In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Guerra de Pintos no Ministério Público

  • PDF

Acusações abrem clima de guerra: Pinto Nogueira, ex-procurador-geral distrital do Porto, acusa Pinto Monteiro de "atrapalhar" investigações. PGR não comenta "falsidades"

O procurador-geral da República não comenta comentários, falsidades ou ânsias de protagonismo" garantiu ontem a assessora da Procuradoria-Geral da República, em resposta às acusações do ex-procurador-geral distrital do Porto: Pinto Nogueira afirmou ao jornal 'Público' que Pinto Monteiro "atrapalhou" investigações, como no caso Freeport. "O PGR tomará oportunamente as medidas que entender necessárias" disse ainda o gabinete de Pinto Monteiro, respondendo à pergunta se as declarações do magistrado serão alvo de discussão no Conselho Superior do Ministério Público.

A guerra está aberta e promete estar ainda longe do fim. Nos últimos dias, o procurador-geral adjunto do Porto, Pinto Nogueira, cuja comissão de serviço na Procuradoria Distrital não foi reconfirmada, deu três entrevistas – ao 'Público', ao semanário 'Sol' e ao 'Jornal de Negócios' – em que fez acusações graves a outros elementos da magistratura. Ontem, disse mesmo que Pinto Monteiro atrapalhou investigações. Deu o exemplo do Freeport, que envolvia o então primeiro – ministro José Sócrates, e garantiu que os processos não eram transparentes.

Dias antes, ao semanário 'Sol', Pinto Nogueira dizia que tinha sido afastado da Distrital do Porto por decisões políticas e pressões do sindicato. As suas declarações mais mordazes eram no entanto dirigidas a Euclides Dâmaso, procurador distrital de Coimbra. Garantia ser aquele um dos candidatos a PGR, mas depois afirmava que mal o conhecia, por não lhe reconhecer percurso jurídico.

Pinto Nogueira, que ontem não atendeu as chamadas do CM, assegurava ainda que tinha sido afastado "por uma conspiração do silêncio" Ao 'Jornal de Negócios', explicava que tinha sido "liquidado" por uma "maioria silenciosa".

As suas declarações e a eventual violação do dever de reserva devem agora ser discutidas no Conselho Superior.

Sindicato fala em "obsessões" sucessivas

O Sindicato dos Magistrados do MP reagiu ontem às acusações de Pinto Nogueira com ironia. "Nos últimos dias e nas entrevistas, revela grande empenho em mostrar publicamente as suas obsessões: a obsessão com o auto – elogio; a obsessão em se apresentar como um mártir; a obsessão em branquear a sua actuação como procurador- geral distrital do Porto e membro do Conselho Superior do Ministério Público, a obsessão com o sindicato" pode ler-se em comunicado.

Tânia Laranjo | Correio da Manhã | 05-06-2012

Comentários (3)


Exibir/Esconder comentários
...
O título do artigo (Guerra de Pintos) é genial e diz tudo.
E dá azo a comentários do género: dêem uns grãos de milho a cada um e tudo se resolve.
Hannibal Lecter , 05 Junho 2012
...
... contudo, uma coisa é certa:- " quando se zangam as comadres descobrem-se as verdades"!!smilies/grin.gifsmilies/wink.gifsmilies/smiley.gif
anonimo , 06 Junho 2012
...
Guerra de Pintos, não, Guerra de Galos e bem graúdos. Enquanto esta palhaçada destas guerrinhas continuarem a acontecer no Mano Pedro, não haverá investigação criminal ao colarinho branco digna do nome em Portugal.

Daí que certos marmanjões as vejam com muito bons olhos....mas aos cidadãos de bem apenas possam causar náuseas, vómitos e cólicas!!!
Zeka Bumba , 08 Junho 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Magistrados: Ministério Público Guerra de Pintos no Ministério Público

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico