In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

“Ministério Público não viola o segredo de Justiça”

  • PDF

A procuradora-geral adjunta Cândida Almeida disse na segunda-feira, em Gaia, ser "um pouco esquizofrénica a ideia de que é o Ministério Público (MP) que passa a informação", violando assim o segredo de justiça.

"A manutenção do segredo de justiça foi uma exigência, ou uma pressão, feita pelo Ministério Público na última alteração do Código do Processo Penal", que prevê "a publicidade do processo", salientou.

"Nós é que dissemos não, isso não pode ser. Sobretudo nas investigações mais complexas, dá cabo da nossa investigação", argumentou Cândida Almeida, rejeitando a ideia de que o MP patrocina fugas de informação sobre casos que os procuradores estão a investigar.

"Os magistrados são pessoas conscientes. Em princípio, não é o MP responsável por essa violação", insistiu Cândida Almeida.

A procuradora e também diretora do Departamento Central de Investigação e Ação Penal respondeu desse modo a uma questão que lhe foi dirigida no Clube dos Pensadores, do qual foi a conferencistas convidada.

A questão era sobre a notícia de que haviam sido feitas buscas ao ex-ministro das Finanças, fiscalista e comentador Medina Carreira, no âmbito da operação "Monte Branco", relacionada com fraude fiscal e branqueamento de capitais.

Diário de Notícias | 12-12-2012

Comentários (7)


Exibir/Esconder comentários
...
Se sabe quem não é, saberá quem o faz.
Valmoster , 11 Dezembro 2012
segredo
E, Valmoster, se calhar até sabe...
Imagine que numa escuta num processo em investigação se percebe quem presta a informação e a quem...
O problema é que essa escuta não pode ser utilizada precisamente no processo de violação do segredo de justiça, por não ser este crime um daqueles que permitem a escuta.
Penso, aliás, ter ouvido a Drª Cândida a referir algo assim, ou seja, saber quem fez a violação, mas não poder actuar.
segredo , 11 Dezembro 2012
Ovo de colombo
Não há no sistema de justiça quem não saiba de onde surgem as «fugas»... O problema é prová-lo!!! Mais simples é atirar para cima de quem tem a responsabilidade da investigação. Mas, como em tudo o mais, é ver a quem aproveita... ainda que não no imediato. E chega-se lá...
Francisco do Torrão , 11 Dezembro 2012
Nas escutas (onde se vê quem deu o quê a quem) não há magistrados... mas há outros...
... é só usar as celulazinhas cinzentas...
Francisco do Torrão , 11 Dezembro 2012
...
Enquanto houver quem esteja disponível e interessado em receber uns extras de pilim, e concomitantemente, gente disposta a pagar, é muito difícil encontrar um antídoto, um tapa fugas.
Telmo , 12 Dezembro 2012
... ninguém lá chega?
... mas!!! Ninguém sabe quem eles são?
Francisco do Torrão , 12 Dezembro 2012
...
Para sber a origem do violação do segredo de justiça, nem sequer é preciso entrar num tribunal.

Basta frequentar um restaurante frequentado pelas profisoes forenses, e qualquer comum dos mortais dos mortais, fica com informações imediatas dos processos.

A começar pelos magistrados que deveriam ser o ulltimo garante desse mesmo segredo, e não se coibem de falar dos seus processos (o mais grave é que nem sequer é em abstrato), não se preocupando em omitir as entidades e pessoas envolvidas.

Agem como se tivesse num qualquer gabinete a tomar chá entre eles e ninguem estivesse à escuta.

A mesma atitute é aplicável aos oficiais de justiça.

Pois quer uns quer outros (na sua grande maioria) não conhecem o mundo que os rodeia e por isso mesmo às refeições apenas falam da realidade que conhecem: OS PROCESSOS.

Quantos segredos os empregados desses restaurantes, não conhecem?!

E depois questiona-se? Há violação do segredo de justiça? Claro. Basta estar ir a esses locais e compilar as fontes.
Atento , 12 Dezembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Magistrados: Ministério Público “Ministério Público não viola o segredo de Justiça”

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico