In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Número de presos subiu 17% desde o início da crise

  • PDF

O número de cidadãos presos não pára de aumentar em Portugal desde 2008, ano em que começou a crise, e já se aproxima do máximo histórico registado há cerca de nove anos, quando existiam perto de 14 mil prisioneiros. A partir de 2003 a população prisional começou a baixar, sobretudo depois de 2006 com as novas regras da prisão preventiva, mas em 2008 voltou a crescer. E a tendência mantém-se.

Segundo os mais recentes dados estatísticas do Ministério da Justiça, entre 2008 e 2011 o número de presos nas cadeias portuguesas subiu 17,3%, para 12.690. São mais 1.877 prisioneiros no espaço de três anos. Um ritmo de 52 pessoas presas por mês, sem que as prisões tenham capacidade para os receber, já que muitas estão sobrelotadas. Tanto mais porque desde 2002 se reformaram 600 guardas prisionais, sem haver compensação nas entradas.

A sobrelotação das prisões portuguesas foi, aliás, recentemente notícia no "The New York Times", que descrevia uma "situações intolerável", sobretudo nalgumas prisões regionais, com a taxa de ocupação a ultrapassar os 100%.

A oposição - sobretudo o PCP temalertado para esta situação e a ministra da Justiça já anunciou que vai dar formação a 240 novos guardas prisionais e que será lançado um plano de requalificação das prisões existentes, que inclui dois mil novos lugares. A semana passada, por exemplo, foi já aprovada em Conselho de Ministros uma verba de 738 mil euros para a prisão de Leiria. Vão ainda receber obras durante o próximo ano as cadeias de Caxias, Alcoentre, Viseu e Angra do Heroísmo.

Os mesmos dados do Ministério da Justiça mostram que os crimes contra o património foram dos que mais aumentarem na população prisional, sobretudo desde 2010. Também os crimes contra as pessoas conheceram um aumento. A explicação de alguns especialistas vai não só para o momento de crise em que o país vive, com o aumento de delitos menores, como para a impossibilidade dos autores de pagarem as multas, optando por cumprir pena de prisão. Em 2011, por exemplo, além do furto em veículo motorizado, outros dos crimes mais registados pelas autoridades policiais foi o furto a residências, com arrombamento ou chaves falsas. O furto por carteiristas também subiu.

Inês David Bastos | Diário Económico | 27-12-2012

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
Dos pilha-galinhas
O sistema serve (bem) o controle social sobre os pilha-galinhas. É para isso que está gizado. o Poder não permitirá nunca (aqui e em qualquer outro lado) que se vá além disso. Só se chegará aos «sugadores» num período revolucionário, após uma explosão social, a qual (também) será breve, pois os abutres se travestirão e novamente se apoderarão das chaves do castelo..
Francisco do Torrão , 27 Dezembro 2012
Deve ser por isso que não existem corruptos e colarinhos brancos por cá
smilies/grin.gifsmilies/grin.gifsmilies/grin.gif
É só uma questão de hotelaria...
Lusitânea , 28 Dezembro 2012
...
A malta do BPN está presa na Quinta da Marinha e na Quinta da Lebre, ou da Coelha, ou lá o que é. Sempre sai mais barato.
Sun Tzu , 30 Dezembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal Número de presos subiu 17% desde o início da crise

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico