In Verbis


icon-doc
REVISTA DE 2012

Juízes querem avaliações mais transparentes

  • PDF

Os juízes querem critérios mais objetivos no concursos curriculares de acesso ao tribunais da Relação e ao Supremo Tribunal da Justiça (STJ. As regras atuais, dizem, permitem a discricionariedade subjetiva e a opção preferencial por quem tem mais experiência no campo académico do que prática nos tribunais.

O relatório de avaliação sobre o último concurso para a Relação e – para o STJ foi ontem apresentado pela Associação Sindical dos Juizes Portugueses (ASJP) durante um colóquio realizado no Centro de Estudos Judiciários (CEJ), em Lisboa. O presidente da ASJP, Mouraz Lopes, alertou que "o sistema tem fragilidad.es". "É fundamental proceder à avaliação deste sistema, efetuar um debate sério e plural, afastado de querelas corporativas ou estratégico-políticas que o condicionam e extrair as respetivas conclusões", disse.

O juiz-conselheiro Maia Lopes, um dos oradores no colóquio, criticou o enorme peso do item "idoneidade" nos critérios de avaliação. A pontuação possível varia entre os 50 e os 110 pontos, no caso da graduação. Mas segundo o conselheiro os critérios não definem com precisão o que se pode avaliar nesse item, permitindo a a total subjetividade. "É o regresso ao passado", frisou.

A possibilidade de subirem ao STJ juristas de mérito que nunca passaram pelos tribunais foi outro dos pontos abordados por Maia Costa. O magistrado criticou, por um lado, o facto de agora ser mais fácil chegar ao STJ pela via académica do que fazendo carreira na magistratura. Por outro lado, criticou também o facto de a lei obrigar a que haja um quinto de juristas de mérito ficando o lugar vago se não houver candidatos.

Falando sobre o acesso à Relação, o ex-presidente da ASJP António Martins referiu que nos critérios de avaliação é mais valorado quem tem uma carreira académica do que quem tem experiência nos tribunais. A consequência será o aumento do número de juízes que querem estudar, e isso vai repercutir-se no trabalho nos tribunais, alertou.

As velhas guerras nas promoções

Em 2005, o DN noticiava que vários candidatos a juiz-conselheiro estavam a alertar para a eventual prática de ilícitos nas graduações para os concursos de acesso aos tribunais superiores. Em 2006, no âmbito do pacto para a justiça entre o PS e o PSD, o legislador fez alterações nos estatutos dos magistrados e impôs critérios mais objetivos de graduação, nomeadamente dando mais ênfase à avaliação curricular dos candidatos. Todos aplaudiram as novas regras. Agora, porém, os magistrados exigem que o legislador "densifique" mais os critérios para evitar a subjetividade.

Licínio Lima | Diário de Notícias | 28-09-2012

Comentários (8)


Exibir/Esconder comentários
...
Não está na notícia mas a que propósito os juízes dos tribunais superiores não são inspeccionados tal como os de 1ª instância !
Ai Ai , 28 Setembro 2012
...
A bon entendeur, gosto que um juiz seja JUIZ não Mestre ou Doutor.
Ai Ai , 28 Setembro 2012
...
"Juízes querem avaliações mais transparentes". E MUITO BEM! Para evitarmos certas surpresas desagradáveis como aquilo que vimos na sequência de uma recente "fuga" de lista de membros.

Quanto à pergunta PERTINENTÍSSIMA do Ai Ai, é evidente que a resposta é óbvia.
Zeka Bumba , 28 Setembro 2012
...
Estou indignado tiraram-me o tachinho. Era só uma comissão de serviço. Mesmo assim não autorizaram. Eu que só gosto de comissões de serviço. Tribunal é para pobre. Não posso perdoar esta que me fizeram. Abaixo o CSMP.
Paulo dos Tachinhos , 29 Setembro 2012
...
Basta a AR alterar a lei, valorizando mais a experiência profissional !
ABC , 29 Setembro 2012
...
Acho muita graça a opinião do Dr. António Martins quando "referiu que nos critérios de avaliação é mais valorado quem tem uma carreira académica do que quem tem experiência nos tribunais" e que "a consequência será o aumento do número de juízes que querem estudar, e isso vai repercutir-se no trabalho nos tribunais".
Pegunta: Então não foi na gestão de V. Exa. que a lei foi alterada? O que fez a então (como a actual, aliás) ASJP para evitar tal alteração?
Estou farto disto.
Indignado , 29 Setembro 2012
...
O Dr. António Martins esquece-se que foi ele, enquanto Presidente da ASJP, quem alimentou a alteração da lei para esta "valorização do percurso académico". Vejam-se os pareceres da ASJP então apresentados aquando da mudança da lei (nessa altura não o ouvi vociferar contra tal medida).
Agora que a clientela antiga já chegou à Relação, e a nova clientela vê a Relação por um canudo (com sorte chega lá daqui a vinte anos), está na altura de ser popularucho e mudar o discurso. Curiosamente, há anos que o FJI se manifesta contra este regime e do MJD não se ouve uma palavra. Agora, que se aproxima nova contagem de votos, em Março, há que ir à procura de novos votantes...
Triste.
Dr. Martins, vá lá para o Tribunal de Contas, fazer companhia ao outro, e deixe-se de fitas!
Sindicalizado , 30 Setembro 2012
...
Este Dr António Martins, ex presidente da ASJP e à bica de ser conselheiro do Tribunal de Contas, foi um grande impulsionador da valorização do percurso académico. Agora,com falinhas mansas, vem dizer que é importante valorizar a carreira académica.
Ó Dr. Martins, vá pregar para outra freguesia e deixe-se de discursos demagógicos. Os juízes não são tontos.
Com essas falinhas mansas os juízes já foram ENGANADOS quando votaram no Dr. Mouraz Lopes recentemente para as eleições da ASJP, sem saberem que ele já estava na calha para conselheiro do Tribunal de Contas. Se o soubessem, tinham pensado duas vezes.
Pires o sadino , 30 Setembro 2012

Escreva o seu comentário

reduzir | aumentar

busy

Últimos conteúdos

A estrutura da InVerbis está organizada por anos e classificada nos correspondentes directórios.Os conteúdos publicado...

O Estado assumiu, através da empresa pública Parvalorem, a dívida de quase 10 milhões de euros de duas empresas de Vítor...

Dos 118 homicídios cometidos em 2012, 63 tiveram familiares como protagonistas • Cinco pais e 18 padrastos detidos por a...

Pedro Lomba - Na primeira metade do ano o ajustamento negociado com a troika correu dentro do normal e expectável. Mas d...

Últimos comentários

Tradução automática

Forense Magistrados: Juízes Juízes querem avaliações mais transparentes

© InVerbis | 2012 | ISSN 2182-3138 

Sítios do Portal Verbo Jurídico