In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

5000 polícias gritaram "gatunos" frente ao Parlamento

  • PDF

Entre 4.000 e 5.000 agentes da PSP manifestaram-se esta terça-feira em frente à Assembleia da República, em Lisboa, contra os cortes previstos no Orçamento do Estado para 2013.

O protesto foi organizado pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP), que entregou uma moção aos grupos parlamentares.

O dirigente da ASPP, Paulo Rodrigues, disse que a adesão à manifestação, iniciada com uma marcha desde a praça Camões até à Assembleia da República, superou as expectativas.

Os manifestantes começaram a chegar junto à Assembleia da República perto das 19h00, na altura em que soaram o Hino Nacional e "Grândola Vila Morena", de José Afonso.

Na escadaria em frente à fachada principal da Assembleia da República encontravam-se elementos das equipas de intervenção rápida da PSP, em serviço.

Os polícias em protesto gritaram frases como "Gatunos, gatunos", e exibiram faixas com palavras de ordem "Pela colocação das novas posições remuneratórias", "Em defesa da segurança pública, contra o corte" e "Por um estatuto profissional digno".

O presidente da ASPP/PSP disse que, no final da manifestação, será entregue um documento a todos os grupos parlamentares, em que são mencionadas as medidas que os agentes querem ver revistas no Orçamento do Estado.

Paulo Rodrigues disse que esta é a maior manifestação de sempre organizada pela estrutura sindical, e justificou a adesão com "a desmotivação" da classe.

Os profissionais da polícia criticam a suspensão da passagem à pré-aposentação, o fim da utilização gratuita dos transportes públicos e o aumento dos encargos com o subsistema de saúde.

Rádio Renascença | 06-11-2012

Comentários (6)


Exibir/Esconder comentários
...
Os polícias em protesto gritaram frases como "Gatunos, gatunos",
Ora eu como cidadão e ex agente de autoridade que abandonou a instituição "1983" por discórdia com certos procedimentos existentes na corporação que foi criada para servir as populações e respetiva integração e não de auto protegerem-se, dizerem-se autoridades fugindo às responsabilidades fica-lhes mal esta atitude. Um agente de autoridade têm que ter uma posição firme e coerente e não se tornar num bandalho, muito embora e às vezes, apetece-se abandalhar.
Depois os profissionais da polícia criticam a suspensão da passagem à pré-aposentação, o fim da utilização gratuita dos transportes públicos e o aumento dos encargos com o subsistema de saúde.
Pois, eu fui militar, fui policia, tinha formação académica superior à maioria dos que frequentava a escola de policia no meu ano, paguei sempre passe enquanto pertenci à corporação para não me sujeitar às regras do 1*1*1 das autoridades nos transportes públicos e tal como antes pago o meu passe mensalmente para ter direito ao transporte h para me deslocar para o trabalho. Então, porque razão os GNR, os PSP ou outras forças tdevem ter passes gratuítos para se deslocarem para o seu posto de trabalho? Se têm uma profissão e já são uns sortudos por terem emprego já que não querem pagar passe, porque pagar renda de casa, água, luz e telemóvel?...
Quanto ao resto eu que já trabalho à anos e que também tenho direitos e deveres, porque razão tenho de descontar 10% à cabeça na aposentação ou ainda 6 vezes o nº de anos para prefazer os 65?
Cidadão decente , 07 Novembro 2012 | url
...
E não gritaram mentira nenhuma.
Zeka Bumba , 07 Novembro 2012
...
O cidadão decente, escreveu que foi policia em tempos mas que na época pagava o seu passe e fazia isto porque prpvavelmente tinha receio de ser confrontado com alguma serviço que surgisse nos transportes públicos pois saberiam que ele era policia e tinha de intervir se o chamassem, assim pagava os eu passe e passva despercebido, grande policia!!
E m emigração , 07 Novembro 2012
...
E m emigração Desengane-se. Devidamente fardado e de passe de transporte no bolso, circulava calmamente em Lisboa e nos transportes para o qual estava habilitado sem ter que me sujeitar a esperar por outro meio de transporte, porque no local já outros elementos aguardavam a sua vez ( relembro que nos transportes públicos só poderiam circular três elementos fardados com direito a transporte gratuito) e como fardado não gostava de ser enxovalhado, legalmente, pela população utente dos transportes, referindo-se à gratuitidade, ou para os incautos agentes que tentavam furar esse rigor. Adianto que um dia, apanhando a carreira 18 em Campo de Ourique, primeiro elemento fardado a entrar no autocarro e no Alto de Campolide, mais três elementos também fardados entraram calmamente sem mostrarem qualquer titulo. Não gostei da atitude destes elementos porque nada disseram ao motorista. Houve uma reação da população e com razão Valeu o meu passe para calar uns e salvar as orelhas dos outros
Cidadão decente , 07 Novembro 2012 | url
...
Só é pena que depois de lhes chamarem gatunos (disseram averdade) depois ataquem jornalistas em Universidades piratas...
Jesse James , 07 Novembro 2012
procedimentos
Alem de gritar gatunos, as policias deviam proceder em conformidade. Dete-los. smilies/wink.gifsmilies/wink.gifsmilies/wink.gif
Pedro Só , 08 Novembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal 5000 polícias gritaram "gatunos" frente ao Parlamento

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico