In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Conluio entre políticos, bancos e privados

  • PDF


SIC, 01-06-2012

Comentários (13)


Exibir/Esconder comentários
Um Grande Português
O Jornalista José Gomes Ferreira é um dos Grandes Portugueses vivos.

É sobretudo a ele e a Medina Carreira que se deve o facto de a maior parte dos portugueses saberem hoje com bastante precisão o que é o défice do orçamento, o défice da balança comercial, a dívida pública, a dívida privada, o PIB, o amiguismo entre o Estado e os privados.

E o que é chutar a dívida para os que cá ficam a viver num inferno causado pelo "Clube de fans do Keynes", sem terem percebido que a estimulação da Economia à moda de Keynes (Sócrates e Teixeira dos Santos à cabeça) + mundo globalizado + País que estoirou com as pescas, agricultura, metalurgia, indústria, ferrovia (Cavaco Silva e eng. Ferreira do Amaral à cabeça) = FALÊNCIA CERTA.

Um grande Obrigado a este Senhor.
Gabriel Órfão Gonçalves , 01 Junho 2012
...
Cadeia com as quadrilhas partidárias infames que têm governado este país vampirescamente e não demonstram qualquer arrependimento.
As quadrilhas do PS e do PSD, empresários e advogados participantes nestas burlas colossais têm que ir para a gaiola.
F---ram e f--em milhares de milhões aos portugueses e tudo o que têm de ideiais políticos para apresentar é meter a mão no bolso das pessoas e roubar-lhes à descarada ordenados e pensões em vez de porem cobro aos desmandos.
Chega de ter paciência com estas quadrilhas de m***a que este rapaz honesto e sabedor delata aqui mais uma vez à descarada. Há anos que vem dizendo o mesmo.

Ao sr. administrador
Desafio-o a não censurar o texto já que o palavreado vernáculo utilizado é ainda assim incapaz de descrever a enorme filha da p--ice de que temos vindo e continuamos todos a ser alvo de há bem mais de 20 anos para cá, pois que a festa começou em pleno governo de Cavaco (que continua a assinar como se ouve na peça) com os desvios colossais do FSE jamais levados a juízo.
Enojado , 02 Junho 2012 | url
...
E então não será altura de acabar com o forró das grandes sociedades de advogados dominarem o sistema de leis e até o sistema de justiça ( lembrem-se que estes senhores tão honoráveis foram os interlocutores priviligeados da troika, no que conecerne ás coisas da justiça . A que propósito? E naõ vi a ASJP tomar qualquer posição sólida e digna a esse propósito. E o Venerando conselho muito menos.
disclamer: não sou sindicalizado.
cblue , 02 Junho 2012
...
É como o último comentário...Sociedades de advogados interlocutores da troika....sei de casos concretos em que estas sociedades prejudicam o estado em milhões relativo à justiça....cambões...punam-se estes sócios destas sociedades...
Capoula , 02 Junho 2012 | url
José Pedro Faria (Jurista) - O mérito de proferir banalidades
Não discuto o mérito de José Gomes Ferreira, mas considero um exagero enchê-lo de grandes e despropositados encómios. É que aquilo que ele afirma já é dito há muito tempo por fontes independentes que têm dificuldade em se fazer ouvir pelo chamado "grande público". Assim, aquilo que José Gomes Ferreira diz, não passa de um conjunto de banalidades para quem está habituado a fugir à esfera de influência dos grandes órgãos de comunicação social e a procurar informação independente.

Talvez o único grande louvor que José Gomes Ferreira mereça é o ter conseguido dizer essas "banalidades" (basta procurar na Internet inúmeras - e antigas - fontes de informação independentes acerca da questão das parcerias) num grande órgão de comunicação social e de por este ser tolerado. Talvez porque eles achem que os eventuais danos serão insignificantes e ainda passem por guardiões da liberdade de expressão.
José Pedro Faria (Jurista) , 02 Junho 2012
...
E quando terminam com esta mentira e ética falsa, justiça inexistente da sociedade de advogados?
Luísa , 02 Junho 2012
...
Haja alguém, como JGF, que vá falando. Obrigado.

"O sector empresarial do Estado (SEE), excepto empresas financeiras, registou um prejuízo de 316 milhões de euros no primeiro trimestre de 2012, mais do que duplicando (105%) os 154 milhões homólogos de 2011." - cito noticia do jornal negócios on-line de hoje

Apesar dos efeitos das "belas" heranças que os ex-governantes nos deixaram, nem tudo a isso se deve.
E, então, como é possível, em período de austeridade? Afinal o que têm andado a fazer os iluminados administradores desse sector, pagos a peso de ouro, bem como os governantes e troika?
Nada. À excepção, claro, das medidas de austeridade, mas, essas, apenas para os cidadãos/contribuintes que não interessam a ninguém: os FP (aqueles cujo pio é irrelevante), que vêm confiscados salários e subsídios;os privados (aqueles cujo pio é também irrelevante), que se vêm confrontados com o desemprego.
E quem vai continuar a pagar os prejuízos desse sector? Os mesmos de sempre, cujos salários, pois então, têm que baixar ...(assim o dizem, ao que foi noticiado, António Borges, conselheiro do Governo, a troika, etc).


idiota saturado , 02 Junho 2012
...
Sou Juiz há 26 quase anos e confesso que já não acredito nas instituições ditas democráticas. Ressalvo o sistema de Justiça, onde ainda existem alguns «moikanos vivos». Assim, espero que o MP anda muitíssimo depressa com o inquérito que tem em mãos acerca das PPP´s, acusando rapidamente os responsáveis pelo estado a que chegámos, mesmo que isso signifique analisar 1 oi 2 contratos. Depois, com mais calma, que vejam os outros, sempre em separado, sem acir na tentação de fazer mais um mega processo que já sabemos o que dará. E com prisões preventivas rapidamente, começando por cima. Caso isto não seja feito, desisto, pois nem a preocupação pelos meus dois filhos me consegue animar.
Jesse James , 02 Junho 2012
...
Isto é só paleio.
Quero ver acção, em especial da PGR.
Ai Ai , 03 Junho 2012
Injustum
Ressalva da sua descrença o "sistema de justiça"?
Pois o problema está aí. Nessa ingenuidade. É que não há "sistema de justiça". Se o houvesse - Tribunal Constitucional, Tribunal de Contas, Tribunais Judiciais...tudo isto (ou seja, a proliferação de toda esta vigarice) não seria possível. A justiça é servida por burocratas. Manietada por leis injustas. O Ministério Público, que a devia controlar e impulsionar, está amordaçado. Os advogados estão cativos dos interesses e das fortunas que o "negócio" lhes dá e mais interessados em perpetuar e dominar este estado de coisas, do que na realização da justiça. Não há justiça, não há justiça ....
Ex-ingénuo , 03 Junho 2012
...
Este Conluio tem de terminar, sobretudo a nível de bancos e parcerias com grandes sociedades de advogados...O que mais dana é que certas entidades recorrem a estas sociedades a espera de sucesso ou de comprar o sistema, mas só a 2.ª Vinga...São corruptos e estão nos negócios centrais. Advocacia não fazem e são meros cambões do ESTADO. O nome todos sabem, é só ir ao Advocatus e ver as "palhaçadas" de prémios que os mesmos pagam para se candidatarem...enquanto não houver justiça os impostos não serão distribuídos condignamente...
Sueald , 04 Junho 2012
...
O porquê de ninguém ser incrimindado? Os principais culpados é o parlamento, BES, Júdice, Sérvulo, Morais Leitão...VDA...Etc....
José ALves , 04 Junho 2012
...
Basta analisarem-se os desvios orçamentais e diferenças de tesouraria. Onde entrou este dinheiro e foi camuflado com que tipo de contrato? Construtoras? Políticos e Que sociedades de Advogados fizeram isso? Não está na altura de se incriminar Alguém?
Marcelo Antinel , 04 Junho 2012 | url

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Atualidade Multimedia Conluio entre políticos, bancos e privados

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico