In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

“O PGR que recusou investigar Sócrates”

  • PDF

O legado de Pinto Monteiro fica marcado por ter recusado seguir o parecer dos investigadores do processo Face Oculta.

Fernando Pinto Monteiro iniciou o seu mandato de procurador-geral da República (PGR) prometendo mundos e fundos. Elegeu a corrupção no seu discurso de tomada de posse como um dos crimes prioritários a combater, declarou guerra ao "conde, visconde e marquesa" do Ministério Público (MP) e jurou: "Tudo o que venha ao meu conhecimento, eu mando investigar. Esteja em causa o A, o B ou o C." É caso para dizer que pela boca morreu o peixe.

Sucedendo a um PGR, Souto Moura, que deu autonomia aos magistrados do MP para investigarem figuras poderosas da sociedade portuguesa (recorde-se apenas Valentim Loureiro, Isaltino Morais, Pinto da Costa ou o caso Casa Pia), Pinto Monteiro quis regressar ao modelo centralizado de Cunha Rodrigues. Esqueceu que o MP sofreu um rejuvenescimento, tem uma nova geração de magistrados que cresceram em democracia e que aplicam o princípio estruturante do Estado de direito: todos são iguais perante a lei.

O homem que queria investigar tudo o que chegasse ao seu conhecimento é o mesmo que impediu que o MP investigasse as suspeitas criminais que recaíram sobre José Sócrates e a sua entourage na tentativa, por exemplo, de controlar a comunicação social. Confrontado com as suspeitas do DIAP de Aveiro, Pinto Monteiro, em consonância com Noronha Nascimento, agiu ao arrepio das regras do jogo democrático, impedindo a investigação e o escrutínio das suas decisões. Tudo o que um PGR não deve fazer.

Não se pense, contudo, que o balanço é totalmente negativo. O conselheiro Pinto Monteiro trouxe para a agenda do PGR temas actuais como a violência juvenil nas escolas e nas cidades ou os abusos contra idosos. Teve também o mérito de criar equipas especiais de investigação que ajudaram a resolver processos complexos, como o Apito Dourado, a violência no Porto ou as irregularidades urbanísticas em Lisboa.

Estes factos, contudo, não escondem o óbvio: Pinto Monteiro sai do Palácio Palmela isolado na estrutura do MP e com uma mancha chamada processo Face Oculta que não desaparecerá com o tempo.

Para quem dizia que Souto Moura deixaria saudades, eis a prova de que a razão tarda mas chega.

Luís Rosa | ionline | 09-10-2012

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
È desta...
Agora vai! Esperem sentados.
Barracuda , 09 Outubro 2012 | url
...
É verdade. Porém, uma curiosidade: os PR do DCIAP queriam ouvir o aldrabão do Sórcrates e fizeram birrinha quando se viram apertados pelo prazo dado pelo PGR, que, segundo este, nem pediram que fosse prorrogado. Agora, arquivam sem mais uma denúncia judicial contra aquele... Sim, a Joaninha será trucidada por estes senhores enquanto palitam os dentes!
Jesse Jmaes , 09 Outubro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Magistrados: Ministério Público “O PGR que recusou investigar Sócrates”

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico