In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Estatísticas indicam menos combate ao crime

  • PDF

Menos detidos, menos apreensões de droga e de armas, menos presos preventivos. No ano passado, a eficácia operacional da PSP, GNR, Polícia Judiciária (PJ) e Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) caiu substancialmente em relação a 2010.

Apesar de a criminalidade no total ter descido ligeiramente (2%), bem como a violenta (1%), os dados do Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) mostram que as detenções ficaram muito aquém dos 405.288 crimes participados às autoridades: no ano passado, aqueles quatro órgãos de polícia criminal detiveram 71.896 suspeitos, menos 16.280 (19%) do que em 2010.

De resto, e ao contrário do que acontecera há dois anos, também diminuiu o número de crimes que pela sua natureza estão sempre associados à proactividade policial. Foi o caso da condução sem habilitação legal (menos 1.803 ilícitos), da detenção ou tráfico de armas proibidas (menos 259 casos) e do tráfico de estupefacientes (menos 388 crimes, menos 551 apreensões de droga e menos 4.661 detidos).

A estes resultados não será alheio o desinvestimento nas operações específicas de prevenção criminal (18.995, menos 2.765 do que em 2010), destinadas a combater precisamente aquele tipo de crimes.

«É preciso notar que durante uma grande parte do ano de 2011, por falta de verba para combustível, houve restrições no patrulhamento e na execução de operações» – admitiu ao SOL uma fonte policial, acrescentando que «os carros só saiam quando os policias fossem chamados a tomar conta de ocorrências».

Na investigação criminal, o desempenho das polícias também decaiu. Dos 21.350 suspeitos detidos no âmbito dos 385.319 inquéritos-crime, só 2.470 ficaram em prisão preventiva, menos 0,4% face a 2010.

Neste capítulo, à excepção das escutas telefónicas (que aumentaram 8%), tanto as detenções (menos 694), como as buscas (menos 984) e as apreensões de armas (menos 151) e de munições (menos 29.494) baixaram em 2011.

Aliás, em todo o ano passado, segundo o Departamento de Armas e Explosivos da PSP, foram apreendidas 5.701 armas em acções de fiscalização e em buscas menos4.623 do que em 2010.

Questionado pelo SOL, fonte oficial do gabinete do secretário-geral do Sistema de Segurança Interna referiu que «a dedicação e o empenho policiais não devem ser analisados apenas à luz dos resultados, ainda que estes devam ser tidos em consideração». E deu dois exemplos: «O facto de as apreensões de armas terem diminuído pode ser consequência de uma acção contínua das forças no sentido de controlar este fenómeno»». No caso do tráfico de droga, lembra a mesma fonte, «existe a convicção de que algumas das rotas que atravessavam Portugal foram alteradas também por força da atividade fiscalizadora».

Das quatro Polícias, só o SEF fez o balanço da sua actividade: os inspectores fizeram 733 detenções (mais 61 do que em 2010), das quais resultaram 17 presos preventivos (mais cinco do que em 2010). Para explicar a quebra de 11% nas notificações de cidadãos estrangeiros para abandonar o país – que estão a cargo desta Polícia fonteoficial do SEF explicou que isso pode estar associado, por um lado, a um «relativo abrandamento dos fluxos migratórios ilegais e à diminuição do número de pedidos de obtenção de residência» e, por outro, ao «impacto da actuação do SEF nos últimos anos no âmbito do combate e prevenção da imigração ilegal».

Casas e carros são alvos preferidos
Entre as excepções à descida geral da criminalidade estão alguns dos crimes contra o património, uma categoria que registou aliás um agravamento de 2 %, atingindo no ano passado os valores mais elevados dos últimos três anos (cerca de 230 mil crimes).
Foi o caso do roubo por esticão, com 7.918 ocorrências: mais 1.386 casos, o que representa uma subida de 21%. Mais de oito mil pessoas foram vítimas deste crime. A mesma tendência registou-se nos roubos a residências (733 casos), um ilícito que subiu 7%, quase sempre praticado por gangues armados e que causou no ano passado 26 vítimas, oito das quais precisaram de tratamento médico.
Também o roubo de viaturas aumentou 3%, com um total de 392 assaltos, mais 12 do que em 2010. Se há quatro anos o carjacking foi o crime que mais alarme público gerou, em 2011 continuou a preocupar, provocou quatro feridos, dois dos quais foram hospitalizados.

Mais furtos por carteirista
As forças policiais parecem não conseguir ter mão sobre os carteiristas. No ano passado, registaram-se 11.325 furtos por carteirista, mais 6% do que em 2010. Mais de 11 mil pessoas foram vítimas deste crime, no entanto a PSP deteve apenas 802 ladrões, contra 79 em 2010.

Mulheres
Um dado bastante curioso do RASI: a violência doméstica, que continua a ser um dos ilícitos mais participados, desceu cerca de 7% no ano passado. E embora os homens continuem a ser os principais agressores, em 2011 o número de queixas contra mulheres aumentou (4.354 denúncias, mais 79 do que em 2010). Em sentido inverso, houve menos 1.718 participações contra homens.

Sol | 05-04-2012

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
...
Ai se a minha Maria vê isto! Como ela é toda para a frentex não vai querer ser menos que as outras. Espero que utilise o espanador por causa das já fragilizados articulações dos punhos pela acumulação das lides domésticas e do trabalho emancipador fora, e da minha fragilidade generalizada. Uma coisa é certa. Não participarei. Tenho vergonha! Prefiro ir dormir para outro quarto ou no sofá durante uma semana, pelo menos. Veremos o meu ressentimento.
No mais se o crime este ano baixou e está em vias de se tornar despiciendo, mais uma diversão que outra coisa, é normal que a repressão se não faça notada e diminua. Só se for para justificação do cargo e dos abonos de risco.
Barracuda , 06 Abril 2012 | url
...
Mais uma tanga para tuga ver. Alguém acredita que a criminalidade baixou?
Zeka Bumba , 07 Abril 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Agentes Públicos Órgãos Polícia Criminal Estatísticas indicam menos combate ao crime

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico