In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Presos custam meio milhão por dia

  • PDF

Cadeias batem recordes de presos: Número de reclusos ultrapassou, pela primeira vez desde 2004, os 13 mil. Custo ascende a meio milhão/dia

É um novo recorde nas prisões portuguesas: O número de presos ultrapassou, pela primeira vez desde 2004, os 13 mil. Segundo os dados mais recentes da Direcção-Geral dos Serviços Prisionais (DGSP), a 1de Abril havia 13 285 presos nas cadeias portuguesas: 10 482 condenados (79,7 por cento), 2663 preventivos e ainda 140 inimputáveis. Tendo em conta que um recluso custa, em média, 40 euros por dia, segundo já foi assumido publicamente pelo próprio director-geral das prisões, Rui Sá Gomes, os 13 285 reclusos custam ao Estado 531 mil euros por dia.

Depois de no final do ano passado o número de reclusos ter ultrapassado os 12 mil, o que já não acontecia desde 2006, agora chegou mesmo aos 13 mil. No final de Dezembro estavam detidas 12 681 pessoas, o que significa que, em apenas quatro meses, foram presas mais 604 pessoas. Em relação a 2012, a DGSP apenas disponibiliza as mais recentes estatísticas quinzenais, o que permite perceber que a tendência de aumento do número de reclusos mantém-se: entre 15 de Março e 1 de Abril, recolheram às cadeias 72 pessoas. De acordo com os mesmos dados, que não estão discriminados quanto ao tipo de crimes, 80 por cento dos presos são portugueses e 20 por cento são estrangeiros, percentagem que se tem mantido sem grandes oscilações ao longo dos anos. O mesmo acontece em relação às mulheres, que representam apenas 5,6 por cento da população prisional, que está dividida em estabelecimentos centrais, especiais e regionais.

Sobrelotação atinge 1541 reclusos
As cadeias portuguesas têm uma lotação de 12 077 reclusos, mas o número já foi largamente ultrapassado, com 13 285 presos nos 51 estabelecimentos prisionais. De acordo com as estatísticas oficiais mais recentes, referentes a 1 de Abril, actualmente há 1541 presos a mais nas cadeias, sendo que a sobrelotação já não é apenas um problema dos estabelecimentos regionais (969 presos em excesso), atingindo também os centrais (572 reclusos a mais).

Aumento da criminalidade altera leis
Nos últimos anos, a maior queda da população prisional verificou-se em 2008, precisamente após a entrada em vigor das leis penais que restringiram a aplicação da preventiva e alargaram a possibilidade de suspensão da pena. Nesse ano, o número de reclusos baixou pela primeira vez dos 11 mil. No entanto, o Verão quente de 2008 acabou por estar na origem de novas alterações penais, e desde então a população prisional tem vindo a aumentar progressiva mente."Há mais crime e mais crime violento, e as polícias andam mais nas ruas " diz um magistrado ao CM.

DETIDOS POR ROUBO
Dois jovens, de 18 e 21 anos, foram detidos pela PSP na última semana de Março pela prática de roubos por esticão nos comboios da Linha de Sintra, onde esmurravam e pontapeavam as vítimas para obter objectos de ouro. Ficaram em prisão preventiva.

PRESO POR FACADAS
Um homem de 47 anos, que deu várias facadas na companheira e na filha desta, em Benfica, deixando-as em estado grave, foi detido e ficou em prisão preventiva, no dia 28 de Março. A PSP já tinha mais queixas contra o agressor.

AGRESSOR NA CADEIA
Um homem de 39 anos, servente de pedreiro, ficou a aguardar julgamento em preventiva, no dia 27 de Março, depois de ter atingido a ex-mulher a tiros de caçadeira, nas Caldas da Rainha.

ABUSADOR PRESO
Na última semana de Março, a Polícia Judiciária de Lisboa deteve um homem, de 31 anos, por abusos sexuais sobre a filha, de oito anos, e por ter violado a mulher, na Amadora. Presente a juiz, ficou em prisão preventiva.

Ana Luísa Nascimento | Correio da Manhã | 17-04-2012

Comentários (9)


Exibir/Esconder comentários
...
E quanto custam os desmandos que essa gentinha faz quando está em liberdade?
Certamente muito mais!
Zeka Bumba , 17 Abril 2012
O SOS RACISMO QUE DEITE FOGUETES
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif
Não é que os tais 80%, 20% lá fora costumam ser precisamente ao contrário?Bem como não nos dizem quanos lá estão "nacionalizados" coisa que por cá é "na hora" quase...
Mas não desistam.Nunca.Lá para o fim da vida talvez nos enriqueçam...
ps
Claro que os ciganos são "nossos"...
LUSITÂNEA , 17 Abril 2012
...
Ainda pensei de ver aqui nestes exemplos algum presidentes de câmara e ex-presidentes de câmara, ex-apresentadores de televisão e ex-banqueiros, banqueiros e ex-ministros, embaixadores e médicos, ex-deputados e professores, advogados e empresários, mas não, esses dão mais «lucro» ao Estado estarem cá fora.
Falido e mal pago , 17 Abril 2012
VINHA MESMO A CALHAR

Que tal uma amnistiazinha?...

Vinha mesmo a calhar, não vinha?!...

Os cofres do Estado sempre poupavam uns cêntimos...

António , 17 Abril 2012 | url
...
E porque não, em vez das penas de prisão, voltar-se às pancadas de espada de prancha, carrinho perpétuo (argolas de ferro nas pernas) e trabalho nas fortificações, previstas no regulamento do Conde de Lippe?
Luis , 17 Abril 2012 | url
Voces sabem la
No meio dessa gentinha que atras referiram, estao muitos pais de familia e ainda preventivos. Se soubessem as miseras condicoes que existem no EPL, nem conseguiriam dormir. Desde ratos com tamanho de coelhos, ate baratas a passear na comida, roupa e cama. Sem falar que nao ha luz nas celas e ate ja morreu gente por nao haver nada que alerte os guardas em caso de emergencia. Nao existe reinsersao social alguma nem acompanhamento. O que se faz eh planear o proximo roubo, etc... A prisao eh um negocio para alguem. Ate a comida esta podre para se comprar no bar da cadeia. VOCES SABEM LA !!!
Preso , 17 Abril 2012
conde de LIppe...
Caro Luís:
Já agora acrescente que nos sistema de reorganização do Conde de Lippe era exigido ao sargento da companhia que soubesse ler ler, escrever e contar, já que os nobres eram uma cambada de ignorantes!
Então como agora! Hem?????
Pedro Só , 17 Abril 2012
...
È acabarem com as férias!. É pô-los a trabalhar em prol da comunidade. Trabalhar para produzir, ganhando o comer que tem prato. È um simples principio básico que se aplica a todo e qualquer cidadão honesto e trabalhador, porque razão serão os presos exeção!. Nos EUA existem exemplos com sucesso desse modelo de “prison labor”, que é até uma boa forma de ressocializar os individuos.
insanojuridico , 18 Abril 2012
...
Trabalhos forçados parece-me bem.
Portugal é um País de tão pequenas mentalidades, tão mesquinho que até se tem inveja das condições dos presos.
Se vivem mal, estão desempregados, não têm comida e estão com inveja dos presos, tentem ser presos! Não é fácil (outra conversa), mas tentem.
Ccv , 13 Maio 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal Presos custam meio milhão por dia

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico