e preventivos, além de ser uma enorme fonte de receita.

Cumprimentos. smilies/cheesy.gif
Franclim Sénior , 16 Dezembro 2012
...
Não Pedro Só, tenho a profissão que digo ter e vivo no séc. XXI e em Portugal e não no País das Maravilhas. Porém, aceito as suas dúvidas como o meu caro tb certamente aceitará as minhas...

E sim, os meninos têm de começar a vergar a mola, chame-e-lhe trabalho forçado ou obrigatório. Tanto me faz. Apenas NÃO QUERO que esses meninos comam dos meus impostos nem que, em vez de bulirem como os demais cidadãos DE BEM (eles não o são), estejam a segurar as paredes e a tirar o resto do "curso" com os animais que lá passam a vida para que, quando sairem, não virem ainda mais animalizados do que quando entraram para a choça.
Zeka Bumba , 16 Dezembro 2012
Se sou judeu a inquisição salvou-me
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif

Falsos beirões há muitos.Então frequentadores da praça D.Duarte em Viseu...
Essa técnica de propaganda internacionalista de nivelar por baixo o adversário comigo não pega.E da história pátria interesso-me especialmente como os nossos avós lidaram com a traição...dos do tudo e do seu contrário...

Lusitânea , 17 Dezembro 2012
O trabalho gratuito nas prisões é legal
A Convenção Europeia dos Direitos do Homem permite, expressamente, o trabalho nas prisões.

"Artigo 4.º
Proibição da escravatura e do trabalho forçado
1.Ninguém pode ser mantido em escravidão ou servidão.
2.Ninguém pode ser constrangido a realizar um trabalho forçado ou obrigatório.
3.Não será considerado "trabalho forçado ou obrigatório" no sentido do presente artigo:
a) Qualquer trabalho exigido normalmente a uma pessoa submetida a detenção nas condições previstas pelo artigo 5.º da presente Convenção, ou enquanto estiver em liberdade condicional;
b) Qualquer serviço de carácter militar ou, no caso de objectores de consciência, nos países em que a objecção de consciência for reconhecida como legítima, qualquer outro serviço que substitua o serviço militar obrigatório;
c) Qualquer serviço exigido no caso de crise ou de calamidade que ameacem a vida ou o bem-estar da comunidade;
d) Qualquer trabalho ou serviço que fizer parte das obrigações cívicas normais."

1.O nº 3 consagra os casos que não são considerados trabalho forçado ou obrigatório.
2.Os detidos podem ser obrigados a trabalhar sem direito a qualquer remuneração, mesmo que esse trabalho seja prestado a empresas privadas. (Relatório de 19/07/1969, B 10, página 96; acórdão De Wilde, Ooms e Versyp, de 18/06/1971, considerando 89; decisão de 07/02/1967, queixa 2661/65; decisão de 06/04/1968, queixas 3134 e outras de 1967)
3.A Convenção não garante o direito à objecção de consciência, como não garante o direito a ser isento do serviço cívico em substituição do serviço militar obrigatório. Tal serviço não é um «trabalho forçado ou obrigatório». A sua duração, aliás, pode ser superior à do serviço militar obrigatório. (Ver decisões citadas in F. Sudre, Le droit européen, p. 411-412)
4.São obrigações cívicas normais a prestação de auxílio a terceiros, ajudar a preencher documentos, etc. (Law and practice, p. 124)
5.Não constitui trabalho obrigatório aquele que é imposto a um desempregado, mesmo que não corresponda às suas qualificações, sob pena de perder o subsídio de desemprego caso não o aceite. (X. c. Países Baixos, decisão de 13/12/1976, queixa nº 7602/76 e La Convention Européenne…, p. 34)
6.O trabalho tanto pode ser manual como intelectual. (Acórdão Van der Mussele c. Bélgica, de 23/11/1983, e processo X. e Y. c. Alemanha, queixa nº 7641/76, decisão de 11/12/1976).
7.Sobre o trabalho gratuito dos advogados oficiosos veja-se o acórdão Van der Mussele c. Bélgica, de 23/11/1983.
8.Violará o artigo 4º, nº 3, o facto de o Estado obrigar os homens a ser bombeiros ou pagar uma taxa em vez disso. (Acórdão Karlheinz-Schmidt c. Alemanha, de 18/07/1994)
9.O artigo 4º impõe obrigações positivas aos Estados, obrigando-os a adoptar disposições de natureza criminal e a reprimir, efectivamente, quaisquer comportamentos proibidos pelo artigo 4º. (Acórdão Siliadin c. França, de 26/07/2005, considerandos 89 e ss.)
10.O serviço de júri obrigatório é uma obrigação cívica normal prevista na alínea d) do nº 3. A obrigação de pagar uma multa pela não comparência releva dessa alínea. (Acórdão Zarb Adami c. Malta, de 20/06/2006, considerando 47)

In a Convenção Europeia dos Direitos do Homem Anotada, Jorge de Jesus Ferreira Alves, Legis 2008, Porto
Jorge de Jesus Ferreira Alves, Advogado , 17 Dezembro 2012 | url
...
Obrigar os presos a trabalhar?!! E se eles recusarem trabalhar? Prendem-nos? E trabalhando fora das prisões, vigiam-nos como, com chicotes e correntes, como diz o Franclim Sénior?
É incrível, mas há aqui gente que não consegue fazer um único comentário com bom senso, é tudo na base do mata, prende, esfola, rebenta, bate, etc.

Aliás, há aqui comentadores que das duas, uma, ou comentam (todos os temas) com o único propósito de irritar os outros ou então, a imbecilidade tomou conta deles completamente.


Zé da Laurinda , 17 Dezembro 2012
...
O ócio cria vícios.
Silva , 17 Dezembro 2012
...
Penso que se depreende, mas esclareço que o meu último post é uma provocação e que me repugnaria que essas coisas acontecessem.
Franclim Sénior , 17 Dezembro 2012
...
Pedro Só,
Zé da Laurinda,
Franclim Sénior;

Ainda vos irei ver a permutar as penas com os reclusos, ou seja,vão vocês cumprir a pena e vem eles para as vossas cruzadas políticas.

"Aliás, há aqui comentadores que das duas, uma, ou comentam (todos os temas) com o único propósito de irritar os outros ou então, a imbecilidade tomou conta deles completamente."
Zé da Laurinda, então esta é um pérola de V. Exª.
TANCREDO , 17 Dezembro 2012
...
Pedro Só,

Vê-se logo que não é jurista, pois, se o fosse - e percebesse minimamente da cepa -, saberia que não há direitos absolutos. E o "direito" dos presos a não fazerem nenhum terá de ceder - salvo no país da Utopia, onde o meu caro parece viver - face ao direitos à segurança dos demais cidadãos (que é incompatível com os presos sairem da cadeia ainda mais refinados após terem tirado o resto do curso, que certamente não tirariam se passassem os dias a trabalhar) e ao direitos destes a não pagarem impostos excessivos para terem de encher a barriga aos meninos sem que estes produzam o que quer que seja.

Porque razao tenho eu de trabalhar para ter comida, cama e roupa lavada (E NÃO COMETI CRIME NENHUM!) e esses indi´víduos (QUE ESTÃO LÁ PORQUE COMETERAM CRIMES), só porque estão presos, nada têm de fazer.

Quanto ao Zé da Laurinda,

Pode crer que tenho mais o que fazer do que vir para aqui "irritar" gente insignificante como você. Aliás, pelas suas opiniões, até chego a pensar que já esteve "de cana" ou entÃo que atingiu um estado de imbecilidade tal, que talvez seja melhor pedir ao MP para pôr a açãozita de interdição.

Caro Franklim,

E que tal pôr a tropa a tomar conta deles, em vez de estarem nos quartéis a jogar a "cartada"?
Zeka Bumba , 17 Dezembro 2012
...
Prezado Sr. Dr. Tancredo, considero que os presos devem pagar pelos seus crimes, e em grande! Mas creio que tal se deve limitar à privação da liberdade. Sei que em alguns casos isso é muito pouco..., paciência.

1. Impôr a alguém preso apenas duas opções: "ou trabalhas ou morres à fome" não é algo aceitável. Se a sociedade os prende, tem de os sustentar e garantir a sua saúde; tem de ser assim.

2. Não me oponho a que os presos trabalhem, desde que esteja garantida a não exploração e eles possam guardar esse dinheiro para o usarem após o regresso à liberdade, e fazerem os respectivos descontos para terem uma reforma digna. Mas apenas nessas condições.

3. Sinceramente, acho que esta discussão já deu o que tinha a dar, e a experiência do passado devia ser suficiente para rejeitarmos liminarmente o regresso da ideia de, que quem não é útil a si próprio não deve ser sustentado pela sociedade. Esse debate foi feito pela população alemã na década de 30 e 40, e deu no que deu: extermínio a eito de criminosos, homossexuais, doentes e velhos... Espero que isso não se repita.

Cordiais saudações.
Franclim Sénior , 17 Dezembro 2012
...
Ainda:

Prezado Sr. Dr. Tancredo, vejo que já tem alguns votos negativos. É a vida. smilies/grin.gif São tão legítimos os negativos como os positivos.
Em todo o caso, nesta Revista apenas votei uma vez um menos (-) - foi há 3 dias e por engano; rectifiquei-o e ficou sem efeito. Quanto a mais (+)..., já votei bastantes... (nenhum deles em mim).

Prezado Sr. Dr. Zeka Bumba, nessas cartadas que se joga nos quartéis... é a feijões ou tem de se tirar a roupa? smilies/grin.gif

Cumprimentos smilies/smiley.gif
Franclim Sénior , 17 Dezembro 2012
Ainda há...
Comentários mais esclarecidos.
Caro advogado Jorge de jesus Ferreira Alves.
Agradeço o seu comentário.
Primeiro porque é despido de razões politicas, ideológicas ou emocionais.
Segundo porque é educativo.
Acontece que estamos a entrar numa espécie de "New Age of Darkness"... e que o sistema opinativo de cada individuo parece derivar da filisofia Bushista do nineleven, que assenta no pressuposto de que "Quem não tem a minha opinião,é terrorista!"
De facto o trabalho prisional não é matéria tabu. Nem tão pouco sou contra a sua existência.
Vejamos apenas o seguinte facto:
Qualquer individuo na sociedade que tenha que pagar uma divida tem que TRABALHAR para saldar a mesma.
Evidentemente que qualquer criminoso, condenado a pagar uma divida (por exemplo á sua vitima) DEVE TRABALHAR para saldar a mesma! COMO QUALQUER OUTRO CIDADÃO!!!!
O contrário seria aberrrante!
No entanto quando se fala de trabalho prisional, alguns dos comentarios que rebato encaram-no apenas de forma punitiva ou seja: como uma forma de condenação ou pena á surrelfa ou á margem da lei! Tipo aditivo á pena.
Mais grave ainda,referem trabalho em favor "da sociedade" (ahahahaha) ou seja de BORLA já que a dita não compensa as vitimas condignamente!
Pedro Só , 18 Dezembro 2012
...
Ó Bumba,

Vou-lhe dar um conselho: faça os comentários antes de almoço. Para o bem de todos.
Zé da Laurinda , 18 Dezembro 2012
...
Caro Franklim, se for como era no meu tempo, acho que é mesmo a dinheiro.smilies/wink.gif

Pedro Só,

Denoto aí um certo virar o bico ao prego no seu último comentário. Não me diga que estava a caminho de Damasco quando o "postou". Porém, ainda aí reina um pouco de confusão:

a) estas visões apocalípticas não passam de "granadas de fumo" só para entrarem pelos olhos dentro dos outros e esconderem, a realidade do problema.

b) o trabalho obrigatório não é pena nenhuma "aditiva", é tão só uma das obrigações dos presos que devia existir no estatuto destes, ao lado de outras obrigações (cada vez menos) e dos direitos (cada vez mais, ao ponto de até já terem direito a "sala da queca").
Zeka Bumba , 18 Dezembro 2012
...
Ó Zé da Laurinda,

Porquê esse conselho? Consigo funciona? O seu anterior comentário foi feito depois de almoço e a resposta colidiu-lhe com a ressaca?
Zeka Bumba , 18 Dezembro 2012
Tirar as "medidas"
Caro Zeca:
Não existe coisa tal como "virar o bico ao prego " em qualquer dos meus comentários!
Existe sim e na generalidade uma frustração abstracta relativamente ao criminoso, (seja crime aquilo que seja) e que o meu caro pretende ver aplicado Á MARGEM DE QUALQUER LEI!
Ou seja, " á vontade do freguês", sendo ele Zeca Bumba de preferencia!
Quanto ao seu ultimo parágrafo, gostaria de vercva sua aplicabilidade transcrita!
Ou seja; deve achar que quem recusar trabalho deve ver a sua pena agravada?
Por outro lado, revela uma ENORME ignorãncia relativamente ao sistema prisional!
A maior parte dos reclusos considera ter trabalho um PREVILÉGIO!
Simplesmente é CARO !!!!!!!!!
Pedro Só , 18 Dezembro 2012
Sala da queca?
Doutor Zeca:
Presumia de tão profícuo comentador o conhecimento e as razões da existência de tais apartamentos!
Mas de facto a Ignorância não escolhe ......... Aparece por todo o lado...
Kill Bill , 18 Dezembro 2012
...
E o Sr. BOA não diz nada sobre isto? Que a culpa é dos juizes, que aplicam muitas penas de prisão? Noto que tem andado muito calado ultimamernte....!
Indignado , 18 Dezembro 2012
...
Pedro Só,

Acredito que possa conhecer melhor o sistema prisional do que eu (vá-se lá saber porquê), mas, na realidade, não percebe nada de horta. Tenho vários amigos guardas prisionais que me dizem exatamente o contrário. Os cavalos malandros qie passam a vida na cadeia RECUSAM-SE a prestar qualquer espécie de trabalho e aguente-se que andar a brincar aos artesanatos não é trabalho, mas sim passatempo. Os únicos que ainda vão trabalhando são os "menos maus", aqueles que cometeram um "deslize" w não os cancros incorrigíveis.

E sim, para os incorrigíveis deviam prorrogar-lhes a pena a título de medida de segurança (mediante depacho judicial de decretamento e de prorrogação: enquanto não mostrasse emenda, não saía e sujeitar-se ap trabalho seria um bom indício),pois era o que faltava os cidadãos de bem terem de arcar com criminosos incorrigíveis (assassinos, ladrões, traficantes de droga, pedófilos, etc) em liberdade.

TANTO ME FAZ QUE OS "ASSUSTADOS" VENHAM PARA AQUI TODOS CHOCADOS, pois quem tanto defende os bandidos é pior do que eles.

Zeka Bumba , 18 Dezembro 2012
...
Kill Bill,

Tem toda a razão, simplesmente esses "apartamentos" visam aquilo que eu sei que visam enão aquilo que o meu caro (me) quer fazer crer: desengan-se, pois a finalidade essencial NÃO FOI "acalmar" os mânfios nem diminuir os "escorregões no sabonete" permitindo-lhes despejar a testosterona periodicamente. Tratou-se de mais uma medida para "humanizar" mais a vida dos pobres reclusos, essas grandes vítimas da sociedade malvada.

Daí que, como muito bem diz, a ignorância não escolha e apareça por todo o lado, mesmo naqueles que se julgam menos ignorantes do que os outros que têm opiniões contrárias às deles...
Zeka Bumba , 18 Dezembro 2012
sabãos
Doutor Zeca:
Afigura-se-me que faz das leis o que o governo faz da constituição!

Kill Bill , 19 Dezembro 2012
...
Não Kill Bill,

Eu CRITICO a lei que existe. E tb mñão sou juiz do crime, sou do cível. Por isso, esta lei penitenciária PATETA passa-me ao lado.
ADEMAIS, a CRP tem de ser um instrumento de proteção dos cidadãos de bem e não um patrocínio da impunidade da bandidagem.
Zeka Bumba , 19 Dezembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Sistema Político 58 milhões para alimentar presos

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico