In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Juizes contra ida dos inventários para os notários

  • PDF

O Ministério da Justiça pretende desjudicializar os processos de partilhas e heranças entregando essa competência aos notários. O juizes levantam “sérias dúvidas quanto à sua constitucionalidade”, e os magistrados do Ministério Público (MP) dizem-se “muito céticos quanto à possibilidade de esse novo regime resolver os problemas associados ao processo de inventário”.

A proposta de alteração à lei encontra-se em debate entre os parceiros sociais. O objetivo da ministra Paula Teixeira da Cruz é “retirar dos tribunais processos que podem ser resolvidos por vias alternativas, ou até mesmo evitados, permitindo aliviar a pressão sobre as instâncias judiciais”.

Mas a Associação Sindical de Juizes Portugueses (ASJP), em parecer enviado à ministra, avisa que os inventários não podem ser retirados dos tribunais, pois pressupõem “questões que impõem a composição definitiva de conflitos”, ou seja, caso a proposta avance, vão ser atribuídas competências a uma profissão liberal que são próprias de instâncias judiciais. Além de que, sublinha-se, “não há sequer intervenção do tribunal em sede de homologação da decisão da partilha”.

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) questiona, por seu lado, o que vai acontecer quando estiverem em causa menores e incapazes? Vão os procuradores, a quem cabe representá-los, recorrer aos cartórios? E quem paga os emolumentos? Questões que se levantam estando o projeto ainda em debate. Para o advogado Leonardo Azevedo, de Ovar, com uma vasta experiência nesta área processual, retirar dos tribunais os inventários poderá ser uma opção inglória. “Surgem os conflitos e os processo abertos nos cartórios vão ter de seguir para os juizes”, disse ao DN. Além de levantar dúvidas constitucionais, Leonardo Azevedo entende que os notários não estão preparados para a complexidade processual dos inventários.

Licínio Lima | Diário de Notícias | 22-05-2012

Comentários (2)


Exibir/Esconder comentários
...
Então agora é o inventário que atrasa os Tribunais... Porque não entregam a acção executiva aos notários, aos advogados ou aos solicitadores, mas levando a papelada para os respectivos ninhos, para assim se ver o que são os atrasos da justiça? Por mim, no estado em que isto está, entregava o crime às polícias e limitava-me a receber o vencimento!
Jesse James , 22 Maio 2012
...
Entregue-se antes o crime às populações. Juízos rápidos e penas pesadas.
Ccv , 22 Maio 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Magistrados: Juízes Juizes contra ida dos inventários para os notários

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico