In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Militares e polícias em risco de ficarem com menos férias

  • PDF

Governo quer tirar cinco dias extra de férias a militares e polícias. Juizes e inspectores também são abrangidos pelo fim das “férias frias”.

O Governo quer harmonizar as regras de férias e de faltas dos funcionários nomeados com as daqueles que estão, desde 2009, em regime de contrato. A proposta que hoje começa a ser discutida com os sindicatos elimina as chamadas “férias frias”, que oferecem aos trabalhadores que mantêm o vínculo de nomeação – como os militares, os polícias, os juizes ou alguns inspectores – a possibilidade de acumular mais cinco dias de férias por ano, sempre que optem por concentrar as férias no Inverno. “

O artigo que o Governo propõe agora revogar funciona como um incentivo à distribuição dos dias de férias do grupo de funcionários pelo ano inteiro. Prevê que o funcionário que goze todas as férias no Inverno – de Janeiro a Maio ou de Outubro a Dezembro – tenha direito “no próprio ano ou no ano imediatamente a seguir, consoante a sua opção, um período de cinco dias úteis de férias”, a ser gozadas noutros meses que não os do Verão.

Este benefício foi retirado em 2009 à maioria dos funcionários, que transitaram para o regime de contrato de trabalho em funções públicas. O Governo socialista afirmou, na altura, que as “férias frias” eram muito pouco utilizadas. Mas manteve-se em vigor para os que têm vínculo de nomeação: funcionários das Forças Armadas, de representação externa do Estado, de segurança pública ou de inspecção. A eliminação desta norma – bem como de outras especificidades – é feita através da revogação dos artigos do decreto-lei 100/99. A proposta apresentada prevê, por outro lado, que em matéria de férias e faltas os nomeados passem a ter as regras dos restantes funcionários.

No sector privado, o Governo eliminou os três dias adicionais de férias a que tinham direito os trabalhadores assíduos, o que significa que a partir de 2013 a maioria passará a ter apenas 22 dias por ano. Na Função Pública, para já, mantém-se intacta a norma que prevê que a generalidade dos funcionários públicos tenham entre 25 e 32 dias livres por ano, consoante a idade e a antiguidade. Os que se distinguirem na avaliação de desempenho poderão ter mais.

Sindicatos dizem que a proposta do Governo é “muito negativa”

O Governo encontra-se hoje com os sindicatos para debater a proposta enviada na segunda-feira, que regulamenta as condições para as rescisões amigáveis e que alarga a mobilidade geográfica, nos termos que o Negócios já noticiou (ver à direita).

A apreciação dos sindicatos é “muito negativa”, resume Bettencourt Picanço, do STE. “Impõe situações cada vez mais difícieis aos funcionários que os podem conduzir à rescisão”, acrescenta José Abraão, da Fesap. “Uma vergonha”, concluiu Ana Avoila, da Frente Comum, citada pela Lusa

Catarina Almeida Pereira | Jornal de Negócios | 26-04-2012

Comentários (16)


Exibir/Esconder comentários
...
Se a senhora jornalista fizesse o trabalhinho de casa e uma investigação decente como lhe deveria ser exigido para manter o seu posto de trabalho, chegaria facilmente à conclusão que os juízes e os magistrados do MP não fazem parte desses privilegiados que a mesma quis chamar ao título para vender mais jornais.

Os juízes e os magistrados do MP são as únicas profissões em Portugal que não podem escolher o seu período de férias pessoais, sendo obrigados a gozá-las exclusivamente no período designado de "férias judiciais" (férias em que os prazos ordinários estão suspensos e em que só se realizam diligências urgentes), ou seja, são obrigados a fazer férias pessoais no final de julho e em agosto (como toda a gente sabe, é um privilégio fazer férias nesses meses, em que é a "época baixa" dos hoteis e das viagens e onde se pode fazer férias à vontade, sem trânsito nem problemas de estacionamento).

Portanto, se só podem fazer férias nessa altura, nunca, mas nunca mesmo, beneficiam dos "cinco dias" de férias adicionais.
R.O.S. , 26 Abril 2012
Tirem-me as férias e Paguem-me o que me devem!...
«A proposta que hoje começa a ser discutida com os sindicatos elimina as chamadas “férias frias”...»

Ah!...Isto é de uma gravidade extrema!...

Francamente!...
Está o país na 'bancarrota' (não assumida) e discute-se a pérola (falsa) do anel do dedo mindinho...

O que verdadeiramente importa vem em 'nota de rodapé'...
Giulia , 26 Abril 2012
Fixe!
Qualquer juiz dirá: "óptimo". "Querem tirar-me as férias frias? Vamos lá negociar. Em contrapartida, quero, por exemplo, um subsídio de exclusividade".

Este é o melhor processo negocial possível: como querem tirar aos juízes uma coisa que eles não têm (já que são obrigados a concentrar as suas férias em Julho e Agosto), nada podem perder, e no processo ainda podem ganhar alguma "contrapartida"...
Seja , 26 Abril 2012 | url
FÉRIAS DE ALGUNS
OH SENHOR R.O.S., disse e muito bem quando se referiu ao período de férias judiciais e depois esqueceu-se de falar da Páscoa e Natal. No crime, aqui no Porto, e não será excepção, os Senhores Magistrados, durante esse período de "férias judiciais" (Páscoa / Verão / Natal), trabalham no máximo 3 a 4 dias úteis. É só uma questão de fazer contas, agora .... e faça um esforço, não são só os magistrados que estarão confinados a esse período. Os senhores Magistrados têm muitos dias de férias, o resto é eufemismo...
ATENTO Q.B , 26 Abril 2012
...
Desatento Q.B., não há nenhum juiz ou magistrado do MP que tenha direito a mais cinco dias úteis de férias porque estão impedidos de gozar férias pessoais fora do período de férias pessoais. Há juízes e magistrados do MP que são obrigados, não por opção (como seria o regime da peça jornalística), mas pela contingência da prestação de turnos, a gozar férias pessoais na páscoa ou mesmo no natal, mas não é por causa disso que têm direito a mais cinco dias úteis de férias pessoais.
Finalmente, Q.B., apesar de estar obrigado a concentrar as férias pessoais em julho e agosto, não tenho nenhum dia a mais de férias pessoais no natal ou na páscoa. Porventura pensará o(a) senhor(a) que as sentenças e as decisões pendentes que obrigam a maior estudo, aparecem todas feitas no primeiro dia após as férias judiciais por obra e graça do Espírito Santo? Aliás, muitos dias das férias pessoais são também (têm sido, porque vou deixar de fazê-lo) para fazer sentenças. O povo ingrato, como o Q.B., é que me vai fazer mudar de comportamento - férias são férias, fins-de-semana são fins de semana: querem que trabalhe horas extra, só com retribuição. Não há? Paciência, problema do povo ingrato e mesquinho.
R.O.S. , 26 Abril 2012
...
Féria de Inverno? Nunca gozei e desconheço que algum Colega tenha gozado... Mas se for possível, aproveito a viagem anual que a Bertrand me oferce (2 viagens) à Turquia... se este ano vier o voucher!
asneirando , 26 Abril 2012
...
Meu Caro Colega R.O.S., só agora deixa de trabalhar nas férias? Bem, mais vale tarde que nunca! Por mim, há meia dúzia de anos (consulado socrático, mais ou menos) que o não faço. E disso informei, atempadamente, o CSTAF, onde então me encontrava colocado, o que os levou a deliberar que a minha atitude não favorecia o prestígio da Magfistratura.... Mas engoliram e calaram-se, pois tinha, como sempre até então, o serviço em dia e não tinham por onde me pegar.
asneira , 26 Abril 2012
...
QB: de ignorantes está o país cheio (com letra minúscula por causa de pessoas como V.ª ex.ª) e não queria o senhor fazer parte desse grupo. Estude, trabalhe e não inveje o que os outros têm e que no caso dos juízes será ganhar 11 meses de remuneração e reduzida em 10%. É pena continuar a ler comentários como o do senhor que, parece, será advogado no Porto. Não manche os seus colegas.
liberdade , 26 Abril 2012
Não vale a pena!
Caros R.S.O. e liberdade,

Não vale a pena... há muito que me deixei de explicações. Pessoas como o ATENTO Q. B. existem a cada esquina. Vivemos num país de invejas, que muito têm sido fomentadas pelos nossos governantes, que tudo têm feito para atirar classes profissionais umas contra as outras. Tudo com desprezo pelo "trabalho".

12 horas de trabalho diário, sábados, domingos, feriados e férias ninguém agradece! São sacrifícios pessoais imerecidos. Por isso, também já me deixei disso e qualquer dia bato com a porta de vez. Para longe deste país de portuguesinhos mesquinhos e que, regra geral, não respeitam o trabalho dos outros.
expoliado , 26 Abril 2012
Ó ATENTO Q.B ,
Concordo. Acabe-se já com todas as férias judiciais...
Mas depois, sr. dr., não se queixe se tiver diligências marcadas todas as semanas do ano... com as alterações às leis do processo que se anunciam, com o fim dos adiamentos e a restrição das suspensões por acordo.
E as férias, frias, quentes ou mornas, os profissionais liberais forenses nunca mais as tem.
Seja , 26 Abril 2012 | url
...
Apoiado, Seja.
Que eu saiba não foram os juízes mas sim os advogados que estrebucharam, através do seu bastonário marinho pinto para que tivessem mais quinze dias de férias judiciais em julho.. Claro que conseguiram o que queriam e agora a culpa e o privilégio é dos juízes, como é óbvio... Até quando o engano vai continuar a imperar neste país? Acabem-se já com todas as férias judiciais e deixem os juízes gozar férias pessoais (só mas efectivamente os 22 dias úteis não é preciso mais) à semelhança dos demais cidadãos, em qualquer altura do ano. Podem crer que em julho e agosto é que eu não fazia férias!
Parece que o povo continua a não perceber que as férias judiciais existem a benefício dos advogados e não dos juízes. E até em benefício das próprias pessoas. Queria ver se cada juiz pudesse gozar as suas férias como qualquer cidadão as pode gozar, como iriam resolver o problema das substituições, dos julgamentos sucessivamente adiados, porque os membros do colectivo sucessivamente estavam em gozo de férias pessoais, etc. etc.. As férias judiciais beneficiam a todos mesmos os juízes que são obrigados a gozar férias no pior período do ano.
R.O.S. , 26 Abril 2012
...
coitados dos oficiais de justiça............................
ausente , 26 Abril 2012
...
R.O.S.

Não foram só os advogados.
Está a esquecer-se dos (muitos) meritissimos que, nessa altura, uma vez chegados ao dia 15 de Julho já não marcavam mais nenhuma diligência até 15 de Setembro.
Alguém , 26 Abril 2012
...
1.-Nunca percebi esta treta das férias;
2.-Férias é 15 dias úteis e chega.
3.-Competimos com gente que nao sabe o que é um subsidio de ferias;
4.-A Europa está a deixar fugir o dinheiro para pagar desmandos de gente que NUNCA foi rica.
5.-Direitos? Façam riqueza para os ter...terminem processos, e metam dinheiro na economia...sim, em vez de tratarem de tretas, de citações, e de pseudo-estudos, decidam....muito
blix , 27 Abril 2012
Alguém
É claro que muitos meretíssimos não marcavam a partir de 15 de Julho. É que muitos meretíssimos tinham direito a férias pessoais no mês de julho (o Alguém continua a confundir férias pessoais com judiciais e a ignorar a lei, que admitia férias pessoais, fora das judiciais, na segunda quinzena de Julho).
Ou preferia alguém que os juízes marcassem as diligências para esse período (arrastando testemunhas, partes e mandatários), já sabendo que o sulgamento não se realizaria, por estar o juiz de férias e o substituto ocupado nos seus julgamentos?
Seja , 27 Abril 2012 | url
...
Felizmente temos por terras lusas iluminados defensores do caminho da salvação económica, como o blix, prosélito defensor dos sistemas da Coreia do Norte, da China e de Cuba, onde os trabalhadores são bafejados de direitos, onde o sistema judicial funciona na perfeição e onde não se pagam desmandos (excepto aos do núcleo do partido).

Olhe, meu caro, se for ao site do MJ verá que o número de processos concluídos todos os anos, é sempre superior ao dos anos anteriores. Com o mesmo número de juízes, com menos recursos e apesar das afrontas de cidadãos que só mereceriam um sistema tipo chinês ou norte-coreano. O problema das pendências, todos sabem, não são as acções, mas sim as execuções e essas não estão no domínio dos juízes nem dos tribunais, apesar de estatisticamente lhes estarem afectos. O problema é que aumenta cada vez mais a litigiosidade e se mesmo assim cada ano são mais os processos findos, isso significa que os juízes se sacrificam cada vez mais, em benefício de ingratos.

O problema da demora da justiça só terminará quando os cidadãos forem mais responsáveis e menos litigiosos, mais cultos e instruídos dos seus direitos e deveres e as empresas cumprirem as suas obrigações, aqui se incluindo as de grande litigância passarem também a ser mais responsáveis, mais respeitadoras dos direitos dos consumidores e não jogarem com o tempo dos processos para, apesar dos juros que pagam, investirem o capital em off shores rentáveis. Enquanto tivermos cidadãos e empresas irresponsáveis, não há sistema de justiça que valha. Sim, porque o problema não é a justiça sobre a economia, mas sim os erros da economia e dos seus agentes que passam a afundar os tribunais dos problemas que a economia não sabe resolver.
Augusto , 27 Abril 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal Militares e polícias em risco de ficarem com menos férias

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico