In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Crime de Beja: Relato da procuradora incomoda membros do CSMP

  • PDF

Alguns membros do Conselho Superior do Ministério Público mostraram-se perturbados com as declarações da procuradora de Beja à RTP acerca do autor do triplo homicídio. Questionam se houve violação do direito de reserva a que são obrigados juizes e magistrados. Para já, a inquietação interna não saiu dos bastidores e não se transformou em inquérito.

Quem o garante é o procurador Pinto Monteiro, que aproveita para sublinhar que a ida à televisão foi devidamente autorizada. Dependerá da próxima reunião do CSMP a hipótese de qualquer tipo de iniciativa de averiguações.

A procuradora Maria José Martinho relatou diante das câmaras detalhes da confissão de Francisco Esperança; não se coibindo de fazer apreciações sobre o comportamento do arguido. Há quem considere que falou de mais. Ora, um magistrado não deve pronunciar-se sobre um processo em curso, explica o advogado Carlos Pinto Abreu. A favor da magistrada estarão os argumentos de ter tido a bênção do procurador, o provável arquivamento do processo e o facto de já não poder prejudicar envolvidos. Estão mortos. Quando um processo está pendente, o caso assume outra figura. O que mais chocou o psicólogo Rui Abrunhosa Gonçalves, da Universidade do Minho, foram as análises “impressionistas” da magistrada, que “podem induzir em erro. São interpretações de senso comum”. A magistrada avaliou-o como um sujeito tranquilo, capaz de, aparentemente, dar explicações lógicas para o ato cometido.

Dina Margato | Jornal de Notícias | 07-03-2012

Comentários (6)


Exibir/Esconder comentários
...
Será que vai abrir a caça aos gambuzinos. Qual a relevância da entrevista se, como se diz na notícia (dando de barato que assim foi), a magistrada foi devidamente AUTORIZADA.
Só me espanta tanto celeuma com a entrevista e tão poiuo celeuma na hora de usar métodos sujos para safar os clientes do cumprimento da pena a que foram condenados....
Zeka Bumba , 07 Março 2012
O silêncio era de ouro
Não se percebe por que a magistrada falou, nem por que foi autorizada a falar.
O bom senso aconselhava a estar calada.
É certo que todos estão mortos, mas a magistrada deve manter-se como tal e não dispôr-se a satisfazer a curiosidade comum.
Zé-Zé , 08 Março 2012
CUIDAR DOS VIVOS ... E.. RESPEITAR OS MORTOS

O facto de as vítimas e o alegado agressor estarem mortos... já não podem ser prejudicados?...
Salvo o devido respeito, discordo.
Os mortos devem merecer-nos tanto ou mais respeito do que os vivos!
Até porque já não estão neste mundo para se defenderem ou para alegarem as suas razões.
E, finalmente e em bom rigor, nunca se saberá, com plena certeza, quem matou quem!...
António , 08 Março 2012 | url
...
Dizem as más linguas que foram "alguns membros do Conselho" indigitados por um certo e determinado partido politico...
Indignado , 08 Março 2012
...
Alem de não vislumbrar o porque de tal comunicação, não gostei da forma como a mesma foi apresentada.
Pé de vento , 08 Março 2012
...
O Partido Socialista continua ressabiado contra o Ministério Público e mesmo contra os juízes.
Por que será?
Mendes de Bragan�a , 08 Março 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Magistrados: Ministério Público Crime de Beja: Relato da procuradora incomoda membros do CSMP

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico