In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

MP: é legal copiar músicas e filmes na Net

  • PDF

É um despacho que promete dar que falar durante muito tempo: o Ministério Público considera que é lícito descarregar cópias de filmes e música em redes de Partilha de Ficheiros (P2P) em Portugal.

No início de 2011, a Associação do Comércio Audiovisual de Obras Culturais e de Entretenimento de Portugal (ACAPOR) surgiu nos títulos dos jornais por apresentar queixa na Procuradoria Geral da República de dois mil internautas portugueses que usavam sites de P2P para partilhar cópias alegadamente ilegais de filmes.

Passado pouco mais de um ano, Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), que tem objetivo analisar as queixas apresentadas na PGR que depois são encaminhadas para o Ministério Público, deu a conhecer um despacho demolidor para as pretensões da ACAPOR.

Além de vários reparos aos procedimentos seguidos pela ACAPOR, o DIAP dá a conhecer um despacho que se arrisca a marcar a história da defesa dos direitos de autor em Portugal. Eis um excerto que acaba de chegar à nossa redação: «Acresce que, do ponto de vista legal, ainda que colocando-se neste tipo de redes a questão do utilizador agir simultaneamente no ambiente digital em sede de upload e download dos ficheiros a partilhar, entedemos como lícita a realização pelos participantes na rede P2P para uso privado - artº 75º nº 2ª) e 81º b) do CDADC, - ainda que se possa entender que efetuada a cópia o utilizador não cessa a sua participação na partilha».

Apesar de considerar que o Código de Direitos de Autor e Direitos Conexos (CDADC) não tornou ilegal o uso de redes de partilha de ficheiros (P2P), o despacho do Ministério Público reconhece o mérito à ações levadas a cabo pela ACAPOR por alertarem para a necessidade de repensar as questões jurídicas relacionadas com a defesa dos direitos de autor de filmes, música e software na era digital. Mas também neste ponto os investigadores do DIAP deixam um reparo – e lembram que a defesa dos direitos de autor deve ser aplicada tendo conta igualmente «o direito à educação, à cultura, da liberdade de ação no espaço cibernáutico (sic), especialmente quando tal liberdade se cinge ao individual nada se relacionado (sic) com questões comerciais, com o lucro de atividade mercantil».

No mesmo despacho, os responsáveis do DIAP e do Ministério Público confessam ser impossível investigar a distribuição e o download de cópias ilegais na Internet através do número de IP. Segundo os investigadores, acusação de alguém com base no número de IP é «errónea», uma vez que o titular do número do Protocolo usado no acesso à Net «não é necessariamente o utilizador naquele momento concreto, não é necessariamente o que disponibiliza a obra, mas o que vê serviço registado em seu nome, independentemente de o usar ou de apenas figurar formalmente como seu titular».

O Ministério Público refere, com base na análise que faz dos artigos do CDADC, que só em situações em que o autor (e depreende-se que mais ninguém, apesar de o CDADC referir igualmente artistas, e produtores) expressamente o proíbe se pode considerar crime a partilha pública de uma obra.

O despacho deixa ainda implícita uma crítica à forma como a ACAPOR lidou com o processo, sublinhando que a associação que representa os clubes e lojas de vídeos não apresentou qualquer documento a comprovar que os autores do(s) filme(s) proibiram a «disponibilização pública».

A reação da ACAPOR

Nuno Pereira, diretor da ACAPOR, informa que já requereu a nulidade do inquérito que deu origem a este despacho. «Até porque consideramos que não ouve inquérito e que o Ministério Público se limitou a ouvir a ACAPOR e os técnicos da Inspeção Geral de Atividades Culturais (IGAC)». Nuno Pereira acredita que, se for declara a nulidade, o inquérito terá de ser voltar ao início. Caso não seja declara a nulidade, a ACAPOR vai avançar uma ação contra o Estado Português e apresentar queixa na Comissão Europeia.

O responsável da ACAPOR salienta ainda que as 2000 queixas apresentadas no início do ano passado não tinham por objetivo acusar os titulares das cointas de acesso à Internet usadas para o download de obras protegidas pelos direitos de autor. «Mas era importante saber quem eram os titulares dessas contas para depois se investigar quem realmente usou aquele acesso para fazer o download», explica.

A inexistência de comprovativo de proibição de partilha pública também merece críticas da ACAPOR:«Estamos a falar de filmes que estavam, ness altura nas salas de cinema e no circuito comercial e por isso seria público e notório de que não havia autorização de partilha pública», refere Nuno Pereira.

O conceito de partilha de ficheiros também suscita diferentes opiniões: Nuno Pereira admite que a Lei da Cópia Privada não exige que as réplicas para uso privado têm de ser feitas a partir de originais legítimos, mas lembra que esta lei apenas se aplica à cópia e não ao ato de partilha. «Tenho dificuldade em perceber como é que se pode fazer uma partilha para uso privado. É um conceito que não entendo», acrescenta.

O responsável da ACAPOR faz uma descrição pouco abonatória da atuação das autoridades em todo este processo:«Para mim, o Ministério Público apenas arranjou uma forma de adaptar a lei ao seu interesse – e o seu interesse era não ter que mandar 2000 mil cartas, ouvir 2000 mil pessoas e fazer 2000 mil perícias a computadores».

Hugo Séneca | Exame Informática | 26-09-2012

Comentários (7)


Exibir/Esconder comentários
...
A decisão que consta do despacho é certa: o IP pode não significar nada, porque a maioria das vezes é partilhado. Mas parece-me que efectivamente fazer o download de filmes e de musicas disponíveis na Internet não é crime. Diferente é fazer cópias, distribuir, ceder ou vender a terceiros esses ficheiros, sem autorização dos autores.
Mirror , 26 Setembro 2012
...
E no fim do despacho, pode ler-se:
«Notifiquem-se todos os teenagers deste país.»
Chiça, não há paciência. Vou só esperar pelos periódicos jurídicos do costume para ver esta "opiniã" completamente arrasada por quem sabe de Direitos de Autor e conexos.

Herr Flick, von GESTAPO (Gabinete de Estudo Sistemático das Trafulhices, Aldrabices, Petas, e Opiniães...)
Herr Flick, von GESTAPO , 27 Setembro 2012
...
Eu comparo o esta queixa da acapor com a queixa do ferradores de cavalos quando começaram aparecer os automóveis, segundo eles, os automóveis estavam-lhe a dar cabo do negócio porque cada vez mais havia menos cavalos para ferrar.
O srs. da acapor tem de compreender que o modelo de negócio de aluguer de filmes acabou, já não é aquilo que era e estão a direccionar o ataque para o lado errado porque qual não é a subscrição paga de televisão como o meo, a zon, etc, que oferecem a opção de videoclube.
Para não falar no meo kanal que cada cliente pode criar o canal que quiser pode ser publico ou não e pode lá colocar o que quiser e partilhar com os outros.

Até hoje há aqui uma questão que ainda ninguém me conseguiu responder qual a legitimidade da acapor para conseguir os 2000 IP's dos "partilhadores" e apresentar queixa contra eles,
XPTO , 27 Setembro 2012
...
Então mas é legal fazer download de filmes de sites ou só por p2p ????

Estou confuso. Ajuda?
J.A.M. , 27 Setembro 2012
...
Não uso o sistema de partilha mas congratulo-me com o despacho do MP.

Acrescento ainda que ao contrário da ideia que alguns queram passar, a partilha de ficheiros permite alargar o número de Pessoas que passam a conhecer a obra, a produtora e os actores... E isso tem contribuído para o aumento dos espectadores, de produções e também de lucros que, não existindo internet, jamais seriam possíveis.

Veja-se a lista dos 11 actores mais bem pagos entre julho de 2011 e julho de 2012:
1. Tom Cruise
$75 milhões

2= Leonardo DiCaprio
$37 milhões

2= Adam Sandler
$37 milhões

4. Dwayne Johnson
$36 milhões

5. Ben Stiller
$33 milhões

6= Sacha Baron Cohen
$30 milhões

6= Johnny Depp
$30 milhões

6= Will Smith
$30 milhões

9. Mark Wahlberg
$27 milhões

10= Taylor Lautner
$26.5 milhões

10= Robert Pattinson
$26.5 milhões



Incluo ainda a lista dos filmes mais lucrativos em 2011:
1. Harry Potter e os Talismãs da Morte: Parte 2 (€1,016 mil mihões)

2. Transformers 3 (€859 milhões)

3. Piratas das Caraíbas: Por Estranhas Marés (€798 milhões)

4. O Panda do Kung Fu 2 (€509 milhões)

5. A Saga Twilight: Amanhecer: Parte 1 (€499 milhões)

6. Velocidade Furiosa 5 (€479 milhões)

7. A Ressaca: Parte II (€444 milhões)

8. Os Smurfs (€430 milhões)

9. Carros 2 (€422 milhões)

10. Rio (€370 milhões)
Franclim Sénior , 27 Setembro 2012
...
despacho pertinentemente correcto.
jurista portugues , 27 Setembro 2012
...
Só há pirataria porque as empresas de multimédia querem ganhar num dia aquilo que poderiam ganhar num ano. É a gula que gera estas situações. Se os cds custassem 3 euros, vender-se-iam certamente 100vezes mais e dariam mais lucros (20€ x 1 = 20€; €3 x 100 = €300; como é óbvio, os custos da produção daquele exemplar e o que o artista recebe são insignificantes para a editora), pois toda a gente preferiria adquirir o original.

P.S. Eu não faço downloads piratas.
Zeka Bumba , 27 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Magistrados: Ministério Público MP: é legal copiar músicas e filmes na Net

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico