In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

PGR lamenta aquilo que "queria fazer e não fez"

  • PDF

Pinto Monteiro afirmou esta segunda-geira "estar orgulhoso" daquilo que fez como procurador-geral da República (PGR), mas disse ter "pena daquilo que queria fazer e não fez", em parte por culpa sua, mas também por "feroz oposição interna e externa".

Falando na cerimónia de tomada de posse, em Lisboa, dos novos procuradores-gerais adjuntos, Pinto Monteiro, que termina o mandato em Outubro, revelou "não estar arrependido" de ter aceitado o cargo, apesar de, na altura, ter "hesitado bastante", porque "estava bem" como juiz conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça, após subir todos os degraus da magistratura judicial. "Hoje, hesitaria menos e aceitaria logo", acentuou.

Justificando o tom confessional da sua intervenção por ser a última cerimónia de posse em que participa como PGR, Pinto Monteiro disse ter "orgulho" naquilo que fez enquanto titular do cargo e, quanto "àquilo que queria fazer e não fez", assumiu a sua quota parte de culpa, atribuindo a restante à "feroz oposição interna e externa" que teve durante o seu mandato.

A este propósito, insistiu que "era altura de rever os estatutos" do Ministério Público (MP), por forma a actualizá-los, observando que, nesse domínio, o "Estado devia clarificar várias situações e definir a chamada relação de forças dentro do MP".

Caso contrário, anteviu que o MP sentirá dificuldades em cumprir as suas obrigações perante os cidadãos, apesar de ter magistrados de "alto gabarito".

À semelhança de Vasco Guimarães, promovido esta segunda-feira a procurador-geral adjunto e que irá dirigir o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto, Pinto Monteiro reconheceu que a lenta progressão na carreira do MP pode provocar desmotivação, cansaço e "más rotinas".

O PGR alertou para a importância das funções que Vasco Guimarães vai exercer num DIAP (do Porto), que "vive com grandes dificuldades" e cujos magistrados estão cansados de "promessas não cumpridas".

A cerimónia de posse dos novos procuradores-gerais adjuntos (PGA) ficou ainda marcada por uma situação algo insólita, depois de o magistrado João Guerra, que investigou o processo Casa Pia, não ter sido chamado, na altura, para tomar posse como novo PGA, porque não queria ser filmado pelas televisões presentes no local.

A posse de João Guerra verificou-se, mais tarde, num acto que não teve a presença dos jornalistas.O magistrado foi colocado como auxiliar na Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

Correio da Manhã | 03-09-2012

Comentários (4)


Exibir/Esconder comentários
...
Todos nós temos coisas na vida que gostaríamos de fazer e nunca acontecerão; reconhecê-lo é um acto de humildade.
Franclim Sénior , 03 Setembro 2012
...
Ficará na memória o desabafo quanto aos poderes do PGR ao equipará-los aos da "rainha de Inglaterra"...poucos entenderam o que há de verdade na metáfora ...Talvez com a revisão dos Estatutos, como agora refere, a situação poderia melhorar...todavia, no circunstancialismo presente, mexer nos Estatutos seria um perigo...os tempos que correm não são tempos de serenidade ...e não tenho dúvidas como grande seria a apetência de amputar ao máximo os poderes do MP, de o agrilhoar e imobilizar...
Quanto ao PGR, beirão assumido, desejo que na hora da despedida, saia como uma rainha de Inglaterra...impoluta, tranquila, com a nobreza de quem não deve nada a ninguèm...
Telmo , 04 Setembro 2012
...
Esse e******e não cumpre - nunca cumpriu - a lei, o v*****o!

Vai-te embora, ó ***!
Ora, ora , 04 Setembro 2012
...
Em vez de ir pelo caminho direito escolheu atalhos.
Um homem aparentemente alegre que teve um reinado infeliz porque assim o quis.
Ai Ai , 04 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Magistrados: Ministério Público PGR lamenta aquilo que "queria fazer e não fez"

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico