Crise leva a decréscimo nos registos

No período temporal entre janeiro a agosto do ano corrente e mediante informação facultada pelo Instituto dos Registos e Notariado (IRN), foram registados mais de 40 mil procedimentos no âmbito do serviço Casa Pronta, o que correspondeu a um decréscimo de 27,9% face a igual período de 2011.

Recorde-se que o Casa Pronta, disponibilizado pelos serviços do Ministério da Justiça, permite realizar de forma imediata todas as formalidades necessárias à compra e venda, doação, permuta, dação pagamento, de prédios urbanos, mistos ou rústicos, com ou sem recurso a crédito bancário, à transferência de um empréstimo bancário para compra de casa de um banco para outro ou à realização de um empréstimo garantido por uma hipoteca sobre a casa, num único balcão de atendimento.

Em termos consolidados, os balcões Casa Pronta foram responsáveis, desde a sua implementação (julho de 2007), por cerca de 315 mil procedimentos/títulos, dos quais 12,7% destes foram registados de janeiro a agosto do ano corrente. No entanto, é de mencionar, que o número de balcões Casa Pronta registou em agosto de 2012 um decréscimo percentual na ordem dos 1,2% em relação ao mesmo período de 2011, passando de 346 para 342.

O decréscimo deveu-se ao agravamento do clima de contenção económica, à restritividade bancária e à deterioração do poder de compra resultante do impacto das medidas de consolidação orçamental.

Numa análise distrital e considerando os meses de janeiro a agosto de 2012, os que se destacaram relativamente ao número de procedimentos/títulos efetuados foram os distritos de Lisboa e Porto e numa segunda instância, Aveiro, Braga e Setúbal.

Em termos acumulados (no período compreendido entre julho de 2007 a agosto de 2012), os mencionados distritos foram igualmente os mais representativos com um peso combinado de 54% sobre o total do país (com cerca de 170 mil ocorrências).

Nos menos representativos e em termos de número de procedimentos, nos meses de janeiro a agosto do ano corrente, salientaram-se os distritos de Portalegre, Évora juntamente com a região autónoma da Madeira.

Os mencionados distritos, em termos acumulados representaram apenas 4,2% do total dos procedimentos.

Fonte: Gabinete de Estudos da APESUP

Expresso | 01-12-2012